Movimentos Sociais

Os golpistas do agronegócio e suas maquinações ordinárias

Dia 17 de abril é uma data trágica para o movimento social: além da votação do Impeachment, a data marca os 20 anos do massacre de Eldorado dos Carajás.

15/04/2016 00:00

reprodução

Créditos da foto: reprodução

Domingo dia 17 é uma data trágica para o movimento social do campo – os 20 anos do massacre de 19 trabalhadores sem-terra em Eldorado de Carajás, mortos no confronto com a Polícia Militar do Pará em abril de 1996, em plena era tucana. Os dois comandantes, Mário Pantoja e José Maria de Oliveira, estão em prisão domiciliar e no Centro de Custódia Especial, em Belém. Os 155 policiais que participaram da chacina foram absolvidos. Neste domingo, na Curva do S, na rodovia PA-150, centenas de jovens do Acampamento Nacional da Juventude do MST farão uma homenagem aos trabalhadores, em especial ao jovem Oziel Alves Pereira, que na época tinha 17 anos, era o mais novo entre os mortos. Integrantes da Conferência Internacional sobre Reforma Agrária, organizada pela Via Campesina em Marabá, com a presença de quase 200 delegados de cinco continentes, também estarão presentes.
 
Na mesma semana em que os golpistas planejam tomar a presidência da República, os representantes do agronegócio se reúnem em Campo Novo dos Parecis, para comemorar o sucesso da produção de grãos do estado. Como convidados especiais dois especialistas em agricultura: o deputado federal Jair Bolsonaro e um ex-integrante do Batalhão de Polícia Especial do Rio de Janeiro (BOPE), Paulo Storani, que depois do sucesso do filme Tropa de Elite – ele participou da elaboração do roteiro – faz palestras com o tema “como construir equipes de alto desempenho baseado em método de treinamento militar”. Para completar o quadro do maior estado produtor e ao mesmo tempo envenenador, o ministro do STF, Gilmar Mendes, concede Habeas Corpus ao ex-presidente da Assembleia Legislativa, José Geraldo Riva, considerado o maior ficha suja do país, com mais de 100 processos e que estava preso há um ano. Ganhou a liberdade no dia 11 de abril, quando completava 58 anos. Um presente do conterrâneo.
 
Ex-secretário de Maggi delatou o esquema
 
O Mato Grosso com pouco mais de dois milhões de habitantes, mais de 400 mil famílias integrantes do programa Bolsa Família é um exemplo do significado da justiça e da política em tempos de operação Lava Jato no Brasil. O ex-governador Silval Barbosa, do PMDB está preso acusado de participar de esquemas de desvio de dinheiro público e lavagem. Uma das fontes da Polícia Federal e do Ministério Público Federal e Estadual é o ex-secretário Éder Moraes, que foi Secretário da Casa Civil, da Fazenda, e Extraordinário da Copa desde o governo Blairo Maggi. O atual governador é procurador da república e senador, Pedro Taques, que participou da prisão do “Al Capone” do cerrado, como era chamado o ex-policial civil e Comendador João Arcanjo, dono de um cassino para ricos em Cuiabá e que financiava vários políticos. Em 2002 a PF encontrou 22 cheques de R$700 mil reais assinados por José Riva, então primeiro secretário da Assembleia, que envolvia uma dívida de R$15,4milhões com as empresas de factoring de Arcanjo.
 
Roubaram R$500 milhões durante as obras da Copa do Mundo
 
O atual líder do governo do PSDB – Pedro Taques se elegeu pelo PDT, depois trocou de partido -, Wilson Santos, ex-prefeito de Cuiabá, disse recentemente em entrevista a sites locais que na época da Copa do Mundo foram desviados R$500 milhões, pela administração do PMDB e seus apoiadores. O maior exemplo é a construção do VLT – trem sobre trilhos, que ligaria o aeroporto em Várzea Grande até o bairro CPA-1, em Cuiabá. Foram comprados 280 vagões ao preço de quase R$500 milhões. Os vagões estão apodrecendo, assim como as locomotivas.
 
Mas é assim que funciona a política no estado do ministro Gilmar Mendes, que no dia 14 também beneficiou o ex-chefe de gabinete de Riva, Geraldo Lauro, com habeas corpus. Enquanto isso na Superagro Parecis, onde quase dois milhões de hectares são explorados com soja e milho, principalmente pipoca, o deputado Jair Bolsonaro diz que o agronegócio é a locomotiva da economia do país e por isso os produtores precisam estar sempre lutando. E o ex-BOPE prepara seus comandados rurais:
 
“- Uma tropa de elite é uma equipe de alta performance, que congrega os melhores resultados, isso pode ser aplicado a qualquer time, seja do BOPE, quanto no Sindicato Rural, associação e empresas de qualquer setor da economia”
 
A justiça liberou a fortuna do mafioso
 
No ano passado o Tribunal da 1ª Região também liberou os bens do Comendador mafioso, avaliados em quase R$1 bilhão, incluí parte de um hotel em Orlando, onde funcionaria um cassino, fazendas, distribuidora de combustíveis, um jatinho, sem contar o jogo do bicho que ele continua coordenando no estado, mesmo preso em Porto Velho – foi condenado pela morte do dono do jornal Folha do Estado, Sávio Brandão em 2012. Na comemoração de 50 anos, de Arcanjo a PF apreendeu um vídeo onde o deputado Riva diz que Arcanjo é um exemplo de competência para o Mato Grosso.
 
Já Silval Barbosa, o ex-governador preso, condecorou Gilmar Mendes em 2013 com a medalha de Honra ao Mérito do Mato Grosso. O irmão dele, Francisco Mendes, ex-prefeito de Diamantino, cidade natal do ministro, é do mesmo grupo político do ex-governador. A filha de Riva, Janaína Riva, deputada estadual se filiou recentemente em Brasília, na sede do diretório Nacional do PMDB – era do PSD- na presença do ex-senador Carlos Bezerra, do atual senador Eunício de Oliveira e de Michel Temer.
 
Relatório da CPT sobre conflitos no campo
 
No dia 15 de abril a Comissão Pastoral da Terra vai lançar o relatório de 2015 sobre os conflitos no campo, onde estão registrados 50 assassinatos, a maior parte em Rondônia, que no ano passado assumiu o lugar do Pará, nesta questão. O relatório será lançado na Conferência de Reforma Agrária em Marabá e também no acampamento contra o golpe em Brasília.
 
Os golpistas do agronegócio estão formando caravanas para Brasília, para dar sustentação ao plano do aprendiz de mafioso Eduardo Cunha, de Temer e os representantes das entidades patronais do campo e da cidade. E a bancada ruralista se prepara para votar o projeto de lei 3200/2015, do deputado golpista Covatti Filho (PP-RS) que pretende acabar com a Lei dos Agrotóxicos de 1989, considerada uma das mais avançadas do mundo. A Bancada Ruralista quer criar a Comissão Técnica Nacional de Fitossanitários e pretende mudar o nome agrotóxico para “defensivo fitossanitário e ambiental”. Para o agronegócio essa é uma das razões para apoiar o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff.





Conteúdo Relacionado