Movimentos Sociais

Os ensinamentos do Fórum Social em Santos

Defesa da participação popular, mote da segunda edição do evento, foi vivenciada na prática, em mais de 40 atividades autogeridas sobre diversos temas

14/11/2019 14:28

Atividade do II Fórum Social da Baixada Santista, em Santos (Wagner de Alcântara Aragão)

Créditos da foto: Atividade do II Fórum Social da Baixada Santista, em Santos (Wagner de Alcântara Aragão)

 

Em torno de meia centena de atividades e pelo menos 1 mil participantes, durante três dias, em cinco locais diferentes. Os números do II Fórum Social da Baixada Santista, realizado entre os dias 8 e 10 de novembro último, em Santos, não deixam dúvidas do impacto do evento. Mas os resultados do encontro são constatados sob outros aspectos também.

Um deles tem relação direta com o mote do II Fórum Social da Baixada Santista, a “defesa da participação popular”. O que mais se viu foi a participação do povo – pessoas dos mais diversos segmentos da sociedade, grupos, movimentos, coletivos, todos que compartilham da visão de que um outro mundo é necessário, e possível, de alguma maneira se engajaram para contribuir com o processo de construção desse outro mundo.

Foi o que se viu principalmente no segundo dia, no sábado, dia 9, reservado às atividades autogeridas. Foram mais de 40 delas, que efervesceram o campus da Universidade Federal de São Paulo (Unifep) no bairro santista da Vila Mathias. As atividades envolveram apresentação de trabalhos, compartilhamento de experiências, debates e reflexões sobre educação, saúde, cultura, comunicação, desenvolvimento urbano, economia solidária, meio ambiente, cidadania... a lista é gigante.

Na véspera, na abertura, uma roda de conversa sobre políticas públicas de saúde envolvendo referências na área (o ex-ministro Arthur Chioro, o professor Ubiratan de Paula Santos, o psiquiatria Roberto Tykanori) lotou uma das salas de outra unidade da Unifesp em Santos, e por quase três horas formas de se resistir ao desmonte em curso foram discutidas. Ao mesmo tempo, no auditório da mesma unidade a conjuntura da metropolização da Baixada Santista era tema de debate.



Igualmente foi tema de conversa “O papel das redes sociais e da mídia independente na luta pela democracia em tempos de fake news”, com as jornalistas Renata Mielli, Cynara Menezes, Renato Rovai e Igor Santos. Enxergar a comunicação como um direito humano, essencial para o exercício da cidadania e de outros direitos, e não como prestação de serviço, foi o alerta feito por Mielli aos movimentos sociais.

Lançamento de livros, a música do coral Cantos da Praia, feira de economia solidária e de agroecologia, exposições, entre outras formas de manifestação e expressão forneceram inspiração para o fortalecimento da participação popular. Contra o ódio, a alegria - foi a mensagem percebida.

No último dia, no domingo, no Sesc Santos, um bate-papo com o economista e professor Ladislau Dowbor, e o arquiteto e ativista Chico Whitaker, um dos idealizadores do Fórum Social Mundial (2001), no qual o fórum santista se espelha. Os dois deram uma aula – não no sentido acadêmico, apenas. Sim, foram didáticos e ensinaram, mas a aula principalmente foi de humildade, serenidade, lucidez e disposição para a luta – com otimismo, em que pesem as adversidades.

Uma homenagem a lideranças históricas de Santos e região, em diversas áreas de luta (Ernesto Zwarg, Gemma Rebello, Helle Alves, Irmã Maria Dolores, Maria Lúcia Prandi e Suely Morgado) resgatou o legado de lutas, e emocionou o público presente no encerramento.



Manifestações em solidariedade ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cuja libertação se deu na tarde de abertura do Fórum Social em Santos, e ao povo da Bolívia – que naquele fim de semana estava sendo vitimada por um golpe de Estado fascista – também ecoaram nos encontros.

Agora, a organização do II Fórum Social da Baixada Santista prepara para dezembro uma reunião de balanço do evento. Até lá, todas as propostas produzidas pelas mesas e atividades autogeridas serão sistematizadas, para orientar a luta por um outro mundo.

Fotos e outras informações do II Fórum Social da Baixada Santista podem ser conferidas em www.forumsocialbs.org.

Wagner de Alcântara Aragão, jornalista e professor. Editora da Rede Macuco (www.redemacuco.com.br)


Conteúdo Relacionado