Leituras

A luta das mulheres camponesas

 

04/02/2021 08:33

(Divulgação)

Créditos da foto: (Divulgação)

 

A obra, com 13 capítulos, foi escrita por mulheres organizadas no Movimento de Mulheres Camponesas e narra a formação e as lutas do grupo desde os anos 1980

É produzida pelas próprias camponesas a narrativa do livro Feminismo Camponês Popular: reflexões a partir de experiências do Movimento de Mulheres Camponesas em parceria com a Editora Expressão Popular (selo Outras Expressões), que será lançado no próximo dia 10. Nessa luta das camponesas organizadas no MMC, o relato de suas próprias histórias e a ocupação de espaços teóricos, antes acadêmicos e restritos, e da luta na base.

De acordo com as camponesas, trata-se de uma conquista que começou com o primeiro passo: lutar para sair de casa e do anonimato e se organizar coletivamente, passando pela luta intensa pelo reconhecimento de sujeitas de direitos, tais como aposentadoria, salário-maternidade e documentação pessoal, e afirmação da agroecologia feminista camponesa popular como modo de vida e projeto de sociedade.

Elas salientam a importância de um movimento que hoje já está organizado em 16 estados brasileiros, faz parte da Coordenadoria Latino-Americana das Organizações do Campo (CLOC) e da Via Campesina Internacional, sendo um dos movimentos autônomos de mulheres dentro das lutas do campo.

As autoras destacam: "O livro traz nossas concepções sobre o Feminismo Camponês Popular a partir das experiências e reflexões vivenciadas no MMC. A elaboração foi uma construção coletiva, trazendo a história do MMC, a nossa vida, organização, formação e lutas. escrevemos os textos motivadas por uma mística emancipadora''.

Os 13 capítulos nos quais as camponesas nos convidam a percorrer a trajetória que carrega a diversidade das mulheres do campo no Brasil: Veredas de muitas histórias, de Carmen Lorenzoni, Iridiani Gracieli Seibert e Zenaide Collet; Invisibilidade para sujeitos de direitos, de Ana Elsa Munarini, Catiane Cinelli e Rosangela Piovizani Cordeiro; Mulheres indígenas: em defesa do território e da identidade, de Edcleide da Rocha Silva, Gabriela Maria Cota dos Santos, Glaciene Vareiro Pereira e Margarida de Oliveira dos Santos; As ligas camponesas e a luta que marca os movimentos organizados do campo, de Edcleide da Rocha Silva e Déborah Murielle Sousa Santos; Uma abordagem antirracista, por Itamara Almeida e Cleidineide Pereira de Jesus; Agricultura camponesa e agronegócio: mulheres em resistência, de Clara Regina Medeiros de Lima e Glaciene Vareiro Pereira.

Sementes de resistência: caminhos para a produção de alimentos saudáveis, de Edcleide da Rocha Silva e Ana Claudia Rauber; Alimentação saudável: somos o que comemos!, de Maria Cavalcanti, Maria Lucivanda Rodrigues da Silva e Noemi Margarida Krefta; Divisão sexual do trabalho, de Isaura Conte, Michela Calaça e Noeli Welter Taborda; Economia feminista e as mulheres camponesas, de Elisiane de Fátima Jahn, Geneci Ribeiro dos Santos e Sandra Marli da Rocha Rodrigues; Enfrentamentos à violência contra a mulher, de Carmen Lorenzoni, Sandra Marli da Rocha Rodrigues e Sirley Ferreira dos Santos; Diversidade sexual e heterossexualidade, de Angélica Lázaro da Cunha e Crísea Cristina Nascimento de Cristo; e A mística feminista camponesa e popular no MMC, de Adriana Maria Mezadri, Justina Inês Cima, Sirlei Antoninha Kroth Gaspareto e Vanderléia Pulga.

As organizadoras são Adriana Maria Mezadri, Justina Inês Cima, Noeli Walter Taborda, Sirlei Antoninha Kroth Gaspareto e Zenaide Collet. De acordo com elas, "ao ler o livro será possível ouvirmos as vozes das mulheres camponesas de nosso país. Diferentemente do que tem ocorrido com os registros da história oficial escrita por 'vencedores', homens brancos, abastados e que negaram às mulheres, especialmente às camponesas, o direito de estudar e escrever sobre suas vidas e trajetórias''.

O lançamento será em live, dia 10 de fevereiro, a partir das 19h30, com transmissão pelas redes sociais do MMC (https://www.facebook.com/mmcnacional/, da Editora e Livraria ExpressãoPopular https://www.youtube.com/user/expressaopopular e de movimentos e entidades parceiras nas lutas.

*Com informações da Editora Expressão Popular

Conteúdo Relacionado