Mídia

Ao amiguinho do futuro

03/02/2005 00:00

Mauricio de Sousa

Oi, amiguinho do futuro!

Para sacar esta mensagem de um velho aparelho, obsoleto, sem uso durante séculos, só pode ser jovem e curioso. Como todos os jovens.

Desculpe-me estar escrevendo em português arcaico. É como sei escrever hoje. Mas vou tentar passar-lhe algumas informações sobre nossa vida aqui e agora. Se necessário, use um dicionário antigo ou um tradutor para entender minhas palavras e perceber como eram as coisas antes das grandes transformações que, sem dúvida, a humanidade viveu até chegar ao seu tempo.

Em primeiro lugar, queria que você soubesse que vivemos, neste início de século 21, sob um céu azul bonito, de vez em quando cheio de nuvens graciosas, leves, ou pesadas, preparadas para chuva. E é uma delícia sentir o sol no corpo ou a chuva no rosto. Coisa que espero que vocês tenham como experimentar no futuro.

A água ainda corre mansamente de mananciais incrustados em montanhas, pedras ou campos. Límpida, fresquinha e gostosa de beber. Depois, vira ribeirões, rios e chega ao mar azul, carregando vida e proporcionando vida.

As florestas, bosques, pomares e plantações cobrem boa parte do planeta, disputando lugar com áreas mais secas ou desérticas. Há gosto pra tudo! As pessoas se gostam, se tocam e se juntam para perpetuar a espécie. O romance, o amor, a paixão são cantados em prosa e verso em todos os meios de comunicação de que dispomos.

Temos cuidados extremos com os filhos. Queremos o melhor para eles e tentamos indicar-lhes os melhores caminhos. Acreditamos num Deus, embora pelo distanciamento, alguns grupos humanos vejam este Deus com formas diferentes. As crianças brincam, os jovens namoram, os pais trabalham e os avós curtem uma velhice quase sem grandes ameaças à saude, devido ao grande avanço que a medicina atingiu. O turismo desponta como a grande indústria do nosso futuro e a internet, com todas as informações do mundo, ainda engatinha no seu poder disseminador de cultura e lazer.

É um mundo bom para viver. Cuidar. E deixar preparado para você.

No meio destas dádivas todas que recebemos da natureza, há os momentos em que paramos para pensar e discutir sobre como vamos preparar a ponte entre nós e vocês. Como vamos evitar que ameaças pairem sobre o meio ambiente, sobre a sociedade, sobre a cultura, sobre a esperança.

Temos condições para pensar e erradicar essas ameaças e pretendemos fazê-lo, para que você entenda o que é o céu azul, o mar de águas limpas, as florestas, o amor, o respeito aos idosos.
Estamos nos esforçando para isso.

Porque você é o que faremos e seremos.


Leia as cartas de leitores sobre este texto clicando AQUI

VEJA O ESPECIAL AO ARQUEÓLOGO DO FUTURO

Conteúdo Relacionado