Leituras

Resenha do primeiro volume de ''O Capital''

 

08/11/2020 12:54

(Reprodução/bit.ly/2IgVWeI)

Créditos da foto: (Reprodução/bit.ly/2IgVWeI)

 
I

Desde que existem capitalistas e trabalhadores no mundo, nenhum outro livro já publicado tem a importância para os trabalhadores quanto este. Nele, a relação entre capital e trabalho, eixo em torno do qual gira todo o sistema da sociedade moderna, é estudada cientificamente pela primeira vez, e com profundidade e rigor só possíveis em um alemão. Tão valiosas quanto as obras de Owen, Saint-Simon e Fourier são, e sempre serão, tinha que ser um alemão a escalar o cume de onde é contemplado, claramente – como se contempla, do topo das montanhas, a paisagem das colinas abaixo –, todo o campo das relações sociais modernas.

A economia política atual nos ensina que o trabalho é a fonte de a toda riqueza e a medida de todos os valores, de modo que dois objetos que, ao serem produzidos, custaram o mesmo tempo de trabalho, devem conter o mesmo valor; e, uma vez que, em média, apenas valores iguais podem ser trocados entre si, esses objetos devem ser capazes de ser trocados entre si. Mas, ao mesmo tempo, ensina-nos que existe uma espécie de trabalho acumulado, ao qual essa economia dá o nome de capital, e que este capital, graças aos recursos auxiliares que contém, aumenta a capacidade produtiva do trabalho vivo cem e mil vezes, em virtude da qual exige uma determinada remuneração, que se denomina benefício ou lucro. Todos nós sabemos que o que realmente está acontecendo é que, enquanto os lucros do trabalho morto acumulado crescem em proporções cada vez mais surpreendentes, e os capitais dos capitalistas ficam cada vez mais gigantescos, os salários do trabalho vivo estão encolhendo cada vez mais , e a massa de trabalhadores, que vive exclusivamente de um salário torna-se cada vez mais numerosa e empobrecida. Como essa contradição é resolvida? Como é possível ao capitalista obter lucro, se o trabalhador recebe o valor integral do trabalho que incorpora ao seu produto? Como a mudança sempre assume valores iguais, parece que necessariamente deve acontecer dessa forma. Mas, por outro lado, como podem ser trocados valores iguais, e como pode o trabalhador receber o valor integral de seu produto, se, como muitos economistas reconhecem, esse produto é distribuído entre ele e o capitalista? Diante dessa contradição, a economia usual fica perplexa e não sabe mais do que escrever ou gaguejar algumas frases confusas, que nada dizem. Tampouco os críticos socialistas da economia política, anteriores a nossa época, foram além de destacar a contradição; ninguém conseguiu resolvê-lo, até que Marx, por fim, analisou o processo de formação do lucro, voltando à sua verdadeira origem e esclarecendo assim todo o problema.

Em sua investigação do capital, Marx parte do fato simples e notório de que os capitalistas valorizam seu capital por meio da troca, comprando mercadorias com seu dinheiro para vendê-las depois por mais do que custam. Por exemplo, um capitalista gasta 1000 moedas comprando algodão e o revende para ganhar 1100 moedas, e assim ele lucra 100 moedas. Esse excedente de 100 moedas, que aumenta o capital primitivo, é o que Marx chama de mais-valia. De onde vem esse ganho de capital? Os economistas partem do pressuposto de que apenas valores iguais são alterados, e isso, no campo da teoria abstrata, está correto. Portanto, a operação que consiste em comprar algodão e revendê-lo não pode gerar uma mais-valia, pois não pode ser gerada trocando uma moeda de maior valor por trinta menos valiosas ou trocando moedas fracionárias por uma moeda de prata. Depois de realizar esta operação, o possuidor da moeda não é nem mais rico nem mais pobre do que antes. Mas a mais-valia não pode surgir nem do fato de que os vendedores colocam seus bens por mais do que eles valem, ou de que os compradores os obtêm abaixo de seu valor, porque aqueles que agora são compradores são também vendedores, e, portanto, o que ganham em um caso, perdem no outro. Nem pode vir de compradores e vendedores se enganando, uma vez que isso não criaria nenhum novo valor ou mais-valia, mas apenas mudaria a distribuição do capital existente entre os capitalistas. No entanto, apesar de comprar e vender mercadorias pelo que valem, o capitalista obtém mais valor delas do que investiu. Como isso é explicado?

