Leituras

'Balas de Washington': A história da CIA, golpes e assassinatos

Com prefácio do Presidente Evo Morales, livro do jornalista Vijay Prashad ajuda a esclarecer a participação dos EUA nos golpes políticos do Terceiro Mundo

08/07/2020 13:21

(Reprodução)

Créditos da foto: (Reprodução)

 
Balas de Washington – uma história da CIA, golpes e assassinatos, como comenta o historiador e jornalista indiano, Vijay Prashad, “foi escrito tendo em mente o processo chamado Semana Anti-Imperialista, um período de protestos convocado pela Assembleia Internacional dos Povos”. Trata-se de uma síntese da longa história de lutas pela libertação dos povos e de assassinatos, golpes e massacres promovidos pelos Estados Unidos.

Vijay Prashad é historiador marxista e diretor do Instituto Tricontinental de Pesquisa Social, correspondente chefe de redação do site Globetrotter - projeto do Independent Media Institute - e é editor-chefe da LeftWord books, da Índia.

Nas 167 páginas do volume (Expressão Popular/Coleção Sul Global) ele detalha a ascensão do imperialismo estadunidense depois da Segunda Guerra Mundial e a posição central que ele ocupa diante dos demais países imperialistas os quais, organizados como raios, procuram conter o avanço dos processos revolucionários e a influência da União Soviética entre os países dependentes.

Ao analisar a história a contrapelo, o autor configura a formação desses raios em uma verdadeira guerra entre classes: “Se os partidos dos operários e camponeses chegassem perto do poder ou se eles assumissem o poder ou desafiassem o domínio dos imperialistas, teriam que ser impedidos ou expulsos dos cargos. Esta é a síntese da história da guerra de classes até a atualidade.''

O livro tem tradução de Rafael Tatemoto e o prefácio, muito especial, é assinado pelo Presidente da Bolívia Evo Morales Ayma, destituído em golpe de 2019.

Escreve Morales:

 

''Este é um livro sobre balas, diz o seu autor.

Balas que assassinaram processos democráticos, que assassi-

naram revoluções e que assassinaram esperanças.

O bravo historiador e jornalista indiano Vijay Prashad emprega

toda a sua vontade para explicar e ordenar de forma compreen-

sível e totalizadora o obscuro interesse com que o imperialismo

intervém nos países que tentam construir seu próprio destino.

Nas páginas deste livro está documentada a participação dos Es-tados Unidos no assassinato de lideranças sociais da África, Ásia

e da América Latina e nos massacres massivos dos povos que se

opõem a pagar com sua própria pobreza os negócios delirantes

das corporações multinacionais.

Prashad diz que essas balas de Washington têm um preço: “O

preço mais alto é pago pelas pessoas. Porque nestes assassinatos, nesta intimidação violenta, são as pessoas as que perdem suas lideranças em seus locais; um líder camponês, um líder sindical, um líder dos pobres”.

Prashad nos relata de maneira documentada a participação da

CIA no golpe de Estado de 1954 contra Jacobo Arbenz Guzmán,

presidente da Guatemala democraticamente eleito. Arbenz tivera a intolerável audácia de se opor aos interesses da United Fruit Company.

No Chile, o autor mostra como o governo estadunidense, por meio da CIA, financiou, com oito milhões de dólares, greves e protestos contra Allende.

O que aconteceu no Brasil, no golpe parlamentar que terminou

com a destituição da presidenta Dilma Roussef, em agosto de 2016, é um exemplo completo da prática perversa do lawfare, isto é, “o uso da lei como arma de guerra”.

O mesmo instrumento foi utilizado contra o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que sofreu 580 dias de prisão como resultado de um julgamento em que a promotoria não apresentou provas concretas, mas apenas “convicções”.

''Os tempos mudaram,'' prossegue o Presidente Morales no belo prefácio, '' e mudaram os negócios, mas as formas e as respostas do imperialismo apenas se modificaram. Nós, bolivianos, conhecemos muito bem esta política.''

E ele segue adiante na sua apresentação.

As análises de Vijay Prashad sobre a participação dos Estados Unidos nos processos contra-revolucionários, em todos os continentes, partem do período do fim da Segunda Guerra Mundial, e alcançam os recentes golpes políticos no Brasil e na Bolívia. É obra para compreender e lutar contra as armas da dominação imperialista, mas com a força da imaginação poética dos povos rebeldes:

“O mais bonito/para aqueles que lutaram/sua vida inteira,/é chegar ao fim e dizer:/nós acreditamos no ser humano e na vida/e a vida e o ser humano/nunca nos decepcionaram” (Otto René Castillo)

O bravo historiador e jornalista Vijay Prashad emprega toda a sua energia para explicar e ordenar, de forma compreensível e totalizadora, o obscuro interesse com que o imperialismo intervém nos países que tentam construir seu próprio destino.

Ele escreve regularmente para The Hindu, Frontline, Newsclick e BirGün e é autor do livro Estrela vermelha sobre o Terceiro Mundo, também do catálogo da Expressão Popular.

https://www.expressaopopular.com.br/loja/clube-do-livro/






Conteúdo Relacionado