Pelo Mundo

'Made in Wuhan' a pleno vapor após a pandemia

 

14/09/2020 16:07

(Shen Weiduo/GT)

Créditos da foto: (Shen Weiduo/GT)

 
Usando máscaras, comendo separadamente, tendo sua temperatura corporal verificada, usando antissépticos com frequência, mais de 10.000 funcionários estão trabalhando duro na fábrica da Lenovo, onde cartazes com os dizeres "o controle da epidemia é nossa responsabilidade" estão espalhados por toda parte. A fábrica da Lenovo está localizada em Wuhan, capital da Província de Hubei, na China Central, a cidade mais atingida durante o surto de COVID-19 no país.

No entanto, o trabalho voltou ao normal, com a equipe montando um telefone celular ou um tablet na linha de produção a cada segundo. Mais de 100.000 telefones celulares são produzidos na fábrica todos os dias e depois enviados para todo o país e para o mundo a partir de Wuhan - a cidade que emergiu de um bloqueio de 76 dias durante a epidemia de COVID-19

Na semana passada, os trabalhadores testemunharam a chegada de um novo telefone dobrável 5G, o Motorola 5G Razr da Lenovo, montado e testado em Wuhan, pronto para ser enviado para mais de 160 países e regiões ao redor do mundo, marcando outro marco para a empresa de tecnologia chinesa. É um lembrete para o resto do mundo que a cidade não só restaurou a capacidade total de produção, mas também está avançando a uma velocidade mais rápida do que se esperava.

No segundo trimestre do ano, a Zona de Desenvolvimento de Alta Tecnologia de Wuhan East Lake, conhecida como "Vale Ótico da China" e lar de muitos nomes importantes, incluindo Foxconn, Lenovo e China Star Optoelectronics Technology Co, alcançou um crescimento do PIB de 13,5% ano contra ano, apesar do ataque do vírus.

Desde a retomada da produção em abril, o aumento do investimento interno e externo, e o apoio de cima para baixo de todo o país, capacitou Wuhan a restaurar sua capacidade de produção e se recuperar rapidamente da epidemia.

Técnicos trabalham em uma oficina da Wuhan Xinxin Semiconductor Manufacturing Co., Ltd (XMC) na Wuhan Donghu New Technological Development Zone em Wuhan, capital da província de Hubei da China central, 14 de fevereiro de 2020. Foto: Xinhua

Em março, a gigante manufatureira americana Honeywell registrou uma subsidiária integral, a Huosheng Industrial Technology Co em Wuhan, como sua sede para os negócios do segmento de médio porte da empresa na China. No início de junho, os primeiros 200 funcionários da fabricante chinesa de smartphones Xiaomi se mudaram oficialmente para sua sede em Wuhan. E em 20 de junho, a Mindray Medical International Co, maior fabricante de medicamentos do país, investiu 4,5 bilhões de yuans (US$ 658,43 milhões) na construção de uma base em Wuhan, sua segunda base global em todo o mundo.

"Alguns meses atrás, Wuhan era o centro da tempestade epidêmica, mas agora se tornou o indicador do desenvolvimento econômico pós-epidemia da China", disse Yang Yuanqing, presidente e CEO da Lenovo, em Wuhan na quinta-feira (10/9).

De acordo com o jornal local Changjiang Daily, a economia de Wuhan no segundo trimestre voltou ao mesmo nível do mesmo período do ano passado, uma grande reversão em relação ao primeiro trimestre, quando seu PIB caiu 40,5% ano contra ano.

Os voos pelo Aeroporto Internacional Tianhe de Wuhan chegaram a 500 na sexta-feira (11/9) e o volume de passageiros no aeroporto chegou a 64.700 no mesmo dia, igual ao mesmo nível do ano passado, informou a agência de notícias Xinhua no domingo.

A cidade também lançou um projeto no sábado para construir um pavilhão com a maior área interna de exposição do mundo - 450.000 metros quadrados, informou a mídia local.

"Os dados só conseguem mostrar uma parte da história, pois quando você olha para trás, apenas as pessoas que passaram por isso podem saber o quanto foi difícil e realmente compreender a resiliência e flexibilidade da cadeia industrial da China", um gerente de produção, de sobrenome Zhang, em uma empresa de eletrônicos em Wuhan, disse ao Global Times na sexta-feira.