No regime social atual, o capitalista encontra no mercado uma mercadoria que possui a estranha qualidade que, ao ser consumida, gera novo valor, cria um novo valor: essa mercadoria é a força de trabalho.

Qual é o valor da força de trabalho? O valor de todas as mercadorias é medido pelo trabalho necessário para produzi-las. A força de trabalho existe na forma de trabalhador vivo, que, para viver e sustentar também sua família, que garante a persistência da força de trabalho mesmo depois de sua morte, necessita de uma certa quantidade de meios de vida. O tempo de trabalho necessário para produzir esses meios de subsistência, portanto, representa o valor da força de trabalho. O capitalista paga ao trabalhador semanalmente e compra o uso do seu trabalho por uma semana. Até agora, esperamos que os economistas estejam mais ou menos de acordo conosco, no que diz respeito ao valor da força de trabalho.

O capitalista põe seu trabalhador para trabalhar. O trabalhador lhe fornece, depois de um certo tempo, a quantidade de trabalho representada pelo seu salário semanal. Suponhamos que o salário semanal de um trabalhador seja igual a três dias de trabalho; se o trabalhador começar a trabalhar na segunda-feira, na noite de quarta-feira terá devolvido ao capitalista o valor integral de seu salário. Mas ele para de funcionar quando isso é alcançado? Nada disso. O capitalista comprou para ele uma semana de trabalho; portanto, o trabalhador deve continuar trabalhando nos três dias restantes. Esse excedente de trabalho do trabalhador, depois de cobrir o tempo necessário para reembolsar o empregador de seu salário, é a fonte da mais-valia, do lucro, do aumento progressivo do capital.

E que ninguém diga que a ideia de que o trabalhador resgata o salário que recebe em três dias trabalhando, e que, nos restantes três dias, trabalha para o capitalista, e que isso seja uma suposição arbitrária. No momento, não nos importamos absolutamente, e depende das circunstâncias, se realmente leva três dias, ou dois, ou quatro para repor o salário. O importante é que, além do trabalho remunerado, o capitalista tira também o trabalho do trabalhador que não retribui. E essa não é uma suposição arbitrária, já que no dia em que o capitalista, no longo prazo, só tirar do trabalhador o trabalho que o remunera com salário, ele fecharia a fábrica, porque todo o seu lucro iria abaixo.

Aqui está a solução para todas essas contradições. O nascimento da mais-valia (da qual uma parte importante constitui o lucro do capitalista) é agora completamente claro e natural. O trabalhador recebe, certamente, o valor da força de trabalho. O que acontece é que esse valor é muito inferior ao que o capitalista consegue tirar dele, e a diferença, ou seja, o trabalho não remunerado, é o que constitui justamente a parte do capitalista, ou melhor, da classe capitalista. Pois mesmo o lucro que o comerciante de algodão obteve com a venda do algodão, em nosso exemplo acima, deve necessariamente vir, se a mercadoria não subir de preço, do trabalho não pago. O comerciante deve vender sua mercadoria a um fabricante de tecidos de algodão, que pode lucrar com a mercadoria que fabrica bem mais que aquelas 100 moedas. Nesse trabalho não remunerado que é embolsado pelo comerciante, vivem geralmente todos os membros ociosos da sociedade. Dela vêm os impostos cobrados pelo Estado e pelo município, na parte que incide sobre a classe capitalista, a renda fundiária paga aos proprietários, etc. Nele repousa toda a ordem social existente.

Seria tolice, entretanto, acreditar que o trabalho não remunerado surgiu apenas nas condições atuais, nas quais a produção é realizada por capitalistas, por um lado, e trabalhadores assalariados, por outro. Nada poderia estar mais longe da verdade. A classe oprimida foi forçada a fazer trabalho não remunerado em todas as épocas da história. Durante os longos séculos em que a escravidão foi a forma dominante de organização do trabalho, os escravos foram forçados a trabalhar muito mais do que recebiam como meio de subsistência. Sob o domínio da servidão da gleba e até a abolição do benefício pessoal camponês, o mesmo aconteceu; aqui, até a diferença entre o tempo durante o qual o camponês trabalhava para seu próprio sustento e o trabalho excedente que prestava ao senhor feudal assumia forma tangível, precisamente porque ele o executava em outro lugar. Hoje, a forma mudou, mas a substância permanece a mesma, e enquanto 'uma parte da sociedade tiver o monopólio dos meios de produção, o trabalhador, livre ou não, não terá escolha a não ser aumentar o tempo durante quem trabalha para seu próprio sustento um tempo adicional de trabalho para produzir os meios de vida destinados aos detentores dos instrumentos de produção ”.

II

Vimos em nosso artigo anterior que todo trabalhador recrutado pelo capitalista desempenha um duplo trabalho: durante uma parte do tempo em que trabalha, ele repõe o salário que o capitalista lhe adianta, e essa parte do trabalho é o que Marx chama de trabalho necessário. Então, ele tem que continuar trabalhando e produzindo mais-valia para o capitalista, sendo peça importante para gerar o lucro. Essa parte do trabalho é chamada de trabalho excedente.

Suponhamos que o trabalhador trabalhe três dias por semana para repor seu salário e três dias para criar mais-valia para o capitalista. Dito de outra forma, isso vale tanto quanto dizer que, se a jornada for de 12 horas, ele trabalha 6 horas pelo seu salário e outras 6 pela produção da mais-valia. Apenas seis ou sete dias podem ser tirados de uma semana, no máximo, incluindo o domingo; por outro lado, a cada dia você pode levar 6, 8, 10, 12, 15 horas de trabalho, e até mais. O trabalhador vende um dia de trabalho ao capitalista em troca de seu salário. Mas qual deveria ser a jornada de trabalho? 8 horas ou 18 horas?

O capitalista tem interesse em tornar a jornada de trabalho a mais longa possível. Quanto mais tempo for, mais ganhos de capital produzirá. O trabalhador é informado por seu instinto que cada hora de trabalho, depois de reposto seu salário, é uma hora que lhe é tirada ilegitimamente, e ele sofre na própria pele as consequências do excesso de trabalho. O capitalista luta pelo lucro, o trabalhador pela saúde, por algumas horas de descanso por dia, para poder fazer algo mais do que trabalhar, comer e dormir, para poder atuar em outros aspectos também como homem. Diremos de passagem que não depende da boa vontade de cada capitalista em particular para lutar ou não pelos seus interesses, pois a competição obriga até os mais filantropos a seguirem os passos dos outros, fazendo com que os seus trabalhadores trabalhem o mesmo tempo que os outros.

A luta pela fixação da jornada de trabalho dura desde o momento em que os trabalhadores livres entram no cenário da história até hoje. Diferentes horários de trabalho tradicionais regem diferentes setores, mas, na prática, há poucos casos em que a tradição é respeitada. Só se pode dizer que existe uma verdadeira jornada normal de trabalho em que a lei estabelece essa jornada de trabalho e é responsável por garantir a sua aplicação. Até hoje, pode-se dizer que isso só acontece nos distritos manufatureiros da Inglaterra. Nas fábricas inglesas, o turno de 10 horas (ou seja, 10,5 horas por cinco dias e 7,5 horas aos sábados) governa todas as mulheres e meninos de 13 a 18 anos de idade; e uma vez que os homens não podem trabalhar sem a cooperação desses elementos, eles também desfrutam das 10 horas diárias. Os operários da Inglaterra conquistaram essa lei por força de anos e anos de perseverança na luta mais tenaz e obstinada contra os fabricantes, por meio da liberdade de imprensa e do direito de reunião e associação, e também explorando habilmente a dissensão dentro da sociedade. Esta lei tornou-se a mais importante conquista dos trabalhadores ingleses, foi aplicada aos poucos em todos os grandes ramos industriais e estendida a quase todas as indústrias, pelo menos a todas aquelas em que trabalham mulheres, homens e crianças. Sobre a história dessa regulamentação legal da jornada de trabalho na Inglaterra, há uma riqueza de informações no trabalho que comentamos. Uma lei industrial também será discutida no próximo Congresso da Alemanha do Norte e, portanto, a regulamentação do trabalho na fábrica será debatida. Esperamos que nenhum dos deputados eleitos pelos trabalhadores alemães intervenha na discussão desta lei sem antes conhecer bem o livro de Marx. Muito pode ser alcançado aqui. As dissensões que existem dentro das classes dominantes são mais favoráveis aos trabalhadores do que jamais foram na Inglaterra, porque o sufrágio universal obriga as classes dominantes a conquistar a simpatia dos trabalhadores. Nessas condições, quatro ou cinco representantes do proletariado, se souberem tirar proveito de sua situação, e, principalmente, se souberem do que se trata o debate, podem constituir uma força. O livro de Marx coloca em suas mãos, perfeitamente arranjado, todos os dados necessários.

