Mãe Terra

Novo livro de Naomi Klein: O capitalismo e a mudança climática

Livro de Naomi Klein traça as conexões locais e globais dos movimentos que, por toda parte, atuam contra o petróleo, o carbono e a extração de gás.

29/09/2014 00:00

Arquivo

Créditos da foto: Arquivo


O novo livro de Naomi Klein, “Isso muda tudo: capitalismo vs clima” (Allen Lane, London, 2014), coloca a mudança climática no centro da política. Ela traça as conexões locais e globais dos movimentos que, por toda parte, atuam contra o petróleo, o carbono e a extração de gás. Podem-se acrescentar movimentos no Brasil e em outros lugares contra a devastação de florestas. “Seja ou não a mudança climática seu motivo principal, (tais movimentos locais) merecem ser reconhecidos como “guardiões do carbono” anônimos, que mediante a proteção de seus amados bosques, montanhas, rios e costas, estão ajudando a proteger a todos nós” (p. 352).
 
Naomi Klein louva a “Organização” e a “Yasunização” (citando relatórios do projeto EJOLT), e está de acordo com a ecologia dos pobres e dos indígenas. Naomi Klein ficou impressionada pela força da demanda da Dívida Ecológica ao falar, em abril de 2009, com Angélica Navarro, a jovem embaixadora boliviana na ONU. O livro denuncia a falta de ação das Nações Unidas durante e depois de Copenhague 2009, e o fracasso dos principais políticos mundiais para fazer frente a questão.
 
Narra com bom humor a participação da autora como convidada (ou penetra?) das reuniões do Heartland Institute, nas quais se organiza a negação, por motivos políticos, da mudança climática, e também em uma reunião dos principais especialistas sobre métodos de geoengenharia, incluindo Ken Caldeira e David Keith. O evento foi patrocinado pela Royal Society no Chicheley Hall, uma esplêndida casa de campo na Grã-Bretanha que, nos mesmos dias, foi compartilhada com a empresa de automóveis Audi. Ela brinca amargamente com a organização conservacionista The Nature Conservancy, que extrai petróleo de uma reserva natural no Texas, à qual tem acesso sob a desculpa de preservar a espécie “galo Attwater da campina” (Tympanuchus cupido attwateri). Naomi Klein acredita na ecologia dos pobres e dos indígenas muito mais do que na ecologia das grandes organizações verdes.

O livro explica suas correrias com as barricadas e bloqueios contra a mineração de ouro a céu aberto na Grécia por parte da empresa canadense Eldorado; contra a fratura hidráulica de gás de esquisto na Romênia pela Chevron; contra oleodutos no Canadá; nos terrenos úmidos da Luisiana para inspecionar os danos do vazamento da British Petroleum. Baseando-se nos relatórios do EJOLT e outras fontes, reconstrói a história real da proposta de deixar o petróleo no solo na região dos Ogni no delta do Níger e na Amazônia do Equador, bem como a fundação da Oilwatch em 1995, que já combinava a resistência local contra a indústria dos combustíveis fósseis com ênfase em “combustíveis que não devem ser queimados” – combustíveis fósseis que devemos deixar na terra, pois o aumento da concentração de dióxido de carbono na atmosfera deve ser evitado.

O livro inclui viagens à devastação das areias betuminosas de Alberta, no Canadá, e a participação na resistência de “vaqueiros e índios” contra o oleoduto Keystone XL e outros meios de transporte. Neste caso, os vaqueiros e os índios estavam do mesmo lado. Narra também os êxitos dos movimentos de resistência contra o fracking na França e em outros lugares (eles se opõem por conta das emissões de metano e dos danos locais à água e a paisagens), e também da resistência à mineração de carbono sobre as montanhas.

Naomi Klein, sem dúvida, poderia ter viajado ainda mais, poderia ter visitado outras terríveis minas de carbono na Índia e na China para reforçar seu argumento da convergência potencial da resistência local e da resistência global à indústria dos combustíveis fósseis. Mas viajou o suficiente – e, enquanto escrevia este livro, tratou de ter um bebê, agora um menininho que se chama Toma. Sofreu um par de abortos involuntários; ela dedica algumas páginas a estes acontecimentos tão normais na vida de mulheres, mas que são muito duros.

 

É incomum que apareçam em um livro sobre a justiça climática, mas ela pensa que nós (suas centenas de milhares de leitores) queremos conhecê-la melhor como pessoa, ela quer que entendamos que a reprodução social e o cuidado é mais importante do que a produção econômica, e quer mostrar o poder da regeneração da vida, como em sua própria experiência íntima. Poderia ter citado Georges Bataille sobre as potencialidades antientrópicas da vida. Naomi Klein não é pessimista. Suas dores e trabalhos, sua obra escrita e seus documentários não são apenas para movimentos sociais atuais, mas também para nossos filhos e netos, e para o benefício da vida no planeta. Cita também o artigo 71 da Constituição do Equador sobre os Direitos da Natureza, incluída a obrigação de respeitar e restaurar os poderes regenerativos da Natureza.

O “direito a regenerar” é uma expressão-chave desse livro. Namo Klein quer contribuir com esse livro ao movimento pela justiça climática global. Não dá instruções detalhadas sobre a forma de colocar isso em prática e sobre como devemos proceder. É necessário ir a Paris em 2015? não há necessidade disso, pois já existem muitos outros movimentos ambientais de resistência em qualquer lugar que estejamos vivendo. No entanto, talvez alguns de nós também não devêssemos ir às ruas de Paris, um milhão de pessoas pacíficas, e pressionar a COP?