Bombeiros realizam a desinfecção no Aeroporto Internacional de Wuhan Tianhe em Wuhan, província de Hubei na China central, 3 de abril de 2020. Foto: Xinhua

A cidade de 11 milhões de pessoas foi isolada do resto da China e do mundo depois de ter sido colocada sob bloqueio, um movimento sem precedentes, mas também necessário na época. Todo o trabalho foi paralisado, todo o transporte parado e quase todos ficaram de castigo em casa, tudo em um esforço para conter o vírus.

"A pandemia também deixou claro que interromper a produção em Wuhan também significa interromper a cadeia industrial global", disse Zhang, acrescentando que sua empresa ainda está colocando em dia todos os pedidos de clientes - incluindo a Foxconn, um fornecedor importante da Apple - que foram deixados para trás durante o bloqueio.

"Muitos materiais importantes são produzidos e enviados de Wuhan para outras bases no Brasil e na Argentina, assim, depois que a cidade foi 'fechada' em 23 de janeiro, nossas fábricas no exterior também sofreram um grande impacto", disse Chen Shuli, executivo sênior do Lenovo Group, ao Global Times.

"Conversamos com várias fábricas na província de Guangdong, no sul da China, organizamos os trabalhadores para permanecerem na cidade, mudamos e empacotamos tudo o que podíamos mover ao longo das cadeias de abastecimento de Wuhan para Guangdong e pedimos aos trabalhadores de fora da cidade que não podiam voltar para Wuhan para ir às fábricas em Guangdong - é assim que conseguimos manter nossa cadeia de suprimentos global funcionando e as remessas globais durante o período mais difícil", disse Chen.

A partir de meados de março, quando a situação da pandemia deu sinais de melhora, com a ajuda das autoridades locais, a fábrica de Wuhan da Lenovo enviou 400 veículos para trazer 7.000 funcionários de volta e "reiniciar" a base. A produção total foi restaurada em 7 de abril.

"Desde abril, nossa produção de tablets está em pleno andamento e até atingiu uma taxa de crescimento rápido de cerca de 65% a 68% ano contra ano, disse Chen.

Embora a retomada total da produção da empresa de Zhang tenha ocorrido no final de maio, sua produção também atingiu um aumento de 40 por cento nos últimos três meses em comparação com o mesmo período do ano passado.

Para abastecer o mundo

Para a maioria dos fabricantes da cidade e de todo o país, restaurar a produção não é mais um problema, agora o modo de atender à demanda mundial, enquanto a pandemia ainda lança sua sombra sobre alguns países e regiões, é a nova prioridade.

O BGI Group, uma organização chinesa líder mundial em pesquisa de genoma, é uma empresa que não parou de funcionar durante a epidemia e agora está ocupada como de costume, enquanto muda seu foco de fornecer apenas para Wuhan para atender todo o país, e agora o mundo inteiro.

Membros da equipe trabalham em um laboratório de testes de COVID-19 construído com uma estrutura inflada a ar no distrito de Daxing, Pequim, capital da China, 22 de junho de 2020. Foto do arquivo: Xinhua

"Construímos um laboratório de coronavírus que pôde fazer 10.000 testes em janeiro em apenas cinco dias - normalmente, levaria três meses", disse Zhu Shida, "comandante geral da linha de frente" do BGI em Wuhan, na quinta-feira, acrescentando que trabalhar 24 horas por dia era normal quando a epidemia era mais grave.

O laboratório de testes Wuhan da BGI, denominado Huoyan, testou mais de 700.000 pessoas na província de Hubei. Até agora, os kits de teste de coronavírus produzidos em Wuhan foram enviados para mais de 80 países e regiões, e toda a solução de tecnologia e modelo de laboratório foram replicados e expandidos para o mundo para combater a pandemia, disse o BGI ao Global Times.

A China registrou uma melhora sustentada e estável em seu comércio exterior em agosto, com as exportações mantendo uma forte taxa de crescimento de 11,6 por cento com relação ao ano anterior. No período de oito meses, janeiro-agosto, as exportações totais do país voltaram a crescer 0,8 por cento com relação ao ano anterior.

"Ainda enfrentamos dificuldades todos os dias - ainda estamos lutando contra a falta de alguns materiais importantes, já que a situação de pandemia global ainda não melhorou", disse Wan Heng, gerente geral da Wuhan Hengtong Technology Co, ao Global Times na sexta-feira.

"E também estamos nos empenhando para aumentar a taxa de automação de nossa linha de produção e aumentar ainda mais a produção durante os últimos meses, e encorajar nossos fabricantes upstream e downstream [que usam nossa produção ou fornecem para nós] se aproximarem e atenderem a demanda", disse Wan.

*Publicado originalmente em people.cn | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado