Leituras

O capitalismo como um buraco negro, último livro de Harribey

 

02/08/2020 16:22

 

 
A crise que eclodiu em 2007 foi a crise sistêmica mais grave desde a Grande Depressão. Ela abrangeu todos os países do mundo e todos os principais setores de atividade. Global em suas múltiplas dimensões, passou de econômica para financeira, de social para ecológica, de política para ideológica.

Mais de uma década depois, como devemos entender a pandemia de Covid-19 e a crise que ela gerou? Isso se resume a um infortúnio para o capitalismo que, uma vez que o confinamento e a paralisia da economia tenham passado, poderia recomeçar como antes para encontrar o caminho para o crescimento? Ou bem se trata do entrelaçamento sem precedentes de uma crise social e uma crise ecológica que demonstra a natureza sistêmica e profunda do que estamos vivendo hoje? A lógica do lucro infinito do sistema implantado o levou a sacrificar os dois pilares que ele não pode prescindir: o humanos e a natureza? E a repetição de crises é um parêntese, ou tem suas raízes na natureza endêmica da superacumulação e superprodução?

Um livro publicado um dia antes da eclosão da pandemia de Covid-19 fornece respostas relevantes para todas essas perguntas. Ele poderia ter se tornado obsoleto imediatamente, já que vivemos uma situação sem precedentes em todos os seus aspectos. No entanto, este não é absolutamente o caso. Para se convencer disso, basta ler com que lucidez “Le Trou Noir du Capitalisme” [O Buraco Negro do Capitalismo], de Jean-Marie Harribey, demonstra os limites sociais e ecológicos do capitalismo e sua incapacidade de propor um outro modelo que não seja o da degradação do planeta e do mundo e da condição salarial.

O objetivo do livro é duplo: primeiro analisar as causas dessa crise, para entender melhor como ela é global, e mostrar, por meio de um argumento meticuloso e trabalhado com perfeita maestria, que só se pode sair dela se atacarmos a própria lógica do sistema. Em seguida, o livro explora as maneiras de discutir e rejeitar os impasses e avançar naqueles que permitiriam sair do produtivismo e da crise social e ecológica.

O livro tem um título bonito e, desde a introdução, Jean-Marie Harribey explica por que o capitalismo é um buraco negro, ou seja, um sistema cuja lógica é estender a lei do mercado indefinidamente a todas as atividades humanas, a todas as espécies vivas, bem como a todos os recursos naturais, a todo conhecimento. Como os “buracos negros” que engolem toda a matéria e toda a radiação luminosa em sua vizinhança, o capitalismo tem a propensão para engolir tudo, se isso puder trazer lucro. Este livro representa a jornada intelectual de Jean-Marie Harribey que discute, aprofunda e explora as muitas perguntas feitas e discutidas pelos economistas, mas também no movimento social, sindicatos, organizações e associações de cidadãos.

O arcabouço teórico é marxista para analisar a crise global do sistema capitalista globalizado que não pode de forma alguma representar um caminho de emancipação para a humanidade. Ele se reporta a Polanyi para as bifurcações e saídas que propõe e que são três: a reabilitação do trabalho, a instituição de bens comuns e serviços públicos e a socialização do dinheiro, em particular para financiar a transição ecológica e social. Uma leitura cuidadosa mostra um trabalho de análise muito sério, a obra é muito bem documentada, faz referência a muitos autores clássicos, mas também contemporâneos. O livro é destinado a professores-pesquisadores e estudantes, bem como ativistas de movimentos sociais, sindicalistas, cidadãos antiglobalização ou simplesmente preocupados com o futuro do planeta. É muito fácil de ser lido.

Cada capítulo, incluindo a introdução, começa com uma citação de um autor ou de vários autores conhecidos, em locais e horários diferentes daqueles em que vivemos hoje. E é um verdadeiro prazer realizar esse salto no tempo e no espaço, esse tipo de ginástica intelectual que nos permite entender melhor o que certas situações têm em comum. O livro também é escrito por um amante da linguagem, que a maneja com um certo virtuosismo, em um estilo muito educacional, fácil de entender, sem ceder à substância quanto à qualidade do raciocínio e da argumentação.

