Memória

Comuna de Paris: o assalto aos céus

Embora tenha durado apenas pouco mais de dois meses, a Comuna de Paris continua na memória coletiva dos movimentos sociais em todo o mundo. Da Revolução Russa à Guerra Civil da Espanha, passando pelos movimentos de 1968 na França e de 1974 em Portugal, todos remetem à breve experiência transformadora que, em 1871, sonhou com um mundo melhor, mais justo, mais utópico, talvez. Mas que não parecia impossível

18/03/2020 13:00

 

 
Era o fim do inverno, princípio da primavera de 1871 quando a população de Paris disse não à rendição da França diante da invasão da Prússia ao seu território. A guerra franco prussiana havia começado um ano antes, derrubara o governo francês e o imperador Napoleão III estava preso. Em 18 de março os trabalhadores de Paris revoltados assumiram o poder na cidade, estabeleceram reformas revolucionárias e tentaram consolidar profundas alterações na sociedade até serem massacrados, no que ficou conhecido como “a semana sangrenta”, apenas dois meses depois. A primeira experiência socialista na Europa durou de 18 de março a 28 de maio de 1871.

A vitória da Prússia sobre a França marcou a história da Europa e foi decisiva para que o Chanceler Otto von Bismarck conseguisse finalmente unificar a Alemanha. Mas para a França permaneceu o desagradável e amargo sabor da derrota, mobilizou sentimentos e interesses geopolíticos que por fim desaguaram na Primeira e, em consequência, na Segunda Guerra mundiais, acontecimentos que até hoje exercem influência sobre toda a História da Europa e do mundo. Um conflito que, sob certos aspectos, ainda não terminou.

O movimento e a tomada do poder pelos trabalhadores parisienses filia-se à grande Revolução Francesa, matriz dos movimentos internacionais que liquidaram a aristocracia como classe dominante. A Comuna de Paris seria uma retomada dos princípios da Revolução de 1789 se não fosse massacrada pelos exércitos do governo que, após refugiar-se em Versalhes, invadiu a capital sob a liderança dos próprios invasores prussianos. Vinte mil communards, que enfrentaram os exércitos prussiano e do próprio governo foram de imediato executados. Seus corpos ficaram em exibição nas praças de Paris. Quinze mil foram presos, milhares de outros partiram para o exílio.

Embora tenha durado apenas pouco mais de dois meses, a Comuna de Paris continua na memória coletiva dos movimentos sociais em todo o mundo. Da Revolução Russa à Guerra Civil da Espanha, passando pelos movimentos de 1968 na França e de 1974 em Portugal, todos remetem à breve experiência transformadora que, em 1871, sonhou com um mundo melhor, mais justo, mais utópico, talvez. Mas que não parecia impossível.

Com a derrota diante da Prússia e a substituição de Napoleão III pelo governo republicano liderado pelo esperto e velho político Adolphe Thiers como presidente de um Governo Provisório de Defesa Nacional, foi eleita a Assembleia Nacional. A maioria era de conservadores monarquistas, proprietários rurais, banqueiros e representantes dos vários estamentos da burguesia.

Não consigo deixar de pensar numa comparação com o parlamento do Brasil de hoje.

A nova sociedade

A Comuna queria uma nova sociedade num mundo novo. De imediato decretou a separação entre o Estado e a Igreja, definindo o estado como laico. Foi suprimido o trabalho noturno e decretada a igualdade civil entre homens e mulheres. O exército foi substituído pelas milícias cidadãs, o ensino passou a ser gratuito e obrigatório e foram criadas pensões para as viúvas e as crianças. Muitas outras medidas de caráter social foram adotadas pelo movimento revolucionário como a limitação ao trabalho feminino e das crianças e a entrega de fábricas abandonadas aos seus operários. As casas desocupadas foram desapropriadas e ocupadas pelas famílias de trabalhadores. E a pena de morte foi abolida.

Esta é a síntese das medidas que a Comuna de Paris adotou na sua curta existência:

* Ensino gratuito

* Autogestão das fábricas, geridas pelos operários

* Controle do preço da alimentação

* Prazos ampliados para pagamento do aluguel

* Instituição do salário mínimo para os trabalhadores

* Reformas objetivando melhorar as condições habitacionais

* Administração municipal pelos próprios funcionários públicos

* Medidas contra o desemprego

* Separação entre Igreja e Estado pela criação do Estado Laico

* Polícia substituída pela Guarda Nacional

* Fábricas e residências sem uso desapropriadas

* Fim do trabalho noturno e redução da jornada de trabalho

* Previdência Social

* Igualdade civil entre os sexos

* Pena de morte abolida

* Fim do exército regular e do serviço militar obrigatório

A insurreição da Comuna de Paris durou apenas dois meses e ficou conhecida como “o assalto aos céus” pelo que havia traçado como programa de uma revolução que olhou para horizontes novos em um mundo novo. Foi também a primeira experiência de implantação de um governo socialista e a primeira república liderada pelos trabalhadores da história. É vista como um acontecimento que representou o espontaneísmo político das massas.

A bandeira vermelha foi adotada como símbolo nacional e de uma humanidade unida por ideais em comum.

Conteúdo Relacionado