Literatura

Leituras de um brasileiro: 'Grupo Um'

Na história da arte brasileira, o Grupo UM foi um dos primeiros a gravar um álbum independente, contestando, assim, a indústria fonográfica da época.

09/02/2017 15:45

reprodução

Créditos da foto: reprodução

O pessoal das fotos é o Grupo UM. Da esquerda para direita, estão os músicos Mauro Senise – flautas e saxofones –, Felix Wagner – clarone e teclados –, Lelo Nazário – teclados –, Zé Eduardo Nazário – bateria e percussão – e Frank Herzberg – contrabaixo acústico –.
 
No teatro do SESC Belenzinho, dia 18 de dezembro de 2016, um domingo, tive o prazer de ouvir novamente ao vivo, 40 anos depois, aquele que é, para uma geração de amantes da música instrumental brasileira, o grupo mais importante do Brasil. Essa importância se faz não apenas pela qualidade musical – isso é incontestável –, mas pelo fato histórico do Grupo UM haver sido um dos primeiros grupos a gravar, no Brasil, um álbum de música independente.
 
Isso precisa ser contextualizado melhor...
 
O Grupo UM foi fundado em 1976; nessa época, o Brasil era governado pelo general Ernesto Geisel, o penúltimo general da ditadura militar. Não havia naqueles tempos nenhum incentivo à cultura; durante o governo posterior do general João Figueiredo, álbuns de música – os LPs – foram incluídos, ao lado de copos d´água descartáveis, na lista dos supérfluos, quer dizer, dos produtos de consumo dispensáveis, aqueles com os quais ninguém deveria gastar dinheiro. Como sempre, a cultura, nos regimes golpistas, é considerada inútil – algo parecido com o Brasil de hoje, nos tempos de Temer, Dória, Crivela... –.
 
Quanto à indústria cultural fonográfica brasileira da década de 70, se não era abjeta, como é hoje, dominada pela música sertaneja e seus lamentáveis desdobramentos, foi, no mínimo, bastante pífia. Sempre os mesmos tropicalistas, cada vez mais de acordo com a música pop transmitida nas rádios; o discutível rock brasileiro, levado adiante pela juventude burguesa. Em termos técnicos, havia a padronização do timbre das gravações, devido à inabilidade daqueles que trabalhavam nos estúdios; em termos estéticos e educativos, havia a degradação do gosto em apenas poucos estilos musicais, como o domínio de canções no repertório brasileiro – a MPB –, em detrimento, entre outras, das músicas erudita e instrumental feitas no Brasil.
 
Naquele cenário desastroso, não existia campo para os músicos instrumentais, a não ser a eterna solução de sair do Brasil, como acontecera a Edson Machado, Dom Um Romão, Airto Moreira, Flora Purim, Eumir Deodato, Oscar Castro Neves e, alguns anos depois, ao Nana Vasconcelos. Todavia, nos dias 26 e 27 de setembro de 1979, foi gravado e mixado, no estúdio Vice Versa B, o primeiro álbum do Grupo UM, “Marcha sobre a cidade”, um dos primeiros álbuns daquela que ficou conhecida como Música Independente.
 
Posteriormente, houve artistas da MPB participando do movimento, que, no entanto, permanece com ênfase na música instrumental. Para lembrar apenas alguns exemplos, vale a pena citar: em 1980 (1) “A Divina Increnca”, grupo formado pelos músicos Felix Wagner, Azael Rodrigues e Rodolfo Stroeter; (2) “Farrapos”, do vibrafonista Jota Moraes; (3) “Frevo de Índio”, do guitarrista Celso Mendes; (4) “Mistérios da Amazônia”, do violonista Carioca e do grupo vocal Devas; em 1981 (5) “Reflexões sobre a Crise do Desejo”, o segundo álbum do Grupo Um; (6) “Considerações a Respeito”, do baterista Pascoal Meirelles; em 1982 (7) “Viagem através de um Sonho”, do saxofonista Nivaldo Ornelas; (8) “Luar do Sertão”, outro álbum do Carioca; em 1983, (9) Conversa de Cordas, Couros, Palhetas e Metais, do Francisco Mário (o outro irmão do Henfil); (10) Tambá, outro álbum do Pascoal Meirelles.
 
Todos esses álbuns são produções dos próprios artistas, contudo, na época, surgiram algumas gravadoras especializadas em Música Independente. Merecem destaque, pelo menos, estas três:
 
(I) A gravadora Lira Paulistana, responsável pela produção de: em 1981, (11) “Aurora Vermelha”, do guitarrista Fredera; em 1982, (12) “Alquimia”, grupo formado por André Dequech, Mauro Senise, Robertinho Silva e Zeca Assumpção; (13) “Imagens do Inconsciente”, do grupo Pé ante pé; (14) “A Flor de Plástico Incinerada”, o terceiro álbum do Grupo Um; (15) “Lágrima e Sunsolide Suite” do pianista Lelo Nazario; (16) “Poema da Gota Serena”, do baterista Zé Eduardo Nazário; (17) “Ciranda”, outro trabalho do Carioca;
 
(II) a gravadora Carmo, uma iniciativa do compositor Egberto Gismonti, responsável pela produção de: em 1982, (18) “... entre duas palavras ...” do violonista André Geraissati; em 1983, (19) “Violão”, do também violonista Nando Carneiro; em 1984 (20) “7 dias 7 instrumentos”, do Carioca; (21) “Bateria”, do baterista Robertinho Silva;
 
