Pelo Mundo

Após 2 meses de inquietação, a Nicarágua está numa encruzilhada fatídica

Se não houver paz negociada, com o retorno à ordem, o conflito pode sair do controle, trazendo a violência crônica e a insegurança dos vizinhos do norte do país

26/07/2018 20:07

 

por John Perry

Traduzido do The Nation*

Em um videoclipe, um menino está em uma barricada improvisada numa estrada. Ele segura uma arma de brinquedo na cabeça do amigo. Fora da câmera, um adulto pergunta: “O que você vai fazer?”. “Vamos matá-lo e deixá-lo nu”, responde o menino. Os adultos riem. Esta cena da Nicarágua, filmada em uma das centenas de cidades paralisadas por protestos de rua, sintetiza a violência que se instalou desde 18 de abril. Antes disso, orgulhosamente, a mídia local citava os números mostrando que a Nicarágua tinha se tornado o país mais seguro da América Central. Mas os dois meses desde então têm visto mais de 170 mortes violentas, milhares de feridos e dezenas de edifícios públicos incendiados ou saqueados.

Como isso começou? A Nicarágua tem uma história de violência: as lutas revolucionárias dos anos 1970 contra a repressiva ditadura de Somoza, seguidas pela guerra contrarrevolucionária financiada pelos Estados Unidos contra o revolucionário governo sandinista nos anos 1980 (o papel dos Estados Unidos naquela guerra foi condenado pela Corte Mundial, em 1986, por violação do direito internacional). A derrota eleitoral para os sandinistas em 1990 trouxe a paz, mas à custa de 16 anos de governo corrupto e neoliberal, que desfez muitos dos ganhos da revolução. A vitória eleitoral de Daniel Ortega em 2006 levou a uma década de investimento social renovado. A pobreza caiu quase pela metade entre 2005 e 2016, de 48% para 25%, de acordo com dados do Banco Mundial. A Nicarágua recebeu elogios por sua baixa taxa de criminalidade, violência limitada relacionada às drogas e policiamento comunitário. O setor privado também não podia reclamar: o PIB per capita da Nicarágua aumentou 38% – mais do que qualquer um de seus vizinhos.

Os oponentes do governo defendem uma versão diferente da história: Ortega assumiu o controle total do partido Sandinista (o FSLN), mudou as regras para concorrer à reeleição, ganhou o apoio da Igreja Católica com leis antiaborto rigorosas e confiou muitos de seus programas anti-pobreza no dinheiro da Venezuela. Um grupo dissidente de sandinistas que tinha formado um novo partido, o Movimento de Renovação Sandinista (MRS), começou a rotular Ortega como um novo ditador e a acusá-lo de repressão. Mas eles nunca conseguiram muita força política, se inclinaram à direita para formar alianças com partidos de oposição de longa data, e, ainda assim, conquistaram apenas um punhado de votos em eleições nacionais e locais.

Em abril, no entanto, o governo, de repente, pareceu perder o apoio de muitos jovens, especialmente estudantes. Primeiro, havia um ressentimento popular contra o que foi visto como resposta lenta a um grande incêndio em uma das florestas tropicais da Nicarágua (embora, como os californianos sabem, mesmo os governos com bons recursos sofrem para acabar com os incêndios florestais). Depois, o governo anunciou mudança nas regras da previdência social. Lutando para enfrentar os custos crescentes das aposentadorias, recusou a demanda dos empregadores para que suas contribuições fossem reduzidas e, em vez disso, propôs aumentá-las, subindo um pouco as contribuições dos empregados e cortando as aposentadorias em 5% (embora compensado por direitos maiores em saúde).

