Mãe Terra

''O mais alto nível de plástico encontrado no fundo do mar''

 

06/05/2020 15:27

 

 
As correntes oceânicas criam "pontos de acumulação de microplásticos" de até 1,9 milhão de "fragmentos" por metro quadrado

Um projeto de pesquisa internacional revelou os mais altos níveis de microplásticos já registrados no fundo do mar, com até 1,9 milhão de fragmentos em uma camada fina cobrindo apenas um metro quadrado.

Mais de 10 milhões de toneladas de resíduos plásticos entram nos oceanos a cada ano. O lixo flutuante de plástico no mar despertou o interesse público graças ao efeito "planeta azul", que desencorajou o uso de canudos e sacos plásticas para bebidas (comuns em muitos países "do sul"). No entanto, esses amontoamentos representam menos de 1% do plástico que entra nos oceanos do mundo.

Acredita-se que os 99% que faltam estejam nas profundezas do oceano, mas até agora não estava claro onde exatamente eles iam parar. Publicada esta semana na revista Science, pesquisa conduzida por: Universidade de Manchester, Centro Nacional de Oceanografia (Reino Unido), Universidade de Bremen (Alemanha), IFREMER (França) e Universidade de Durham (Reino Unido) demonstraram como as correntes do mar agem como correias transportadoras, carregando pequenas fibras e fragmentos de plástico até o fundo do oceano.

Essas correntes podem concentrar microplásticos em enormes acúmulos de sedimentos, que eles chamam de "pontos de acumulação microplásticos" [microplastic hotspots]. Esses pontos parecem ser o equivalente em alto mar do que é conhecido como "lixões" formados pelas correntes oceânicas.

O principal autor do estudo, Dr. Ian Kane, da Universidade de Manchester, disse: “Quase todo mundo já ouviu falar das infames ‘placas de lixo’ de plástico flutuando no oceano, mas ficamos chocados com as altas concentrações de microplásticos que encontramos no fundo do mar. Descobrimos que os microplásticos não são distribuídos uniformemente pela área de estudo, mas sim pelas fortes correntes do fundo do mar que os concentram em determinadas áreas".

Os microplásticos do fundo do mar são compostos principalmente de fibras de tecidos e roupas. Essas fibras não são filtradas com eficiência nas estações de tratamento de águas residuais domésticas e penetram facilmente nos rios e oceanos. No oceano, elas se depositam lentamente ou podem ser transportados rapidamente por correntes episódicas com um conteúdo de matéria que a turva (turbidez) - poderosas avalanches subaquáticas - que descem pelos cânions submarinos até o fundo do mar.

Uma vez nas profundezas, os microplásticos são facilmente captados e transportados por correntes contínuas do fundo do mar ("correntes de fundo") que podem preferencialmente concentrar as fibras e fragmentos em grandes pilhas de sedimentos.

Essas correntes marítimas profundas também transportam água oxigenada e nutrientes, o que significa que os pontos de acumulação de microplásticos no fundo do mar também podem abrigar importantes ecossistemas que podem consumir ou absorver microplásticos.

Este estudo fornece a primeira ligação direta entre o comportamento dessas correntes e as concentrações de microplásticos no fundo do mar. Os resultados ajudarão a prever a localização de outros pontos de acumulação de microplásticos do fundo do mar e guiarão a pesquisa sobre o impacto dos microplásticos na vida marinha.

*Publicado originalmente em 'A l'encontre' | Tradução de César Locatelli



Conteúdo Relacionado