A crise é sistêmica e global

Desde o início, o livro faz uma análise do sistema capitalista em que vivemos atualmente. Traça a evolução do regime de acumulação financeira que se impôs no mundo a partir da década de 1980 e as dificuldades que encontra. Duas delas são analisadas mais particularmente: por um lado, a realização de valor, ou seja, a necessidade de mercados cada vez maiores para as mercadorias e, por outro lado, os limites do planeta (natureza e recursos) que impedem uma acumulação infinita. Além disso, as contradições que surgem periodicamente são as diferentes manifestações da mesma crise, sem que se possa separar a dimensão ecológica da dimensão social.

O autor propõe a hipótese de que a dificuldade do capitalismo em superar sua própria crise reside na sua incapacidade de propor um modelo que não seja a degradação da condição salarial. Mas ele também insiste que as condições sociais e ecológicas interagem entre si. E, para a pergunta: o capitalismo pode ser ecológico, verde e não produtivista? Jean-Marie Harribey responde claramente que o capitalismo e a ecologia são incompatíveis porque "a dinâmica do capitalismo é dirigida pelo lucro a curto prazo, enquanto a temporalidade das evoluções naturais é muito a longo prazo".

Ele utiliza o conceito de capitaloceno (Malm, 2016) que, rompendo com qualquer interpretação naturalista, permite relacionar a crise ecológica à crise de acumulação de capital, ressituando as atividades humanas na origem da degradação do planeta, no próprio cerne das relações sociais em que ocorrem. As raízes da pandemia de Covid-19 não estão na organização global de um sistema que desvaloriza o trabalho humano e pilha a natureza?

Denunciando a versão edulcorada do desenvolvimento sustentável ou do crescimento verde inclusivo, Jean-Marie Harribey rejeita a ilusão de superar a crise ecológica na estrutura capitalista, bem como a ideia de que a ecologia pode transcender a questão social. Ele rejeita a velha ideia de que a transformação da sociedade se resume à destruição do capitalismo que, por si só, resolveria a questão ecológica, mas rejeita também o inverso, a ideia de que a ecologia seria suficiente para resolver a questão social.

O livro segue com debates de grande atualidade: o de decrescimento, renda universal, colapsologia, todos merecem ser estudados por mais tempo, à medida que o autor dedica algum tempo a examinar seriamente os argumentos, apresentados por certos teóricos para defender esses pontos de vista, e mostrar que, frequentemente, partindo de preocupações e do desejo de oferecer contrapontos à ideologia neoliberal, essas propostas são, na melhor das hipóteses, ilusórias.

A questão socioecológica também é uma oportunidade para Harribey abordar e desenvolver uma questão que está próxima de seu coração, que ele já expôs em outro de seus livros “La richesse, la valeur et l’inestimable, Fondements d’une critique socio-écologique de l’économie capitaliste” [A riqueza, o valor e o inestimável: fundamentos de uma crítica sócio-ecológica da economia capitalista] publicada em 2013. Ele retraça os debates teóricos que cercaram a questão do valor, de Aristóteles a Marx, mostrando o que está em jogo.

Ele desenvolve sua tese sobre o trabalho produtivo na esfera monetária fora do mercado, enquanto especifica que a maioria dos marxistas com autoridade reconhecida a rejeitou. A razão que ele apresenta é que "o conceito de validação social não é levado a sério o suficiente e que essa insuficiência está indubitavelmente ligada à concepção de dinheiro". O paralelo entre o financiamento de serviços não mercantis, que incidiria sobre o valor preexistente e a crença na necessidade de poupança anterior para financiar investimentos em uma economia capitalista (dinheiro exógeno versus dinheiro endógeno) é a razão profunda para o não reconhecimento do valor que seria criado na esfera monetária não mercantil? Esse trabalho produz valor para o capital ou não? O debate está longe de terminar.

Para concluir esta parte, em relação às críticas feitas com frequência que a teoria do valor não leva em conta o valor da natureza, JM Harribey afirma que a natureza não tem valor econômico intrínseco, porque a categoria valor é de ordem sócio-antropológica e não pertence à ordem natural, e o dito valor da natureza pertence a outro domínio que não a economia.