Ignoraremos uma série de excelentes investigações de natureza bastante teórica, e pararemos apenas no capítulo final da obra, que trata da acumulação de capital. Neste capítulo, primeiro fica claro que o método de produção capitalista, isto é, o método de produção que pressupõe a existência de capitalistas por um lado e dos trabalhadores assalariados por outro, não apenas reproduz constantemente o capital do capitalista , mas reproduz, incessantemente, a pobreza do trabalhador, garantindo, portanto, que sempre haja, por um lado, capitalistas que concentram em suas mãos a propriedade de todos os meios de vida, matérias-primas e instrumentos de produção, e, por outro lado, a grande massa de trabalhadores obrigados a vender a esses capitalistas sua força de trabalho por uma quantidade de meios de vida que, no melhor dos casos, basta para sustentá-los em condições de trabalho e formar uma nova geração de proletários aptos para o trabalho. Mas o capital não se limita a reproduzir-se, mas aumenta e cresce incessantemente, multiplicando assim o seu poder sobre a classe dos trabalhadores, destituída de toda a propriedade. E assim como o capital se reproduz em proporções cada vez maiores, o modo de produção capitalista moderno também reproduz, em proporções cada vez maiores, em números cada vez maiores, essa mesma classe dos trabalhadores despossuídos. “A acumulação de capital reproduz a relação do capital em maior escala: mais capitalistas ou maiores capitalistas em um polo, e no outro polo mais trabalhadores assalariados… A acumulação de capital, portanto, significa o crescimento do proletariado”. Mas à medida em que os avanços das máquinas, o cultivo melhorado da terra, etc, significam que cada vez menos trabalhadores são necessários para produzir a mesma quantidade de artigos, e à medida que essa melhoria, ou seja, essa criação de trabalhadores excedentes, aumenta. mais rápido do que o próprio capital em crescimento, o que acontece com esse número cada vez maior de trabalhadores supérfluos? Formam um exército industrial de reserva, que em tempos ruins ou médios recebe menos do que vale seu trabalho, que trabalha apenas ocasionalmente ou fica à mercê do bem-estar público, mas que é indispensável para a classe. capitalista em tempos de grande atividade, como é claramente o caso hoje na Inglaterra, e que em todo caso serve para vencer a resistência dos trabalhadores normalmente empregados e para manter seus salários baixos. “Quanto maior a riqueza social… maior a superpopulação relativa, ou seja, o exército industrial de reserva. E quanto maior este exército de reserva, em relação ao exército operário ativo (isto é, com os operários normalmente ocupados), maior é a massa de superpopulação consolidada (permanente), ou seja, as classes trabalhadoras cuja miséria está na razão. reverter para seus tormentos de trabalho. Finalmente, quanto mais extenso o setor de pobreza e o exército industrial de reserva entre a classe trabalhadora, maior é também o pauperismo oficial. Essa é a lei geral absoluta da acumulação capitalista”.

Aqui estão algumas das leis fundamentais do sistema social capitalista moderno manifestadas com todo o rigor científico – os economistas oficiais são muito cuidadosos até mesmo para tentar refutá-las. Mas, está tudo dito, com isso? Não, longe disso. Com a mesma clareza com que destaca os lados negativos da produção capitalista, Marx enfatiza que essa forma social foi necessária para desenvolver as forças produtivas sociais a um nível que possibilitasse um desenvolvimento igual e digno do ser humano para todos os membros da sociedade. a sociedade. Todas as formas sociais anteriores eram pobres demais para isso. Só a produção capitalista cria a riqueza e as forças produtivas necessárias para isso, mas também cria, ao mesmo tempo, com as massas de trabalhadores oprimidos, uma classe social cada vez mais obrigada a tomar em suas mãos essas riquezas e forças produtivas, para obter Que sejam usados para o benefício de toda a sociedade e não, como hoje, para uma classe monopolista.

*Publicado originalmente em 'El Viejo Topo' | Tradução de Victor Farinelli

Conteúdo Relacionado