Leituras

A cruel pedagogia do vírus

 

24/04/2020 09:54

(Reprodução)

Créditos da foto: (Reprodução)

 
A cruel pedagogia do vírus, ensaio do sociólogo português Boaventura de Sousa Santos, novo volume da coleção Pandemia Capital, disponível exclusivamente em e-book, é uma didática argumentação sobre os desdobramentos da pandemia do coronavírus à luz da situação econômica e política dos últimos anos. 

Na obra, o autor reflete sobre as súbitas mudanças de hábitos impostas em todo o planeta, como o tempo dispensado aos filhos, a diminuição da poluição nas grandes cidades e a redução do consumo desenfreado. Segundo ele: “Mostra-se que só não há alternativas porque o sistema político democrático foi levado a deixar de discutir as alternativas”. 

Boaventura faz uma importante menção aos grupos mais afetados pela crise ao redor do mundo e credita ao capitalismo enquanto modelo social nossa inabilidade de fazer frente a ela: “Só com uma nova articulação entre os processos políticos e os processos civilizatórios será possível começar a pensar uma sociedade em que a humanidade assuma uma posição mais humilde no planeta que habita”. 

Pandemia Capital é uma série especial de obras curtas, objetivas e com preços acessíveis que aborda a crise atual do novo coronavírus e suas implicações na sociedade, na psicologia e na economia.

Ficha Ténica:

Título: A cruel pedagogia do vírus
Autor: Boaventura de Sousa Santos
Páginas: 35
Preço: R$ 5,00
Coleção: Pandemia Capital
Capa: Flávia Bomfim e Maguma
ISBN: 978-85-7559-776-7
Ano de lançamento: 2020
Editora: Boitempo

Sobre o autor:
Boaventura de Sousa Santos é doutor em sociologia do direito pela Universidade Yale (1973), além de professor catedrático jubilado da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Distinguished Legal Scholar da Universidade de Wisconsin-Madison. É diretor emérito do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra. De sua vasta obra, a Boitempo publicou: Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social (2007), A difícil democracia: reinventar as esquerdas (2016) e Esquerdas do mundo, uni-vos! (2. ed., 2019).

Conteúdo Relacionado