Mídia

É tudo verdade em 'Cidadão Jacaré'

18/08/2006 00:00

cena filmada por Welles que aparce no documentário

Créditos da foto: cena filmada por Welles que aparce no documentário "Cidadão Jacaré"
Em 1942, Orson Welles veio ao Brasil para filmar o mito inacabado It’s All True. Welles era uma espécie de embaixador da cultura estadunidense. A proposta de vir para o Brasil fazia parte da política de boa vizinhança do birô latino-americano comandado por Nelson Rockfeller. O filme acabou sendo abandonado pelo jovem Welles e pelos estúdios RKO, e só ganhou uma montagem em 1993, oito anos depois da morte do diretor.

Welles já era o famoso garoto-prodígio de Cidadão Kane e tinha rodado um segundo longa-metragem, Soberba, quando recebeu convite do governo americano para rodar o documentário na América Latina. Filmou no México e acabou no Brasil, onde dividiria as filmagens em duas partes. Uma seria sobre o Carnaval carioca, a outra sobre pescadores cearenses.

Fato é que os rolos de filme que eram enviados para os Estados Unidos não satisfizeram os produtores. Afinal, o documentário fazia parte da política da boa vizinhança de Roosevelt. Welles no Brasil passou a registrar as favelas cariocas, a pobreza e o drama dos jangadeiros do Ceará. Encomendaram uma Disneylândia para atrair o turismo e o diretor entregava os problemas sociais da região.

O mais trágico protagonista de It’s All True é Jacaré, foi como se tornou célebre o jangadeiro cearense Manuel Olímpio Moura. Sua morte por afogamento durante uma filmagem com Welles alimentou por décadas uma teoria da conspiração em torno do fracasso do filme. Mas de fato foi logo após a morte do pescador que Welles foi chamado de volta aos Estados Unidos.

Ativo presidente de uma colônia de jangadeiros em Fortaleza, Jacaré liderou com três outros companheiros de pesca, em setembro de 1941, uma viagem de jangada do Ceará ao Rio de Janeiro, que era então a capital da República. O objetivo era apresentar reivindicações da categoria a Getúlio Vargas. Todo o poderio propagandístico do Estado Novo e o intenso acompanhamento da imprensa sobre o fato tentaram neutralizar o potencial crítico da viagem, apresentando os quatros jangadeiros como “heróis do mar”. No fundo, cada passo dos quatro líderes era controlado.

Histórias de um Brasil ainda imaginário que procura ser descoberto. O documentário Cidadão Jacaré, de Firmino Holanda e Petrus Cariry, que será exibido pela Rede Pública de Televisão no domingo, dia 20, às 23h30, pelo DOC TV debate a questão da cidadania contrapondo os discursos sobre o incidente que resultou na morte de Jacaré.

Não é doce morrer no mar
Cidadão Jacaré revela que Dorival Caymmi estava errado. Não é doce morrer no mar, mesmo que se faça a cama no colo de Iemanjá. A viuvez precoce, o trabalho infantil, a falta de moradia, a impossibilidade da aposentadoria, a dificuldade em conseguir crédito para a compra de equipamentos, são alguns dos problemas dos pescadores artesanais cearenses.

O ponto de partida do documentário é o livro de Firmino Holanda, Orson Welles no Ceará (edições Demócrito Rocha, 2001), reconstituindo as passagens por Fortaleza de Welles. No livro, Holanda já revela parte da política interna americana contrárias aos rumos que It´s All True tomou. Já no filme, ele e Cariry procuram compor a importância e a dimensão política da liderança de Jacaré, não apenas para o jangadeiro cearense, mas para os pescadores excluídos de todo o Brasil.

Entre depoimentos de historiadores, antropólogos e registros de Welles, destacam-se as vozes dos próprios jangadeiros. A figura do trabalhador marginalizado, predominando o desconforto depois de mais de 60 anos. A certeza de que desde a ditadura de Getúlio à redemocratização do país, a precarização das condições do trabalho e a pobreza apenas aumentam.

E o Brasil que conhecemos hoje, já era profetizado por Welles no pouco período que por aqui ficou. Em conversa com Vinícius de Moraes, que o guiava para conhecer uma favela no Rio de Janeiro, registrou o comentário mais do que profético: “Isso (a favela) é um Frankenstein. É um monstro que vai se voltar contra vocês”. It’s All True, cidadão Welles.

DOC TV
A série especial Brasil Imaginário é resultado do DOCTV (Programa de Fomento à Produção e Teledifusão do Documentário Brasileiro), do Ministério da Cultura, e apresenta 26 documentários sobre a multiplicidade de expressões da cultura regional através do olhar de jovens realizadores de todas as regiões do país. Os programas vão ao ar até 18 de dezembro na faixa DOC. BRASIL.


Conteúdo Relacionado