 As propostas

Este livro também é um convite para explorar as direções, às quais seria necessário se ramificar, para sair da trajetória atual e desse sistema, daí seu interesse por um público mais amplo do que a única categoria de economistas profissionais. Três trilhas, ou bifurcações, são exploradas: a reabilitação do trabalho, a instituição de bens comuns e serviços públicos e a socialização do dinheiro.

O livro parte da situação de trabalho e emprego e observa dois fatos importantes: disparidades salariais gerais e desigualdades salariais entre homens e mulheres. Ele observa que as profissões que prestam de serviços às pessoas são, em 95%, ocupadas por mulheres. Desde a crise de Covid-19 aumentou a consciência da contradição existente entre, por um lado, a contribuição essencial de certas profissões altamente feminizadas, enfermeiras, auxiliares de enfermagem, trabalhadores de manutenção hospitalar, auxiliares domésticos, caixas, para o bem-estar geral e, por outro lado, pelo baixo nível de remuneração e pelo reconhecimento social e econômico. A esse respeito, podemos lamentar que o livro, ainda que levante essa questão, não ofereça mais caminhos para combater essa situação.

O livro destaca especialmente a centralidade do trabalho vivo, definido no nível filosófico como uma mediação social a partir da teoria do valor do trabalho, enquanto no nível psicodinâmico trata-se, segundo Dejours (2007), citado por Jean -Marie Harribey, "da construção de identidade, da autorrealização e, assim, da saúde mental". O aspecto central da questão do trabalho deu origem a um debate com Thomas Coutrot (1), bem como a uma resposta do autor. Permanece uma questão que não foi levantada sobre o trabalho doméstico: devemos considerar que, como certas separações estão se esvaindo, a distinção entre produção e reprodução capitalista fora do campo capitalista (trabalho doméstico e cuidados dentro da família? , etc.) também se dilui? E se a categoria de trabalho não se aplica apenas à produção, isso não justificaria reivindicações em torno de um salário para remunerar esse trabalho doméstico? Uma questão amplamente debatida em associações feministas e uma reivindicação rejeitada por muitas feministas.

Os caminhos explorados para sair da trajetória atual aqui se relacionam à luta dos trabalhadores contra a desapropriação de sua identidade por meio de novos métodos de gestão que lhes negam o mínimo de autonomia e liberdade, o que tira seu direito de escrutínio. sobre questões que lhes digam respeito ou sobre os produtos que fabricam. Também aqui a crise de Covid-19 provocou discussões sobre as condições que permitiriam o retorno dos funcionários a seus locais de trabalho, dos quais as pessoas em questão foram excluídas mesmo estando na melhor posição para discuti-la. Outro exemplo da atualidade do livro, ainda escrito antes do início da pandemia.

A discussão em torno da segunda bifurcação começa com uma discussão teórica sobre o que são os bens comuns e traça sua história do ponto de vista da história do pensamento econômico, insistindo na estrutura institucional dos bens comuns, mas também em suas falhas, em particular direitos de acesso que geralmente permanecem dependentes dos direitos de propriedade pessoal. Harribey, como Dardot e Laval (2014), rejeita qualquer concepção naturalista e qualquer concepção essencialista dos bens comuns.

Para iniciar a instituição de bens comuns como um dos motores da transição social e ecológica (2), o autor apresenta as seguintes propostas: primeiro, instituir um perímetro que inclua todos os serviços que atendam às necessidades básicas: água, energia, educação, saúde, moradia e "pacotes de direitos" declarados para permitir o acesso a todos os cidadãos. Em seguida, a necessidade de definir uma estrutura coletiva para a gestão, controle e distribuição do que pertence ao público, ao coletivo e ao comum. Finalmente, planejamento democrático baseado na propriedade social para garantir consistência entre os diferentes níveis.

