Movimentos Sociais

Para Meszáros, guerra é fruto da crise do império

24/01/2003 00:00

Neste Fórum Social Mundial pretendo falar sobre o tema mais candente de nosso tempo: o perigo de uma guerra que poderemos enfrentar num futuro muito próximo, fruto das insolúveis contradições do imperialismo hegemônico no plano global. As perigosas implicações deste conflito – grosseiramente apresentado como conseqüência direta e inevitável dos acontecimentos de 11 de setembro de 2001 – não podem ainda ser suficientemente delineadas. A ele podem se seguir sabe-se lá que outras guerras mortais.



Se nada for feito contra estas forças belicistas, a própria sobrevivência da humanidade estará imersa em sombras. Ninguém pode omitir-se sobre esta questão. Estamos todos no mesmo barco, incluindo aqueles que estão agora brincando com o fogo de uma conflagração global.



Crise estrutural

A atual ordem das regras capitalistas encontra-se numa profunda crise estrutural; uma crise nunca antes julgada possível. A falência de nosso sistema é tão grande – mais uma vez levantando o espectro de guerras devastadoras, como por duas vezes aconteceu durante o século XX – que a visão do colapso se apresenta no horizonte. Dizer que não há alternativa ao atual modo de produção dominante, em consonância com a argumentação convencional capital, equivale a resignar a humanidade ao suicídio.



Alternativa viável

O papel histórico da esquerda socialista é elaborar e materializar uma alternativa viável. Naturalmente, o caminho traçado por esta alternativa será difícil e doloroso. Mas estou convencido de que as perspectivas para um exame de como superar os antagonismos do imperialismo global e de suas crescentemente destrutivas ordens são mais promissoras do que nunca.



O Fórum

A importância deste Fórum Social Mundial é enorme, levando-se em conta ser ele uma atividade complementar a outras formas de movimentos sociais e políticos, mais do que uma alternativa a eles. A plena ativação das energias e a organização de potenciais do que freqüentemente é chamado de “sociedade civil” são essenciais para o futuro. A alegada oposição entre sociedade civil e organizações políticas é usualmente irreal, uma vez que elas se interpenetram profundamente. O significativo a este respeito é dizer que os corpos políticos que caminham juntos no Fórum Social Mundial são linhas de funções sociais vitais, sem as quais a criação de uma ordem social alternativa é inconcebível.



Promessa de futuro

A grande tragédia das experiências socialistas do século XX foi precisamente incapacidade de absorver as decisões da sociedade, através de seus ente relevantes, sucumbindo sob a pressão de uma concentração autoritária de poder. Assim, os vários organismos sociais que se unem sob a bandeira do Fórum Social Mundial são relevantes não apenas para um futuro imediato. Eles carregam uma grande promessa de futuro na perspectiva de uma transformação autônoma, inclusiva e sustentável.



Importância global

A importância global da chegada de Lula à presidência da República, no Brasil, não pode ser subestimada. O País é uma potência continental, extremamente rica em recursos materiais e humanos, com um potencial, se plenamente desenvolvido, para fazer frente até mesmo aos Estados Unidos, em vários aspectos. Conseqüentemente, o fato de ter um líder radical ocupando a presidência representa uma grande esperança para a esquerda em todo o mundo, em contraste com as decepções e derrotas que ela sofreu nas últimas duas ou três décadas. Todos conhecem o destacado papel desempenhado por Lula para o fim da ditadura militar, através da decisiva intervenção do movimento sindical que liderava. O fato desta vitória acontecer na América Latina, um continente que carrega uma grande promessa para a solução dos problemas fundamentais da humanidade, só pode sublinhar o significado histórico deste acontecimento para toda a esquerda, em todos os países.



*depoimento especial a jornalista.

Conteúdo Relacionado