Mídia

Vaza Jato nos Jornais - 29 de junho

 

01/07/2019 11:17

 

 

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

A cobertura do vigésimo dia é de apenas seis textos, tal qual o dia anterior. O principal tema do do dia é a condecoração de Sérgio Moro por João Dória com a Ordem do Ipiranga.

O Globo

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Globo traz uma cobertura tímida, com apenas dois textos citando o escândalo, um deles que trata da condecoração conferida a Moro. Em outra reportagem, o jornal cita julgamento no STF de seis anos atrás no qual Celso de Mello, considerado voto decisivo no processo de Lula, foi o único ministro que votou pela suspeição de Moro, considerando o comportamento do ex-juiz impróprio.

EstadãoNúmero de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

O Estadão é o jornal com o maior número de textos sobre o escândalo no dia, 3, todos críticos ao Intercept. Além de duas reportagens sobre a condecoração de Moro, o jornal reproduz uma fala do ministro do STF Luís Barroso, após palestra em São Paulo, na qual afirma ter havido ataque criminoso contra Moro e Dallagnol.

Folha

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Com apenas um texto, a Folha de São Paulo tem na edição de 29 de junho sua menor cobertura da Vaza Jato. A reportagem em questão descreve a entrega da Ordem do Ipiranga a Moro e cita seu discurso no qual afirma serem os vazamentos fruto de revanchismo.

Jornal Nacional

Na edição de ontem (28/6) do Jornal Nacional, mais uma vez a Vaza Jato foi mencionada, agora em reportagem (143s) sobre o arquivamento do processo contra o procurador Deltan Dallagnol. O telejornal informou primeiramente que o corregedor do Conselho Nacional do Ministério argumentou que as “supostas” conversas divulgadas pelo Intercept entre Dallagnol e Moro foram obtidas de forma ilegal e que não teriam indícios de infração funcional.

O JN repetiu a fala de Rochadel, além de reproduzir trechos de sua fala. O telejornal menciona o argumento do Intercept ao vazar as mensagens sobre Moro ter orientado as ações dos procuradores e cobrado novas operações. E repete mais uma vez que Moro e Dallagnol não reconhecem a autenticidade das mensagens, que julgam terem sido obtidas de modo criminoso.

Como nos dias anteriores, a defesa da Lava Jato recebeu espaço predominante. Continuam ausentes outras vozes que tragam argumentos críticos à atuação dos agentes da Operação.

Facebook

A Vaza Jato foi abordada em dois dos posts mais compartilhados do dia 28 de junho, O juiz Sergio Moro recebeu, na última sexta, a medalha da Ordem do Ipiranga, principal honraria do Estado de São Paulo, do governador João Dória, que justificou a homenagem citando a operação conjunta do Ministério da Justiça e do Governo de São Paulo para transferir 22 chefes de organizações criminosas de presídios estaduais para presídios federais, em fevereiro. A homenagem repercutiu na rede por meio de posts dos G1 e do próprio Dória, que trataram indiretamente da Vaza Jato.  Durante a cerimônia, Dória exaltou Moro pela atuação na Operação Lava Jato e afirmou: “O Brasil precisa de mais Moros e menos Lulas”. Moro agradeceu a medalha e os elogios, e comentou os vazamentos do Intercept Brasil, alegando que vem recebendo “ataques decorrentes de invasões criminosas” e “baseados em falsidades e muitas vezes incompreensões sobre a natureza do trabalho.

Conclusão

Com a ausência de novos vazamentos, a Vaza Jato viu seu espaço reduzido nos jornais. Quando a cobertura da Folha é fraca, o agregado expressa um forte viés dos jornais em prol de Moro e da Lava Jato. O Jornal Nacional, que é pensando para um público mais amplo, é fortemente favorável a Moro. Enquanto isso, análise do Facebook revela a sincronia entre a cobertura da grande mídia e o “partido” de Sérgio Moro, ao mostrar posts das páginas do G1 (do Grupo Globo) e de Dória em ode ao ex-juiz como líderes de compartilhamentos.

*Publicado originalmente no Manchetômetro





Conteúdo Relacionado