Isso teve três consequências extraordinárias. Primeiro, em vez de pessoas mais velhas, foram os estudantes que lideraram os protestos mais violentos contra as mudanças. Em segundo lugar, numa resposta sem precedentes, em 19 de abril, a polícia usou munição real para controlar os distúrbios, nos quais pelo menos três foram mortos, incluindo um policial, e dezenas ficaram feridos. Em terceiro lugar, este evento provou ser um catalisador para protestos em todo o país, nos quais as reformas da previdência social foram logo esquecidas (tendo sido rapidamente retiradas pelo governo). A chamada agora era para “o ditador” renunciar. Barricadas surgiram em várias grandes cidades e muitas municipalidades, incluindo Masaya, cujo coração tradicional, Monimbó, historicamente uma fortaleza sandinista, produziu o mais forte sentimento antigoverno. Em 24 de abril, o número de mortos chegou a pelo menos 25, incluindo um jornalista e um segundo policial.

Foram as mortes estudantis que definiram a narrativa consensual sustentada na mídia local e internacional durante as semanas subsequentes: que o governo está reprimindo “protestos pacíficos” ou mesmo (da Anistia Internacional) que as autoridades nicaraguenses “se voltaram contra seu próprio povo”. Um corolário para isso é que toda a violência é culpa do governo, seja ela realizada abertamente ou por meio de grupos clandestinos. A imprensa internacional adotou fielmente essa interpretação dos eventos, mesmo quando o The New York Times e o The Guardian enviaram repórteres para o próprio Monimbó (o Times citou um padeiro em Masaya dizendo: “Daniel acabou. Seu mandato termina aqui”, sem mencionar que o homem era um beneficiário de assistência governamental para pequenos negócios). A realidade é que a natureza da violência mudou rapidamente, e observadores objetivos acham difícil interpretar eventos com a certeza que a maioria da mídia exibe.

Como essa mudança aconteceu? Houve duas fases. Na primeira, as barricadas removidas foram reerguidas, bloqueando novamente as ruas, com Masaya novamente sendo a mais afetada. Os manifestantes “pacíficos” armavam-se com morteiros caseiros, repelindo tentativas da polícia ou dos apoiadores sandinistas de recuperar o controle. Marchas rivais aconteceram, em muitos casos sem problemas, mas amigos meus participaram de uma marcha da “paz” que foi saudada por granizo de pedras e fogo de morteiros. Uma onda de destruição começou, concentrando-se primeiro nos escritórios sandinistas, depois passando para os prédios públicos, incluindo prefeituras e, em alguns casos, escolas e centros de saúde. Casas de alguns apoiadores sandinistas em Masaya foram saqueadas ou incendiadas. De acordo com os vizinhos que testemunharam, ao lado de manifestantes genuínos havia jovens desempregados que recebiam entre US$ 10 e US$ 15 por noite, alguns eram trazidos de caminhão, defendiam as barricadas, atacavam a polícia e saqueavam as lojas.

A segunda fase dos protestos começou na segunda quinzena de maio. Primeiro, um “diálogo nacional” para resolver a crise, aberto em 16 de maio, liderado pela Igreja Católica e com a presença de Ortega. Um dos representantes dos estudantes, Lesther Alemán, disse que não era um diálogo, mas uma negociação sobre a partida do presidente. As negociações fracassaram cinco dias depois, quando o governo insistiu que a oposição removesse as barricadas; em vez disso, elas foram fortalecidas. Então, no dia 30 de maio, Dia das Mães na Nicarágua, duas grandes manifestações realizadas na capital atraíram mais violência. Um ônibus transportando partidários sandinistas foi alvejado, causando uma morte e 27 feridos; e franco-atiradores atacaram os partidários da oposição que deixavam a manifestação, matando sete e ferindo mais de 90, incluindo 20 policiais. A culpa pelo segundo ataque foi inevitavelmente colocada na polícia.

Os protestos aumentaram imediatamente até o ponto em que o país ficou paralisado por barricadas. Algumas vilas e cidades – a maior delas sendo Masaya – tornaram-se áreas proibidas para a polícia ou oficiais do governo, com várias pessoas sendo mortas, sequestradas e torturadas. Em meados de junho, o número de mortos chegou a mais de 170, incluindo nove policiais.

