Pelo Mundo

'Comprem munição', incita alto porta-voz do governo Trump

 

16/09/2020 17:37

Michael Caputo chega ao edifício Hart Senate Office para ser entrevistado por funcionários do Comitê de Inteligência do Senado em 1º de maio de 2018, em Washington, DC (Mark Wilson/Getty Images)

Créditos da foto: Michael Caputo chega ao edifício Hart Senate Office para ser entrevistado por funcionários do Comitê de Inteligência do Senado em 1º de maio de 2018, em Washington, DC (Mark Wilson/Getty Images)

 

Roger Stone - amigo de longa data e estrategista político de Donald Trump, condenado e comutado por perjúrio, verdadeiro vilão do Batman - fez algumas entrevistas no rádio com o execrável Alex Jones do Infowars na última quinta-feira. Durante sua apresentação, Stone proclamou que, para assegurar a vitória em novembro, Trump deve instaurar a lei marcial, invocar o Insurrection Act [que confere poderes ao presidente de determinar a atuação das Forças Armadas em território norte-americano], nomear o procurador-geral William Barr como supervisor das eleições, apreender cédulas em todo o país e prender "os Clintons", o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, o CEO da Apple, Tim Cook, e “qualquer outra pessoa que comprovadamente esteja envolvida em atividades ilegais".

O falatório de Stone se dissipou sem maiores impactos, mas apenas alguns dias depois, um dos protegidos mais famosos de Stone despontou com sua própria versão distorcida da distopia trumpiana que está por vir. Sua importância foi muito maior, porque veio de ninguém menos que Michael Caputo, secretário assistente de relações públicas do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS), no meio de uma maldita pandemia global.

Diz o Nova York Times:

"Sr. Caputo, que tem enfrentado críticas intensas por liderar os esforços para distorcer os boletins semanais do CDC [Centro para o Controle de Doenças] para que eles se encaixem na narrativa pandêmica de Trump, sugeriu que ele pessoalmente pode estar em perigo por oponentes do governo. “Se vocês carregam armas, comprem munição, senhoras e senhores, porque vai ser difícil conseguir”, ele instou seus seguidores. Ele foi mais longe, dizendo que sua saúde física estava em questão e que sua "saúde mental definitivamente piorou".

Os comentários de Caputo no Facebook foram outro sinal da profunda antipatia e suspeita do governo por seus próprios especialistas científicos em toda a burocracia e da crescente pressão política sobre esses especialistas para seguir uma linha política favorável a Trump.”

Caputo, que já serviu como motorista pessoal de Stone, começou a desenrolar teorias sobre sua morte iminente depois que surgiram relatos de que ele estava destruindo relatórios oficiais do CDC que conflitavam com a versão de Trump da realidade da COVID. “Desde que Michael Caputo, um ex-funcionário da campanha de Trump sem formação médica ou científica, foi instalado em abril como o novo porta-voz do departamento de Saúde e Serviços Humanos, houve esforços substanciais para alinhar os relatórios com as declarações de Trump, incluindo as alegações do presidente de que os temores sobre o surto são exagerados, ou mesmo bloquear a publicação de relatórios por completo”, relata Dan Diamond, do Politico.

Caputo é o perfeito fantoche de Trump, uma criatura do movimento Tea Party cuja conta no Twitter era um festival de paranoia racista e sexista até que ele limpou sua página ao conseguir o bico no HHS. Claro, ele tem laços profundos com Vladimir Putin e a Rússia, desde os dias de Boris Yeltsin, e foi uma testemunha durante a investigação do impeachment de Trump.

De sua posição, Caputo tem trabalhado incansavelmente para obscurecer e minar qualquer tentativa do CDC de descrever ou explicar a atual crise do COVID, caso essas explicações sejam contrárias à natureza do universo paralelo que Trump está construindo para salvar sua campanha à reeleição. Lembra-se de um tempo atrás, quando Anthony Fauci, especialista em COVID de Trump, de repente ficou ausente e silencioso? Era o Caputo, amordaçando Fauci porque sua franqueza desagradava ao presidente.

Estas são as pessoas que Trump deixou permanecer agora que bloqueou a supervisão de sua administração, por “adultos” e especialistas, e esses que sobraram são assustadores. Pessoas como Caputo, e como o vividamente fascista conselheiro de segurança nacional de Trump, Stephen Miller, são leais a Trump até o fim ... mas apenas porque eles o estão conduzindo como num grande tobogã laranja em direção à nova ordem nacionalista que procuram.

Essas exortações à violência de pessoas como Caputo e Stone não são aberrações. Elas são anúncios de intenções dos agressores que ainda estão vivos no bunker de Trump. “É um pouco tentador tratar tudo isso como uma distração da campanha tradicional, das pesquisas e eventos e anúncios e do espetáculo político geral”, escreve Jamelle Bouie para o Times. “Para Trump, no entanto, esta é a campanha, e ela está preparando as bases para o caos e a violência caso o resultado mostre a menor ambiguidade (e mesmo que não mostre).”

Pessoas como Michael Caputo estão nos arrastando para um terrível acerto de contas quenão precisa acontecer. Estamos no fio de três navalhas cruzadas - COVID, crise climática e colapso constitucional - e temo que, com um passo em falso, correrá sangue como um rio.

Atualização - O Politico relata que Caputo convocou uma reunião na terça-feira com funcionários para se desculpar pelos ataques contra o HHS e o CDC que ele postou no Facebook. Alegando problemas de saúde e temores sobre supostas ameaças de morte, Caputo disse ao grupo que ele tem agendado um encontro com o secretário do HHS, Alex Azar, no mesmo dia. “A sessão deixou alguns funcionários com a impressão de que Caputo em breve deixaria de ser secretário assistente do departamento para Assuntos Públicos”, segundo o relato. Na quarta (16), o site Politico confirmou que Caputo sairia de licença médica por 60 dias.

*Publicado originalmente em 'Truthout' | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado