Mídia

O que é a Era de Aquário?

28/12/2003 00:00

Muito se tem falado acerca da Nova Era e da transição da Era de Peixes para a Era de Aquário, sobretudo na última década. Qual, porém, é o verdadeiro significado dessas expressões?

Vejamos: quando do Equinócio de Primavera (para o Hemisfério Norte) e Outono (para o Hemisfério Sul), ou seja, no momento em que o Sol entra no Ponto inicial do Zodíaco, a 0º (zero graus) de Áries, o ponto vernal está apontando para uma determinada região do Céu, em outras palavras, para um dos doze signos zodiacais.

Pois bem, define-se como Era Astrológica o período em que o ponto vernal transita por um signo, até que, graças ao constante movimento celeste (e terrestre), passa a percorrer um outro signo, o que ocasiona uma transição entre eras. Esse período é de aproximadamente 2.160 anos.

ERA DE PEIXES E ERA DE AQUÁRIO
No momento, estamos vivendo a transição da Era de Peixes para a Era de Aquário.

Na Era de Peixes, ou seja, durante os últimos 2.000 anos, vivenciamos mais de perto as vibrações piscianas de contemplação e doação. Assistimos ao nascimento e crescimento da religião que se baseia em conceitos como estes: o Cristianismo, cujo fundador tem o peixe como símbolo. Aliás, Jesus, personalidade máxima dessa Era, o pescador de homens e aquele que caminhava sobre as águas, é chamado, em grego, de ICHTHYS, palavra que significa “peixe”.

Na Era que se inicia, a de Aquário, esperamos uma maior conscientização do ser humano no que tange à realidade planetária e ao humanitarismo. Devemos voltar-nos mais para as questões sociais e abolir as fronteiras que dividem os povos.

EVOLUÇÃO E REVOLUÇÕES
Urano, regente do signo de Aquário, promete revoluções e mudanças. Não através de guerras, mas sim através de uma crescente percepção, por parte do ser humano que habita esta linda bola azul girando pelo Universo afora, de que as coisas todas estão relacionadas entre si, tudo fazendo parte de uma intrincada e infinita rede.

Sob a proteção do Céu, que nos guia, ensina, orienta e modela, o Homem do Terceiro Milênio haverá de perceber a necessidade de uma profunda e definitiva revolução paradigmática, não por uma questão filosófica, ou ainda meramente ecológica, como uma tentativa meio que desesperada de salvar a existência do planeta; mas sim por uma total integração do Homem com as dimensões do Sagrado.

Em outras palavras, como nossos antepassados, perceber as estrelas como pequenos furos num tecido escuro, através dos quais podemos vislumbrar a infinita Luz que o Criador nos reserva.

Assim, façamos nossas as palavras do grande Paracelsus: “Para entender corretamente o significado da Astrologia, é necessário entender e perceber a íntima relação e a identidade do microcosmo e do macrocosmo e sua interação mútua”.

Esta é uma coluna astrológica semanal, atualizada a cada Domingo. Participe! Envie seus comentários, suas críticas ou sugestões para haroldo77@uol.com.br.


Conteúdo Relacionado