Pelo Mundo

'É totalmente injusto': Chicago, onde os ricos vivem 30 anos a mais que os pobres

No branco e rico bairro Streeterville, os habitantes de Chicago tem uma expectativa de vida de 90 anos. No negro Englewood, é apenas 60 - a mais divergente de todas as cidades dos EUA

24/06/2019 15:22

O bairro de Englewood em Chicago. O abismo entre as duas comunidades que dividem uma cidade, um prefeito, uma força policial e um sistema escolar é igualmente aparente entre os números (Christian Science Monitor/Getty Images)

Créditos da foto: O bairro de Englewood em Chicago. O abismo entre as duas comunidades que dividem uma cidade, um prefeito, uma força policial e um sistema escolar é igualmente aparente entre os números (Christian Science Monitor/Getty Images)

 

Caminhando pela Rua 69 em Englewood, Chicago,  perto de onde ela cresceu, Michelle Rashad faz um gesto para uma loja abandonada, em frente a um grande terreno aberto.

"Nesta loja, há um irmão muçulmano que vende algumas frutas e legumes alguns dias", diz a jovem de 27 anos. “Mas essa pode ser a única fruta que você pode comprar aqui por perto. A maioria das coisas tem sido assim desde que eu era criança. Pelo menos desde que me lembro."

As lojas daqui - as poucas que não foram abandonadas ou queimadas - vendem principalmente produtos embalados por trás de grossas placas de vidros à prova de bala. Mesmo na lanchonete Subway, a poucas quadras de distância, a opção saudável da região, os clientes têm de gritar seus pedidos para superar uma abafada caixa à prova de balas em volta da comida e do caixa.

Em uma movimentada tarde de terça-feira em Streeterville, entretanto, é difícil acreditar que essas ruas de Englewood estão a apenas 13 quilômetros de distância. Em um espaço aberto entre o Ritz-Carlton e o hospital infantil Lurie, vendedores vendem tomates frescos, pepinos e abóboras em abundância. Há crepes artesanais e bolos frescos. Há uma pequena bandeja de tofu artesanal.

O abismo entre as duas comunidades que dividem uma cidade, um prefeito, uma força policial e um sistema escolar é igualmente aparente entre os números. Uma recente análise  do City Health Dashboard , publicado pelo Departamento de Saúde da População da Universidade de Nova York (NYU), descobriu que os dois bairros têm a expectativa de vida mais divergente de qualquer um nos EUA que compartilhe os limites de uma cidade.

No predominante bairro branco, Streeterville, os habitantes de Chicago tem uma expectativa de vida de 90 anos. Em Englewood, onde a população é praticamente toda negra, a expectativa de vida é de apenas 60 anos.

"Há um conceito que está sendo cada vez mais compreendido, que seu código postal tem tanto a ver com sua saúde quanto seu código genético", disse o dr. Marc Gourevitch, presidente do departamento da NYU e principal arquiteto do painel de estudos de saúde.

“Outra maneira de ver isso é que seu código postal não deve determinar se você estará vivo para conhecer seus netos. E em algum nível, é assim que eu sinto e vejo quanto a esses tipos de dados. É chocante!

De volta à rua 69, Rashad refletiu sobre essa disparidade de 30 anos.

"Essa é a diferença de toda uma geração", diz ela, incrédula em sua voz. “Mas não vou aceitar isso. Englewood não vai aceitar isso."

Englewood há muito tempo tem a reputação de ser um dos bairros mais violentos de Chicago (Christian Science Monitor/Getty Images)

'Situações traumáticas'

Streeterville é quase uma caricatura de saúde física e econômica. O bairro na beira do lago, uma área simples de 14 quadras de norte a sul, abriga um campus da Northwestern University e três hospitais. Em um dia de final de primavera, os adolescentes jogam futebol e vôlei enquanto corredores correm em zigue-zague com seus cães amarrados na coleira. Em uma pista longa na frente de um par de arranha-céus, Kate Gardner corre. Ela não pode apresentar uma reclamação sobre a vida em Streeterville, exceto algumas semanas de clima frio fora de época.

“Eu sei que temos sorte de estar aqui e que outras pessoas na cidade não possuem os mesmos benefícios. É totalmente injusto ”, diz ela.

Os diferentes resultados de saúde são multifacetados e correlacionados a quase todos os fatores socioeconômicos. A renda média em Streeterville é quase US $ 100.000 por ano, de acordo com o censo dos EUA. Em Englewood, bem no centro do Southside de Chicago, é um quarto disso. Mais de 80% dos moradores de Streeterville têm diploma universitário, comparado a 8,2% em Englewood.

Depois há a violência e o trauma que isso traz. Andando pela rua 69, Rashad para e aponta.

"É aí que, no primeiro ano, minha amiga de 14 anos foi morta", diz ela. “Uma bala perdida atravessou a janela enquanto ela se preparava para a escola. E eu tenho que passar por esse quarteirão.

Constantemente temos de enfrentar essas situações traumáticas. Você pode literalmente olhar para a calçada onde uma vez você viu sangue ou pessoas sangrarem até a morte, e você tem que ir para a escola, você tem que ir trabalhar. ”

Englewood há muito tempo tem uma reputação de ser um dos bairros mais violentos de  Chicago. De acordo com o Chicago Tribune , entre 2000 e 2017 houve mais de 4.800 tiroteios aqui.

Erin Vogel, diretora co-executiva da I Grow Chicago, uma organização sem fins lucrativos da comunidade de Englewood, diz que 100% das crianças com quem o grupo trabalha perderam alguém vítima da violência armada e ouviram tiros enquanto estavam em casa.

