Idades da Vida

Diversas Culturas no FME-SP*

02/04/2004 00:00

Grupo de mulheres unidas
A casa Sofia abriga mulheres vítimas de abuso sexual, violência e estupro. Saionara Conceição Gomes, moradora do Jd. Coimbra - Santo Amaro, uma das integrantes da Casa Sofia, diz que falta oportunidade pra as mulheres no mercado de trabalho e participação de mulheres na sociedade. "Projetos não ficam só no papel, mas na prática, sem preconceito ou discriminação".

Força de vontade sem espaço para o preconceito
Do Rio de Janeiro saiu Aldagisa Marques Barros para vir trabalhar aqui na feira do Fórum Mundial de Educação. Mulher de pele negra, nos conta um pouco do preconceito que sofre. Ela trabalha com artesanato - Arte Africana - há quatro anos. "No mercado de trabalho, as mulheres brancas têm mais chances der conseguir emprego do que as negras", afirma. "A desigualdade sempre existiu e sempre continuará existindo".

Artista Plástico divulga seu trabalho
Tinacio, o pintor de rosto, trabalha com crianças há mais de trinta e seis anos e criou um projeto chamado: "Sonhando com as crianças - dê carinho às crianças pintando-as". Esse projeto leva a cultura através de pinturas usando natureza nos rostos. Isso ajuda crianças a preservarem a natureza.Nascido no Rio Grande do Norte, criado em Minas Gerais, atualmente mora na Móoca em São Paulo. Ele viajou para muitos outros lugares pintando. "A natureza é fundamental para o ser humano viver".

A educação vem de casa
"Tá faltando um olhar diferente, educação começa da família. E a família está por dentro da mídia. E a mídia é uma fonte de recursos e é importante na formação da família". Professor Adriano Carlos Pinto, das EMEF Marechal Mallet e EE Pedro Paques, Guaianases.

*. Reportagens escritas voluntariamente por repórteres comunitários formados nos Telecentros da Prefeitura de São Paulo. Mais informações em www.agentenarede.org


Conteúdo Relacionado