Mídia

Pára que eu Quero Descer

20/02/2002 00:00

Às vezes me dá vontade de viver como os homens de neanderthal de novo. Ou como os índios. Nunca te dá essa vontade? Em mim dá toda hora. Excepcionalmente quando a coisa pega, como está pegando agora. Porque a coisa pegou. Em absolutamente todas as áreas. Passando pelas ciências Exatas, pelas Humanas e pelas Biológicas.


Pra começar, vamos fazer uma pequena dissertação sobre as meninas dos olhos desse nosso mundo globalizado: a tecnologia e as comunicações. Oras, se o ápice da modernidade é o computador, e de uma maneira ou outra a esmagadora maioria dos computadores é comandada por um negócio chamado Windows, então alguma coisa precisa ser revista urgentemente. Se você não conhece muito de computadores, pode perguntar para quem trabalha com isso. Um computador de qualidade razoável simplesmente pára de funcionar de duas a três vezes por dia, por razões que a própria razão desconhece. A gente está ali, trabalhando, e de repente, sem aviso nenhum, o computador não faz o serviço que devia fazer. E se você insiste, ele empaca feito um jegue. Aí a gente tem que tirar o negócio todo da tomada e ligar de novo. E aí o computador começa a trabalhar como se nada tivesse acontecido - para voltar a parar poucas horas depois. Às vezes minutos. O tal do computador é exatamente como o ser humano: não dá para confiar.


Mas se o problema se resumisse só à tecnologia, ainda vai. Mas não. A coisa pegou nas relações humanas também. Começando pela política que, teoricamente, é a arte de se relacionar com os outros. Além, é claro, da ojeriza que a população adquiriu pela nefanda palavra, a gente agora nem sabe mais quem são os mocinhos e os bandidos da política. Antigamente, os industriais acusavam o PT pela bagunça generalizada, e afirmavam que o PT devia ser extinto. Já o PT acusava os industriais mais ou menos das mesmas coisas e, da mesma maneira, pregava seu extermínio. Como pudemos observar nos últimos meses, parece que não era nem um nem outro. Estão seqüestrando os industriais e estão assassinando os petistas. Democratizaram a violência.


E, por falar em Democracia, nem mesmo ela é mais uma unanimidade. E olha que a Democracia é, sem dúvida nenhuma, o ápice do desenvolvimento nas relações humanas. Quer um sistema mais perfeito que esse, no qual a maioria da população escolhe os seus representantes? Bem, outro dia desses, o PCC (lembra do PCC? Aquele grupo que organiza criminosos dentro dos presídios?) resolveu que vai lançar um candidato a deputado federal. As contas são simples. Se cada parente de preso conseguir apenas três eleitores, o candidato do PCC vai ter 450 mil votos, o que o faz o deputado federal mais votado de todo o país!!! Dá para acreditar numa coisa dessas? Vão acabar as piadas de político, porque não vai ter graça nenhuma chamar político de ladrão. Eles vão ser mesmo, oras, assumidamente, com plataforma e tudo.


E para não dizer que não falamos também das ciências Biológicas, vou aqui citar só um exemplo. Você sabia que há pelo menos 12 países no mundo mantendo centros de pesquisas avançadíssimos única e exclusivamente para... inventar doenças? É, em vez de se gastar em métodos de cura, inventa-se agora novas maneiras de matar. Não é à toa que a guerra biológica é o maior temor dessa história toda de caça ao terrorismo, porque, por exemplo, se apenas um talibã suicida for contaminado por varíola e sair andando no metrô de Nova Iorque, ele sozinho pode causar a morte de centenas de milhares de pessoas.


Então, o melhor mesmo a se fazer é parar. Parar não: retroceder. Voltar para o começo e tentar de novo. Já obtivemos provas suficientes de que a sociedade falhou. Vamos todos voltar para as florestas e para as cavernas e esquecer todas essas invenções.


No começo a gente pode até estranhar, mas nada pode ser muito pior do que viver enjaulado dentro de casas e apartamentos, assistindo ao Big Brother ou à Casa dos Artistas.



Clique aqui e visite o site de Artur de Carvalho


Conteúdo Relacionado