"93% deles literalmente viram um tiroteio com seus próprios olhos", diz ela. “Há um rapaz com quem trabalho, que acabou de completar 15 anos e, em seu 13º ano de vida, cinco de seus amigos foram assassinados. Ele viu dois deles.

A violência, naturalmente, reduz a expectativa de vida e os indicadores de saúde. Mas as desigualdades na saúde também impulsionam a violência. Como o envenenamento por chumbo. Durante décadas, a Englewood teve uma das maiores taxas de contaminação residencial de chumbo no país. A pesquisa mostrou que o envenenamento por chumbo em crianças está associado a dramáticos picos de impulsividade e agressividade.

“Danos cerebrais irreversíveis apenas por causa de onde você mora e você é muito pobre para ir a outro lugar? Não é justo. Você está enganando as crianças ”, disse Rashad, agora diretor executivo da Imagine Englewood If, um grupo comunitário fundado majoritariamente para chamar a atenção para a crise.

Entretanto, nem sempre foi assim.

"Era como Mecca!" exclama a antiga moradora Djanie Edwards, percorrendo uma lista de âncoras comunitárias desaparecidas, como a loja Sears e o antigo teatro Empress. Todos que se lembram da comunidade antes da decadência dos anos 80 e 90 apontam para o abandono como talvez a maior mudança.

“Não havia todos esses lotes abertos em todos os lugares, eram casas”, diz Edwards, na sede da Associação de Residentes de Greater Englewood (Rage), o único edifício ocupado em seu quarteirão. Em sete lotes, apenas duas estruturas estão de pé.

Edwards se lembra de um tempo antes de os empregos locais começarem a mudar para o exterior, como a padaria Nabisco  , onde o pai de Rashad trabalhou a maior parte de sua vida. O desemprego abriu as portas para as drogas, as drogas fomentaram um ambiente de violência, a comunidade ficou com problemas de saúde e disfunção.

"Quando a cocaína bateu, houve um declínio tão rápido e afetou indivíduos em todo o espectro", disse Rodney Johnson, cuja família chegou à comunidade em 1966. Ele foi um dos muitos que saíram na década de 1980, mas ele agora voltou, em parte para implantar suas habilidades como pesquisador de saúde pública.

Johnson é membro de uma equipe de “navegadores de saúde da comunidade” que nesta semana começou a conduzir uma pesquisa porta-a-porta. Uma das perguntas mais urgentes que eles estão tentando responder é por que parece haver uma desconexão entre os serviços que estão realmente disponíveis na comunidade e os moradores que não os usam.

“O irônico é que há muitos recursos de saúde disponíveis aqui”, disse Cecile De Mello, da Englewood Rising, um dos grupos comunitários envolvidos na pesquisa. “Queremos saber quais são as barreiras para as pessoas aproveitarem as oportunidades de cuidados na comunidade. São questões relacionadas à segurança? São questões relacionadas ao transporte? As pessoas se sentem desamparadas e precisam de motivação para ajudá-las a se cuidar? ”

Adolescentes jogam basquete em Ogden Park, no bairro de Englewood, em Chicago, Illinois (Christian Science Monitor/Getty Images)

Nem tudo está perdido: há pedaços de esperança, como o lote abandonado que Tina Hammond comprou em frente à sua casa por US $ 1, graças a um programa da cidade. Ela e seu marido fizeram isso em um espaço verde com vasos coloridos, murais e espaço para eventos comunitários como ioga gratuito. Nomearam-no a terra de promessa.

"Não deve ser que tenhamos dinheiro ou uma certa renda para conseguir esse tipo de coisa", disse Hammond. “É por isso que eu imagino apenas um espaço bonito, algo para tirar sua mente de toda a miséria que está acontecendo na vida e em todos esses quarteirões. Um lugar para simplesmente ir e sentar, relaxar e tentar se acalmar ”.

Há desenvolvimento econômico também, como trazer opções mais saudáveis para uma comunidade há muito descrita como um "deserto de comida". De Mello encontrou seu caminho no trabalho comunitário depois de estar extremamente envolvida na localização de um mercado Whole Foods em Englewood, com foco em garantir que os produtos fossem econômicos e acessíveis.

A violência também está diminuindo a tendência  , embora as razões ainda sejam muito contestadas.

Mais do que tudo, grupos comunitários como I Grow Chicago estão dando esperança aos moradores. A “casa da paz” deles, do outro lado da rua de uma horta comunitária, é uma mistura frenética de respostas para necessidades não atendidas. Os visitantes podem estar lá para qualquer coisa, desde papel higiênico e pasta de dente a uma sessão de cura de Reiki.

Ora Bradley, que viveu em Englewood a maior parte de sua vida, falou ao Guardian na casa de paz enquanto os mestres do Reiki “borravam” a sala com o palo santo.

"Houve um tempo em que eu queria sair desse bairro desesperadamente", disse Bradley, que viu seu filho Julius ser pego no jogo das drogas, passando um tempo na cadeia.

Ela diz que o campus da I Grow Chicago, que essencialmente assumiu seu quarteirão, não é nada menos do que uma dádiva de Deus. A organização treina membros da comunidade em construção e está reformando casas como espaço comunitário ou moradia acessível.

Bradley diz que ela ainda quer sair, mas por um motivo muito diferente. Ela quer doar sua casa para o I Grow, para torná-lo parte de seu crescente "campus da paz".

"Há um desejo que foi colocado em meu coração para fazer isso por nossos filhos", diz ela, "e eu não posso deixar passar".

*Publicado originalmente no The Guardian | Tradução de Cristiane Manzato

Conteúdo Relacionado