A terceira bifurcação diz respeito à socialização do dinheiro. Para quem conhece o autor e acompanhou seu trabalho em particular na última década sabem que a questão do dinheiro, sua natureza, sua criação e seu papel, ocupou um lugar cada vez mais importante. Pensamos no livro La Monnaie [A Moeda], uma questão política coescrita em 2018 com vários “économistes atterrés” [economistas aterrorizados] (3), ou nas várias postagens que alimentaram “La vie au ralenti, journal d’un confiné” [Vida em câmera lenta, diário de um confinado] (4) no blog Alternatives Économiques, onde a moeda é incansavelmente apresentada como instituição social, onde a concepção de dinheiro endógeno é explicada com os mecanismos de criação monetária.

No “Le Trou Noir du Capitalisme”, as questões monetárias são abordadas da perspectiva da transição e de seu financiamento. Sublinha-se o papel dos bancos centrais: o do BCE supõe sua transformação radical, bem como a modificação de seus estatutos e dos tratados que definem sua independência e sua ação. É de notar que a moeda e a política monetária não são as únicas alavancas da transição. A tributação ecológica tem um papel importante a desempenhar, sob certas condições, em particular que seja justa e faça parte de um processo de transformação do sistema de produção. A proposta de moeda fiscal, apresentada em particular por Bruno Théret, mas também por outros economistas, é discutida.

Entendemos, ao longo desta revisão, que o livro “Le Trou Noir du Capitalisme”, publicado às vésperas da eclosão da pandemia de Covid-19, não envelheceu nem um pouco. Permanece muito atual e merece ser lido e discutido. Ele nos obriga a admirá-lo pelo rigor do trabalho realizado, pela qualidade do raciocínio e pelas demonstrações.

Resta uma pergunta que não é abordada no livro: quais são as forças políticas e sociais que levarão essas bifurcações, que marcarão o caminho para deixar o impasse que o capitalismo constitui e construir uma sociedade mais justa, um ambiente de vida equilibrado e respeitoso com todas as espécies vivas? Como reunir forças e promover a convergência dos diferentes movimentos e lutas e sua representação democrática? Se é verdade, como Robert Boyer cita no livro, que “o capitalismo ainda é jovem, mas não é eterno” (5), é ainda mais verdadeiro que há urgência.

Referências

Dardot Pierre e Laval Christian (2014), Commun, Essai sur la révolution au XXIe siècle, Paris, La Découverte.

Dejours Christophe (2007), Théorie du travail, théorie des pulsions et théorie critique : quelle articulation ?, em Cukier (dir.), Travail vivant et théorie critique. Affects, pouvoir et critique du travail, Paris, PUF.

Harribey Jean-Marie (2013), La richesse, la valeur et l’inestimable, Fondements d’une critique socio-écologique de l’économie capitaliste, Paris, Les Liens qui libèrent.

Malm Andreas (2016), Fossil Capital: The Rise of Steam Power and the Roots of Global Warming, New York, Verso.

Théret Bruno (2015), Vers l’institution de monnaies fiscales nationales dans la zone euro ?, Les Possibles, n° 8, Automne, https://france.attac.org/nos-publications/les-possibles/numero-8-automne-2015/dossier-questions-strategiques-apres-le-coup-d-etat-contre-la-grece/article/vers-l-institution-de-monnaies-fiscales-nationales-dans-la-zone-euro

Notas

1 Thomas Coutrot, Autour du concept de travail vivant : une lecture du Trou noir du capitalisme de Jean-Marie Harribey, em https://france.attac.org/nos-publications/les-possibles/numero-24-ete-2020/debats/article/autour-du-concept-de-travail-vivant-une-lecture-du-trou-noir-du-capitalisme-de

2 Ver François Morin: https://france.attac.org/nos-publications/les-possibles/numero-23-printemps-2020/debats/article/recension-du-livre-de-jean-marie-harribey-le-trou-noir-du-capitalisme

3 La Monnaie, Un enjeu politique, 2018, Édition du Seuil, les Économistes atterrés

4 https://blogs.alternatives-economiques.fr/harribey

5 Robert Boyer (2019), Le capitalisme est encore jeune, mais pas éternel, Entrevista a Christian Chavagneux, Alternatives économiques n°393, Septembre.

 Esther Jeffers é professora de economia na Universidade de Picardie Jules Verne (CRIISEA) e membro da Economists Atterrés.

*Publicado originalmente em 'Contretemps' | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado