Mídia

O Homem que odiava a segunda-feira

21/02/2005 00:00

Agência Carta Maior





O grupo Gestus, de Araraquara (SP), apresenta O Homem que odiava a segunda-feira, espetáculo de dança contemporânea inspirado na obra literária homônima de Ignácio de Loyola Brandão, adaptada por Gilsamara Moura, com trilha original de Paulo Martelli. Dias 21 e 22 de fevereiro, segunda e terça-feira, às 21h, no Teatro SESC Anchieta.


O espetáculo faz parte do projeto Dança, Música e Literatura, que busca revelar a interdisciplinaridade entre estas três áreas da cultura, procurando valorizar e divulgar a arte brasileira, unindo artistas que têm em comum o fato de terem nascido em Araraquara (SP). Sendo assim, Gilsamara Moura, bailarina e coreógrafa, presidente da Fundart (Fundação de Arte e Cultura do Município de Araraquara); Paulo Martelli, violinista virtuose, que mesmo morando em Nova Iorque, faz de Araraquara local de suas apresentações; e, Ignácio Loyola de Brandão, renomado escritor que hoje vive em São Paulo e que costuma retratar em suas obras momentos de sua infância e adolescência em Araraquara, uniram-se em torno da proposta de valorização da cultura nacional, retratando aspectos do Brasil por meio da obra O Homem que odiava a segunda-feira, cujas imagens estão submersas na universalidade do ser.



“O fato de eu ter nascido em Araraquara influiu na minha decisão. Quero agir culturalmente na minha terra. Mas, por outro lado, o que me excita é entregar minha obra a um grupo jovem, ousado, que sei criativo pelo que vi. Mas, acima de tudo, pelo profundo interesse que essas pessoas mostraram, revelando a paixão. Paixões movem tudo e levam a grandes criações. Minhas palavras foram transformadas em gestos. Traduzidas em movimentos”, comemora Brandão.



O grupo Gestus tem em seu repertório outras experiências em montagens a partir de artistas brasileiros, tais como, Perfil Transitório (baseado na obra Macunaíma, de Mário de Andrade, escrita em Araraquara em 1926), Gestos Iluminados (espetáculo-homenagem a Luiz Antônio Martinez Corrêa, teatrólogo araraquarense), Ursa Maior (trabalho final de Mestrado em Comunicação e Semiótica, de Gilsamara Moura, em homenagem a Mário de Andrade), entre outros.



Permeado por um tema recorrente a comunicação (verbal e não-verbal) o espetáculo prevê cinco cenas baseadas nos cinco contos que compõem o livro O Homem que odiava a segunda-feira. O grupo Gestus, fundado há 15 anos em Araraquara (SP), traz para a montagem seus próprios questionamentos em relação à comunicação, contemplando, entre outras, as seguintes dicotomias: homem/mundo, corpo/ambiente, tempo/espaço, real/surreal.




O grupo Gestus surgiu em 1990 e é formado por bailarinos que, insatisfeitos com os padrões tradicionais de ensino em academias de dança, construíram um núcleo artístico de pesquisa e desenvolvimento criativo, vislumbrando uma nova forma de organização para a dança em Araraquara.
O nome surgiu a partir do conceito brechtniano de gestus social, estudado na primeira pesquisa teatral desenvolvida pelos integrantes em 1989, sob a orientação do artista plástico e diretor teatral Lauro Monteiro.Os primeiros trabalhos do Gestus buscaram contato com profissionais de outras áreas, como as artes plásticas, o teatro, a música, e foram desenvolvidos em espaços alternativos, geralmente cedidos por simpatizantes da filosofia do grupo.
Ao longo de sua existência, o grupo esteve presente nos principais eventos de dança do país e possui em seu repertório várias coreografias de dança contemporânea.


Dirigido desde a sua criação por Gilsamara Moura, o Gestus ainda possui um trabalho que pretende divulgar e estabelecer novos contatos com pessoas e entidades ligadas à pesquisa em dança. Gilsamara Moura faz parte do Centro de Estudos do Corpo (CEC), coordenado pela Profa. Dra. Helena Katz, do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica da PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo.



Paulo Martelli, violinista brasileiro nascido em Araraquara, conquistou reputação internacional através de uma sólida carreira de solista paralela à intensa atividade acadêmica. Paulo morou em Nova Iorque por 10 anos, onde fez seu mestrado e especialização na Juilliard School. Apresentou-se nos principais centros musicais dos Estados Unidos como solista e em música de câmara. Suas gravações receberam os mais altos elogios da crítica especializada internacional. Ele obteve vários prêmios em concursos nacionais e internacionais, sendo o primeiro - e até o momento o único - brasileiro a receber o prêmio Segovia, a ele conferido pela Manhattan School of Muisc em 1999. Em setembro de 2002, a revista americana Soundboard Magazine publicou uma crítica extensa referente ao seu recital de encerramento da série Arajuez de Violão realizada no Carnegie Hall (NY), qualificando-o como um dos melhores violinistas de sua geração.



Serviço:



O homem que odiava a segunda-feira



Duração: 50 minutos

Recomendável para maiores de 12 anos

Dias 21 e 22 de fevereiro, segunda e terça-feira, às 21h

R$ 10,00 ; R$ 7,50 e R$ 5,00
320 lugares



SESC Consolação/Teatro SESC Anchieta

Rua Dr. Vila Nova, 245 - Tel: 3234-3000



Conteúdo Relacionado