O movimento contra a mudança climática deve estar aberto a outros movimentos – por exemplo, o movimentos nos diferentes países que defende uma renda universal de cidadania e que questiona todo o sistema socioeconômico. O movimento deve ser tão vigoroso e exitoso como foi o movimento contra a escravidão de africanos ou o feminismo, ou ainda mais. O movimento deve ser consciente de si mesmo, colocando a mudança climática no centro, “a coisa que muda tudo”, como ela mesmo se deu conta depois de ter publicado seus dois famosos livros “Sem logo” e “A doutrina do choque”.

Se devemos ainda acompanhar as reuniões insuportáveis das COP, se a tese da dívida climática e a dívida ecológica (e agora, talvez, em um novo vocabulário, os enormes “danos e prejuízos”, loss and damage) não são aceitas pelo países ricos nas reuniões oficiais internacionais, isso é devido ao fato de o movimento ter se debilitado ou ter sido comprado.

Naomi Klein defende que o ecologismo das décadas de 1960 e 1970 foi mais forte do que nas décadas posteriores. Na América do Norte, depois de Rachel Carson, em 1962, conseguiram-se alguns êxitos legislativos e práticos, enumerados neste livro, que foram reforçados no início da década de 1980 nos EUA pelo movimento da Justiça Ambiental contra o “racismo ambiental”. Sua força se perde na era neoliberal de Ronald Reagan e, posteriormente, com Stephen Harper no Canadá, que é o país de Naomi Klein. O mercado autorregulado se transformou em um slogan político triunfante, ainda que muito debilitado depois da crise financeira e econômica de 2008. Na Europa, os mercados de crédito de carbono falharam. É hora de ter políticas mais radicais. Mas elas não virão de políticos ineficazes, como Obama, nem da ONU.

A tarefa histórica e muito urgente de diminuir as emissões de gases de efeito estufa recai sobretudo nos numerosos movimentos de base que formam redes, na força de suas batalhas frente às empresas privadas ou estatais de combustíveis fósseis, contra poços de petróleo e minas de carbono, seus polidutos e seus transportes marítimos, suas refinarias e centrais térmicas. Parem de uma vez, pelo bem da humanidade e outras espécies!

O livro tem 570 página. Contém explicações cuidadosas da química e da economia política da mudança climática, e tem 70 páginas de notas de rodapé e referências em letra pequena. É um livro muito sério e também inspirador, que deve ser lido de uma vez só (em uma noite tranquila ou em um fim de semana) para absorver toda a sua força no próprio sangue, a fim de estar pronto para a ação local. Nas últimas páginas, existe mais uma anedota, aqui resumida.

Em dezembro de 2012, “Brad Werner... abriu caminho entre a multidão de 24 mil cientistas da reunião de outono da União Geofísica Americana em São Francisco... a própria sessão de Werner...foi intitulada “A terra está f*d*da?”.. De pé, em frente a sala de conferências, o professor da Universidade da Califórnia, San Diego, continuou sua conferência por meio do modelo de computador avançado que estava usando... falou dos limites do sistema, as perturbações, a dissipação, os atrativos, as bifurcações... na teoria de sistemas complexos. Mas o resultado final foi bastante clado... Quando um jornalista pressionou Werner para uma resposta clara à pergunta “a terra está f*d*da?”, ele deixou o jargão de lado e respondeu:
 
“Mais ou menos”. Contudo, havia um fator dinâmico no modelo, o que oferecia alguma esperança. Werner o descreveu como a “resistência”, esclarecendo que isso inclui “a ação direta dos ambientalistas, a resistência de fora da cultura dominante, como nos protestos, bloqueios e sabotagens dos povos indígenas, trabalhadores, anarquistas e outros grupos de ativistas”. É necessária essa “fricção” para deter a máquina econômica que se precipita fora de controle”.

No fim de semana de 20 de setembro, produziu-se a maior mobilização contra a mudança climática na história da humanidade – com centenas de milhares de pessoas marchando em 2.700 eventos em 156 países. Um dos manifestantes foi um promotor do distrito do condado de Bristol, Massachusetts (EE.UU.), que há poucas semanas se negou a processar ativistas que ancoraram de maneira pacífica seu pequeno barco exatamente onde um grande navio estava chegando para descarregar carbono para uma central térmica. Esse é o tipo de ação que dá esperança: ativistas do clima que tomam os assuntos em suas próprias mãos e funcionários que se arriscam. Os ativistas que bloqueiam portos de carbono fazem parte do que Naomi Klein chama “Blocagem” e é í que podemos depositar nossa esperança.

Como talvez Walter Benjamin diria, tais movimentos de resistência devem ir além do fato de exercer um pouco de “fricção”; devem pisar com força nos freios de emergência do trem que está produzindo mais e mais gases de efeito estufa. O Antropoceno é a era em que a humanidade se transformou em uma força geológica que danifica a face da terra, mas também poderia ser a época em que a humanidade, por meio de seus movimentos de resistência locais e globais, retém a mudança climática e ajuda a regenerar a diversidade e a riqueza da vida na terra.

 
(*) Joan Martínez Alier é catedrático de teoria econômica da UAB. Amigo e colaborador do SinPermiso, é um pesquisador pioneiro na área da economia ecológica.



Conteúdo Relacionado