Pelo Mundo

A matança como política na Síria

26/02/2012 00:00

Eduardo Febbro - Correspondente da Carta Maior em Paris

Os herdeiros do terror seguem o rumo de seus mentores. O presidente sírio Bachar Al-Assad é uma cópia de seu pai, Hafez Al-Assad. Pai autocrata e torturador de seu povo, seus traços e os do regime se refletem no filho que o substituiu na liderança do país em junho de 2000. Ambos sufocaram rebeliões internas arrasando cidades inteiras ante o manso olhar da comunidade internacional. Dois nomes distintos e 30 anos separam o horror de Assad pai e do Assad Filho: Hama para Hazfez Al-Assad, Homs para Bachar. Estas duas cidades sírias, quase fronteiriças, viveram sob o jugo das bombas e da intervenção das forças especiais.

Em fevereiro de 1982, o regime de Hafez Al-Assad enfrentou uma revolta armada na cidade de Hama protagonizada pela Irmandade Muçulmana, o grupo religioso que surgiu no Egito nas primeiras décadas do século XX e cuja influência se expandiu por toda a região. Hafez de Hama um exemplo para aqueles que tivessem a intenção de imitar os habitantes de Hama: quebrou a revolta em duas fases: primeiro mandou bombardear a cidade com armas pesadas e logo depois fez entrar as forças especiais para que limpassem, rua por rua e casa por casa, a insurreição popular. Assassinatos de crianças, violação massiva de mulheres, torturas, saques: o balanço daqueles dias “exemplares” deixou um saldo entre 10 mil e 35 mil mortos.

Três décadas depois, o descendente de Hafez Al-Assad repete a experiência em Homs: bombardeios com artilharia pesada, uso de unidades especiais, morte e destruição, especialmente no bairro de Baba Amro, onde vivem mais de 30 mil pessoas de confissão sunita hoje totalmente cercadas pelos tanques de Bachar Al-Assad. O ditador sírio sequer concedeu ao Comitê Internacional da Cruz Vermelha a possibilidade de evacuar os feridos. A revolta síria segue o movimento que iniciou no início do ano passado às margens do Mediterrâneo com as explosões populares que derrubaram dinossáuricos poderes na Tunísia, Egito e Líbia. Bachar não quer “primavera árabe” em suas terras.

Ele pode fazer isso graças ao poderoso regime policial no qual se apóia, à inoperância das Nações Unidas, à tibieza da Liga Árabe, à hipocrisia da comunidade internacional e ao apoio explícito da Rússia e da China. Estas duas potências membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas se opõem a qualquer resolução que condene a Síria ou conduza a um apoio a oposição síria (muito dividida) agrupada no Conselho Nacional Sírio. Pequim e Moscou desbarataram o plano de intervenção da Liga Árabe enquanto que a grande maioria dos dirigentes ocidentais parece ter perdido a língua e as boas intenções.

Onde estão agora os salvadores do mundo? O que houve com as vozes de Nicolas Sarkozy, Angela Merkel, o herói das decepções estropiadas, o primeiro ministro britânico e tantos outros que, no ano passado, não duvidaram em usar os aviões e canhões da OTAN para atacar a Líbia e derrubar o coronel Kadafi? Agora que, semana após semana, o regime sírio de Bachar Al-Assad assassina seu povo a portas fechadas em que se converteram todas aquelas ilustres palavras que justificaram que a Líbia recebesse um tapete de bombas.

A pergunta é extensiva aos progressistas do mundo: onde estão as forças de esquerda que se escandalizaram com os bombardeios da OTAN na Líbia e agora parecem emudecidas, como se a moral e os valores valessem em um território e não no outro. A União europeia se limitou a impor um ridículo embargo de armas. Washington, por sua vez, dá a impressão de flutuar em um mar de ignorância e indecisões. No entanto, ninguém pode ignorar o que ocorre: a internet, as redes sociais e os telefones celulares oferecem a cada dia um apavorante desfile de imagens e testemunhos sobre a metodologia da família Assad: governar com o terror e a matança.

A reunião realizada na Tunísia com os “Amigos da Síria”, com a meta de elaborar um marco de ação para conter o regime sírio e pactuar uma transição apenas desenhou um plano para criar hipotéticos corredores humanitários. “Haverá forças opositoras cada vez com mais capacidade”, disse na Tunísia a Secretária de Estado norteamericana Hilary Clinton. A responsável estadunidense esboça assim uma provável entrega de armas à oposição ao regime de Bachar Al-Assad. Mas Moscou e Pequeim se negam a contemplar qualquer ação militar ou fornecimento de armas e se opõem a aprovar qualquer plano de transição que inclua a saída do presidente Bachar Al-Assad.

Para completar a tragédia, ao ONU nomeou o ex-secretário geral das Nações Unidas e prêmio Nobel da Paz em 2011, Kofi Anan, para negociar o fim da violência na Síria e a promoção de uma “solução pacífica” para a crise interna. O ex-secretário geral da ONU tem um passado tão prestigioso quanto maculado por um dos maiores escândalos internacionais que atingiram a ONU: sob seu mandato, a ONU organizou no Iraque o famoso programa “Petróleo por alimentos”. Trata-se de uma trama mafiosa e corrupta na qual estão envolvidos Estados, corporações, ministros ocidentais, bancos, altos funcionários da ONU e até o próprio filho de Anan, Kojo, ligado a uma empresa suíça que fornecia serviços dentro deste plano.

Esse é o mediador da comunidade internacional. O regime sírio mata e se diverte brincando de democracia. Ao mesmo tempo em que promove matanças em Homs, Damasco entrou em um processo de reformas internas cujo eixo é o referendo constitucional de 26 de fevereiro e as eleições legislativas que o seguirão. Mas desde a ditadura do partido Baas instaurada em 1963, a Síria não conheceu nenhuma eleição democrática propriamente dita. A República da Síria está governada pelo partido Baas – que chegou ao poder com um golpe de Estado – cujos responsáveis pertencem quase todos à minoria alauita. Em 2000, Bachar Al-Assad introduziu reformas no sistema político. Levantou a proibição que pesavam sobre alguns partidos e aproveitou a decadência do partido Baas para dar espaço à Frente Nacional Progressista (FNP), onde estão agrupados vários partidos entre os quais figuram alguns que estavam proibidos sob o mandato do pai de Bachar.

Mas a democracia é uma ficção: a grande maioria das decisões é tomada no interior do circulo constituído pelo exército e pelo partido Baas. Em 2000, o Ocidente apostou em Bachar Al-Assad. Viu nele um homem jovem, formado em Londres, um reformista pan-árabe carregado de valores democráticos que ia modernizar um país sufocado pela polícia secreta e pela repressão. A política de matança como princípio orientador demonstra que nada mudou, que a herança paterna persiste e se desenrola com tanta mais impunidade na medida em que as novas cartas da geopolítica mundial mudaram o peso dos atores tradicionais: Pequim e Moscou ditam hoje os destinos da Síria. A história, entretanto, agregou mais um nome à extensa lista de cidades mártires que constituem a memória do horror do poder contra os povos: Homs.


Conteúdo Relacionado