Pelo Mundo

Al Qaeda jura vingar a morte do seu líder

07/05/2011 00:00

David Usborne - The Independent - Página/12

A Al Qaeda confirmou a morte de Osama bin Laden na sexta-feira, anunciando que se vingaria dos Estados Unidos e de seus aliados e que levariam adiante sua campanha de terror. Um texto, publicado na internet, com data de 3 de maio, da “liderança geral” do grupo, dizia que o “sangue do nosso combatente sagrado e santo xeque Osama bin Laden, Alá o bendiga, é precioso para nós e para todos os muçulmanos e não terá sido derramado em vão”. E acrescenta: “Seguiremos sendo, se Alá o Todo poderoso assim o quiser, uma maldição a perseguir os estadunidenses e seus agentes, seguindo-os dentro e fora de seus países”.

A confirmação da morte de Bin Laden parece prenunciar a indicação de um sucessor para a liderança da organização. O seu número dois, o egípcio Ayman al Zawahari, é mencionado como provável candidato. A difusão do comunicado coincidiu com protestos contra os Estados Unidos no Paquistão, país onde morreu Bin Laden, e em outras nações de maioria muçulmana, entre elas uma que reuniu cerca de mil pessoas na cidade onde foi abatido o líder da Al Qaeda.

Além de servir como uma advertência a Washington, a declaração foi dirigida também para conclamar os seguidores da Al Qaeda a levantarem-se, sobretudo no Paquistão, onde Bin Laden foi encontrado e morto. Ironicamente, porém, isso pode ser vantajoso para os EUA, já que o exime da necessidade de publicar as fotos do líder terrorista morto para calar as teorias da conspiração que afirmam que ele ainda está vivo.

Enquanto a morte do responsável pelo 11 de setembro e outras atrocidades continuava repercutindo ao redor do mundo, os funcionários dos EUA disseram que uma primeira análise dos dados de inteligência apreendidos na casa onde estava Bin Laden demonstram que, longe de ser somente uma figura decorativa da Al Qaeda, ele estava envolvido pessoalmente em tramar novos planos contra os EUA, incluindo um para atacar trens, possivelmente no 10° aniversário do ataque das Torres Gêmeas em setembro.

Também na sexta-feira surgiram novos detalhes sobre a vigilância do complexo Abbottabad desde que foi identificado pela primeira vez como um possível refúgio da Al Qaeda, em agosto passado. Os funcionários dos EUA revelaram que agentes e informantes da CIA inspecionaram a estrutura de três pisos e seus terrenos durante meses, desde uma casa próxima, usando lentes especiais e aparelhos de escuta d elongo alcance. Ao mesmo tempo, a casa estava sob vigilância de satélite.

Mesmo quando o presidente Barack Obama deu a ordem há uma semana para enviar os Seals, os funcionários de inteligência dos EUA não estavam absolutamente seguros de que Osama bin Laden encontrava-se dentro da residência. Durante meses, a CIA havia visto um homem alto que, durante vinte minutos ou mais, caminhava dentro do jardim do complexo.

Equipes de especialistas investigarão durante meses os dados recolhidos no complexo, traduzindo do árabe para o inglês e tratando, antes de mais nada, de identificar qualquer evidência de ataques pendentes contra os EUA. Os funcionários disseram que a possibilidade de um ataque a um trem era uma das primeiras descobertas, ainda que não acreditem que tenha sido alguma vez aprovado por Bin Laden ou sequer planejado.

A indicação de que Bin Laden seguia envolvido em potenciais complôs durante os últimos anos, a partir do interior do complexo, contradiz aqueles que sustentaram que ele havia desaparecido de cena como líder da Al Qaeda. “Não era só uma figura decorativa”, disse ao The New York Times um funcionário estadunidense já informado das primeiras descobertas. “Ele seguia planejando e sugerindo ideias sobre possíveis alvos de atentados aos outros importantes líderes da Al Qaeda”.

Quanto às razões pelas quais Bin Laden escolheu Abbottabad, uma cidade de quartéis do exército paquistanês, duas horas ao norte de Islamabad, para assentar sua base, os funcionários dos EUA supõe que era para escapar dos perigos de ataques dos aviões não tripulados dos EUA que voavam sobre a fronteira das áreas tribais.

Em sua declaração, a Al Qaeda indicou que está se preparando para divulgar uma gravação de Bin Laden feita nos dias anteriores a sua morte. Na vingança que promete contra os estadunidenses, a declaração diz: “Sua felicidade se converterá em dor e seu sangue se mesclará com suas lágrimas”.

Bombas caseiras feitas com canos, carros bomba, um homem armado somente: os funcionários de inteligência ocidentais disseram sexta-feira que estão vendo cada vez mais conversa na internet e por telefone sobre pequenos ataques terroristas em menor escala para vingar a morte do cérebro de 11 de setembro, Osama bin Laden.

Enquanto isso, mais de cem manifestantes se reuniram sexta-feira em frente à embaixada dos EUA em Londres gritando: “EUA, pagarão” e advertindo sobre os ataques vingadores. Os funcionários de segurança europeus dizem que não há um plano específico que justifique elevar o nível de ameaça. Mas um de seus maiores temores é a possibilidade de um ataque estilo Mumbai, como a matança de 2008 na qual morreram 166 pessoas, paralisando a capital financeira da Índia durante dias.

O clérigo Anjem Choudary, que ajudou a organizar a manifestação em frente à embaixada dos EUA, disse que os ataques vingadores na Inglaterra e no exterior eram prováveis pela importância de Bin Laden para a Al Qaeda.

Tradução: Katarina Peixoto

Conteúdo Relacionado