Pelo Mundo

A verdadeira razão para Trump reabrir a economia

 

13/05/2020 14:20

(Jabin Botsford/The Washington Post/Getty Images)

Créditos da foto: (Jabin Botsford/The Washington Post/Getty Images)

 
Donald Trump está ficando nervoso. Pesquisas internas mostram que ele perde em novembro, a menos que a economia volte a crescer.

Então, qual é a estratégia de reeleição de Trump? Ignore as advertências de especialistas em saúde pública e reabra a economia a todo custo.

 Aqui está seu plano letal de quatro partes:

Etapa 1: remova o apoio à renda, para que as pessoas não tenham escolha a não ser voltar ao trabalho.

O Departamento do Trabalho de Trump decidiu que os funcionários em licença sem remuneração "tem que aceitar" a oferta do seu empregador para voltar ao trabalho e, portanto, perder os benefícios do seguro desemprego, independentemente do risco de retornar ao trabalho antes que seja seguro.

Forçar as pessoas a escolher entre contrair um vírus potencialmente mortal ou perder seu sustento é desumano. Também é absurdo. Nossa saúde coletiva nessa pandemia depende do maior número possível de trabalhadores em casa.

Etapa 2: oculte os fatos.

Ninguém sabe quantos americanos estão infectados porque o governo Trump continua se arrastando nos testes. Em 5 de maio, apenas 7,5 milhões de testes foram concluídos em uma população de mais de 330 milhões de americanos.

É isso que Jared Kushner quis dizer com "uma grande história de sucesso?"

A Flórida, um dos últimos estados a ordenar que as pessoas ficassem em casa e um dos primeiros a reabrir, parou de divulgar as estatísticas dos médicos legistas sobre o número de vítimas de coronavírus porque os números são maiores que a contagem oficial do estado.

Mas é impossível combater o vírus sem dados adequados. Anthony Fauci, o principal especialista em doenças infecciosas do governo, alerta que a reabertura, sem uma grande aceleração nos testes, representa "um risco realmente significativo".

Não é de surpreender que a Casa Branca tenha impedido Fauci de testemunhar perante a Câmara.

Trump demitiu a Inspetor Geral de Saúde e Serviços Humanos Christi Grimm depois que ela divulgou um relatório detalhando a escassez generalizada de testes e EPIs em hospitais de todo o país. Seu substituto escolhido a dedo agora tratará de uma denúncia apresentada pelo Dr. Rick Bright, diretor destituído do escritório envolvido no desenvolvimento de uma vacina contra o coronavírus.

A denúncia do Dr. Bright alega que o governo ignorou repetidamente seus avisos sobre escassez crítica de suprimentos e o removeu de sua posição porque se recusou a adotar tratamentos cientificamente não comprovados para o vírus.

Etapa 3: forneça uma narrativa falsa sobre "liberdade" e "libertação".

Semanas atrás, Trump incentivou os cidadãos a "LIBERAR" estados como Michigan, cuja governadora democrata, Gretchen Whitmer, impôs regras estritas de ficar em casa.

Michigan tem o terceiro maior número de mortes por Covid-19 nos Estados Unidos, embora seja o décimo em população. Quando Whitmer estendeu as regras de confinamento [lockdown] até 28 de maio, manifestantes armados invadiram a assembleia dos deputados do estado gritando "Prendam-na!" [“lock her up”, em referência à governadora]

Em vez de condenar o comportamento deles, Trump sugeriu que Whitmer "fizesse um acordo" com eles.

Enquanto isso, o procurador-geral William Barr instruiu o Departamento de Justiça a tomar medidas legais contra quaisquer autoridades estaduais ou locais que imponham medidas de bloqueio que "possam violar os direitos constitucionais e liberdades civis de cada cidadão".

Relacionar isso com "liberdade" é um absurdo.

Liberdade não significa que você tem o direito de pôr em risco a vida dos outros através de sua própria irresponsabilidade e ignorância.

A liberdade não é forçar as pessoas a voltarem ao trabalho em ambientes inseguros para aumentar as carteiras de ações dos bilionários.

A liberdade não tem sentido para as pessoas que não têm escolha, a não ser aceitar um emprego que coloca sua vida em risco.

Etapa 4: proteja as empresas contra ações judiciais por disseminar a infecção.

Trump está pressionando para dar às empresas que reabrem um "escudo antirresponsabilização", para protegê-las de ações legais de trabalhadores ou clientes infectados pelo vírus.

Ele diz que usará a Lei de Defesa da Produção para forçar as fábricas de processamento de carne a permanecerem abertas, apesar das altas taxas de infecções por Covid-19 e mortes entre frigoríficos. "Isso resolverá qualquer problema de responsabilização", disse Trump.

Mitch McConnell [presidente do Senado e aliado de Trump] insiste em que a próxima lei de incentivo inclua imunidade legal para empresas que causam a infecção de trabalhadores ou consumidores.

"Temos uma linha vermelha de responsabilização", diz McConnell. "Não vai passar no Senado sem ela."

Mas como a economia pode reabrir com segurança se as empresas não têm incentivo para manter as pessoas seguras? Não pode, e não vai rebrir.

O que me leva ao meu ponto final:

Aqui está a verdade: o maior obstáculo à reabertura da economia é a própria pandemia.

Qualquer precipitação para reabrir sem testes e rastreamento adequados - um aumento enorme em relação ao número que estamos fazendo agora - causará ainda mais mortes e uma crise econômica mais longa.

A primeira responsabilidade de um presidente é manter o público seguro. Mas Donald Trump não liga a mínima.

Ele está tentando forçar a economia a reabrir para aumentar suas chances eleitorais e está vendendo a saúde dos americanos para selar o acordo. Não importa o custo, a principal preocupação de Donald Trump é e sempre será ele mesmo.

*Publicado originalmente no site do autor | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado