Mídia

Vaza Jato nos jornais - 1º de julho

 

03/07/2019 15:59

 


Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

As manifestações do dia 30 de junho, motivadas pelos vazamentos do Intercept, foram o grande assunto do dia. O vigésimo segundo dia de cobertura contou com 16 textos sobre a Lava Jato, dentre eles duas manchetes, de O Globo e Estadão.

O GLOBO

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

O Globo manteve uma cobertura tímida, o jornal carioca se limitou a publicar uma matéria sobre a Lava Jato, também assunto de sua manchete. Na reportagem, o jornal cita a manifestação, mas foca na resposta de Moro que agradeceu o apoio dos manifestantes e do próprio Jair Bolsonaro, criticando hackers e editores maliciosos.

ESTADÃO

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

O Estadão trouxe seis textos sobre o escândalo no dia 1 de julho, cinco deles neutros e um contrário ao Intercept. Em seu artigo, Vera Magalhães defende que apesar de o apelo popular ter contado na decisão do STF de não soltar Lula sem a análise do mérito, esse mesmo apoio não será capaz de definir votos na ação sobre a suspeição de Moro, que será votada futuramente.

FOLHA

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

Número de textos publicados desde o primeiro dia da cobertura do escândalo (10/06/19)

A Folha de S.Paulo continua como o jornal que mais destaca o caso, com oito textos na edição de hoje. Em artigo, Leandro Colon argumenta que Moro é fiador ético do governo e que será defendido por Bolsonaro até quando não for mais útil para o governo. No Painel, o jornal destaca que os criaram uma preocupação no STF de que colaboradores da Lava Jato afirmem que foram obrigados a assumir crimes que não cometeram. Em artigo que sua experiência em meio à manifestação pro-Moro, Fábio Zanini afirma que o sentimento era de necessidade de resgatar Moro após os vazamentos. Além disso, não eram poucos os relatos que questionavam os vazamentos e que concordavam com um cartaz que afirmava que a imprensa era inimiga do Brasil. Em artigo, Celso Rocha de Barros diz que os vazamentos nos permitiram esclarecer questões como o viés político da Lava Jato.

FACEBOOK

Dos dez posts mais compartilhados no Facebook ontem, oito trataram da Vaza Jato. Esta expressiva repercussão deveu-se aos atos em apoio a Moro que ocorreram em várias cidades brasileiras. Alcançaram alto volume de compartilhamentos os posts do presidente Jair Bolsonaro, do seu filho e deputado Eduardo (PSL-SP), do senador Álvaro Dias (Podemos-PR) e de algumas páginas da grande imprensa (G1 e Revista Veja) sobre o tema. A família Bolsonaro compartilhou em suas páginas fotos e vídeos dos protestos, entretanto, esses davam maior ênfase ao governo, suas propostas em trâmite e ao combate à corrupção, do que defendiam o ministro Moro. Juntos tais posts somam mais de 130 mil compartilhamentos. O único post mais explicitamente pró-Moro que participa da lista dos mais compartilhados foi do senador Álvaro Dias, que veiculou um vídeo antigo, da greve do ano passado, em que caminhoneiros e militares cantavam o hino nacional, como se estivessem nos atos. O próprio senador desculpou-se em sua página pelo equívoco. Já os posts do G1 e da Veja apontavam para matérias que traziam fotos dos atos e destacavam suas principais motivações: a defesa de Sérgio Moro, da Lava Jato e da reforma da Previdência. As reportagens mencionam que os manifestantes trajavam as cores da bandeira do Brasil e que os atos foram pacíficos, com a exceção do conflito em São Paulo entre o Movimento Brasil Livre e o grupo Direita São Paulo. Os meios ressaltam também que estes protestos foram visivelmente menores que os anteriores da direita.

CONCLUSÃO

Os jornais não repercutiram as novas denúncias publicadas no domingo pela Folha e se limitaram a discutir as manifestações. Grande destaque foi dado aos comentários de Moro, com destaque para suas críticas ao Intercept. A cobertura das manifestações dá a entender que a Lava Jato e Moro possuem algum respaldo popular e que a imprensa, principalmente a Folha de S. Paulo que foi citada nominalmente por manifestantes, começa a ser alvo de ataques de apoiadores bolsonaristas.

*Publicado originalmente no Manchetômetro

Conteúdo Relacionado