(III) a gravadora Som da Gente, responsável pela produção de: em 1981, (22) “Mantiqueira”, do pianista Nelson Ayres; (23) “D’Alma”, dos violonistas Ulisses Rocha, André Geraissati e Rui Saleme; (24) “Medusa”, grupo formado Amilson Godoy, Chico Medori, Claudio Bertrami e Heraldo do Monte; em 1982, (25) “Cordas Vivas”, do guitarrista Heraldo do Monte; (26) “Hermeto Pascoal e Grupo”; em 1984, (27) “Lagoa da Canoa Município de Arapiraca”; em 1986, (28) “Brasil Universo”; em 1987, (29) “Só Não Toca Quem Não Quer”; em 1988, (30) “Por Diferentes Caminhos” – os cinco últimos trabalhos, todos do Hermeto Pascoal –.
 
Infelizmente, poucos artistas da Música Independente se notabilizaram; apenas aqueles que já mantinham elos com a MPB são reconhecidos como Vanguarda Paulistana. O álbum “Clara Crocodilo”, de Arrigo Barnabé, é de 1980; “Beleléu leléu eu, Isca de Polícia”, de Itamar Assumpção, é de 1980; “Premê”, do grupo Premeditando o Breque, e “Rumo”, do grupo Rumo, são de 1981; “Pássaros na Garganta”, da Tetê Espindola, é de 1982. Todos esses trabalhos são posteriores ao “Marcha sobre a Cidade” e, em termos de vanguarda, aquém do que fazia, em termos musicais, o Grupo UM – que merece ser destacado, inclusive, entre os demais álbuns de música instrumental –.
 
A suposta Vanguarda Paulistana não é formada apenas por artistas da cidade de São Paulo, ela recebe esse nome porque aconteceu nessa cidade. Desses artistas: (1) o segundo álbum de Arrigo Barnabé, “Tubarões Voadores”, de 1984, foi gravado pela Ariola Records, uma gravadora da indústria cultural, com a participação de artistas comerciais, como Rita Lee; (2) desvinculada da performance de palco, as composições de Itamar Assumpção não se sustentam apenas enquanto canção, além do artista ratificar, em suas temáticas, os velhos preconceitos do brasileiro malandro e fora da lei; (3) depois do primeiro álbum, a banda Premeditando o Breque entrou em franca decadência, cedendo cada vez mais às pressões do mercado fonográfico; (4) o segundo álbum do grupo Rumo, “Rumo aos Antigos”, de 1982, é uma retomada de velhíssimas canções da MPB, nada a ver com vanguardas ou propostas vindas para modificar os caminhos conservadores da música brasileira, de modo geral; (5) Tetê Espindola, que já gravava música sertaneja no álbum de 1982, tornou-se cantora pop com o sucesso comercial de “Escrito nas Estrelas”, uma canção brega de 1996. Ora, isso nunca foi vanguarda; o próprio Arrigo, o mais criativo entre aqueles artistas, se comparado a músicos como Frank Zappa ou Flo Menezes, precisa ser reavaliado.
 
Retomando os trabalhos do Grupo UM, enquanto boa parte da música instrumental seguia inspirada pelas inovações da Bossa Nova e as propostas de Hermeto Pascoal, Egberto Gismonti e Wagner Tiso, o Grupo UM, assim como a Divina Increnca, sem desprezar essas influencias, mas antes valendo-se delas, seguiu por caminhos que permanecem inovadores 38 anos depois. Contrariamente ao que se deu com as supostas vanguardas paulistanas, o Grupo UM sempre se renovou em seus trabalhos: (1) seu segundo álbum, “Reflexões sobre a Crise do Desejo”, dialoga com o jazz e a música erudita contemporâneos – até hoje, é o único grupo brasileiro a dialogar com a música eletroacústica, improvisando sobre bandas magnéticas e a executar peças com piano preparado, como fazia John Cage; (2) o terceiro álbum, “A Flor de Plástico Incinerada”, é uma síntese perfeita de música brasileira, jazz e música eletroacústica.
 
No final do século passado, cada um de seus integrantes seguiu por carreiras solo, sempre com trabalhos independentes e distantes das tradições conservadoras e reacionárias da música brasileira. O mais recente trabalho do Grupo UM, “Uma Lenda ao Vivo”, é uma produção do SESC, e faz parte da série Jazz na Fábrica, juntamente com os trabalhos de Anthony Braxton, Roscoe Mitchell e William Parker, em suas apresentações no Brasil. Não são novas composições, o concerto é uma celebração de quase 40 anos de trabalho daquele que é o melhor grupo da Música Instrumental Brasileira.
 
Clique nos links e ouça os álbuns do Grupo UM disponíveis no youtube:
 
Marcha sobre a cidade (1979):
https://www.youtube.com/watch?v=cwhPuyBwVhY
 
Reflexões sobre a crise do desejo (1981):
https://www.youtube.com/watch?v=2bW6jt95mjU
 
A Flor de Plástico Incinerada (1983) :
https://www.youtube.com/watch?v=AA8VmeKjj1g
 
Grupo Um – Uma Lenda ao vivo (2016):
https://www.youtube.com/watch?v=1hhG_dw_ink
 







Conteúdo Relacionado