Como interpretamos esses eventos? O que eu chamei de “narrativa de consenso” é certamente a maneira pela qual eles são vistos por talvez um terço da população, incluindo ex-sandinistas. Existe uma opinião contrária: que a repressão governamental é uma ficção, e que desde o início a violência foi orquestrada pelos oponentes do governo para criar as condições para um golpe suave. Como vimos, a grande mídia aceitou a primeira interpretação infalivelmente, não dando credibilidade à segunda ou omitindo sua menção.

Parece claro que a repressão da manifestação estudantil inicial foi um grave erro de julgamento da polícia. Mas há evidências crescentes de que os eventos subsequentes foram manipulados de forma a ampliar o descontentamento. Por exemplo, de acordo com uma testemunha ocular confiável, antes do saqueamento de um supermercado em Manágua, os que estavam fazendo aquilo receberam t-shirts Sandinistas. A queima de edifícios é rotineiramente atribuída a sandinistas, mesmo quando são casas de membros do partido que são destruídas, ou em ruas da cidade sob o controle da oposição. A polícia de Manágua prendeu um criminoso conhecido, apelidado de “A Víbora”, que confessou ter tramado com os manifestantes para realizar ataques armados em lojas e escritórios da FSLN. Até mesmo as provas contra a polícia pelo tiroteio na marcha da oposição no Dia das Mães foram questionadas, em uma carta aberta à Anistia Internacional, por um antigo preso político. O fato de que pistoleiros estão trabalhando com a oposição foi confirmado pela tentativa de assassinato de Leonel Morales, um líder estudantil que criticou fortemente os manifestantes. Em 12 de junho, ele foi sequestrado, baleado e deixado para morrer em uma vala, um incidente então atribuído a roubo, a princípio ignorado pela mídia de direita.

A oposição está unida em querer o fim da presidência de Ortega. Alimentou-se de queixas populares, inclusive dentro da base sandinista, de que Ortega sufocou o debate dentro do partido e, em vez de encorajar uma nova geração de líderes, centralizou o poder em si mesmo e em sua esposa. Mas a oposição também está dividida em tempo, táticas e objetivos políticos mais amplos. Alguns oponentes do governo aceitaram abertamente o financiamento dos Estados Unidos. Por exemplo, entre 2014 e 2017, o National Endowment for Democracy concedeu 54 subsídios, totalizando US$ 4,1 milhões para ONGs ligadas à oposição. Um artigo de maio na revista online Global Americans sobre o financiamento do NED, “Estabelecendo as bases para a mudança”, disse que “agora é evidente que o governo dos Estados Unidos ajudou ativamente a construir o espaço político e a capacidade na sociedade nicaraguense para a insurreição social que está em andamento”. Parte da oposição, a MRS, mantém relações de longa data com os direitistas republicanos nos Estados Unidos; ela e outras organizações já haviam viajado a Washington para pedir sanções econômicas dos Estados Unidos contra a Nicarágua. Uma delegação de oposição mais ampla esteve em Washington este mês para pressionar o governo dos Estados Unidos e a Organização dos Estados Americanos. Foi financiado pela Freedom House e recebido por republicanos como Marco Rubio, Ted Cruz e Ileana Ros-Lehtinen.

Outros opositores do governo se declaram esquerdistas genuínos que querem restaurar a trajetória revolucionária da Nicarágua. Por exemplo, Harley Morales, um líder esquerdista da oposição, usou uma longa entrevista para criticar seus colegas que viajaram a Washington pela“terrível” decisão de participar de reuniões que “deram a eles má fama”.

Morales sinalizou uma fraqueza de oposição mais sinistra, que eles “perderam contato” com aqueles nas barricadas. Embora descritas como um elemento-chave do protesto pacífico, as barricadas se tornaram uma maneira de reforçar a agenda da oposição, muitas vezes violentamente. Os morteiros caseiros são suficientemente letais, mas armas mais sofisticadas foram introduzidas, levando a preocupações de que não apenas os delinquentes locais, mas os sindicatos do crime organizado possam estar envolvidos. Até agora, a Nicarágua resistiu à incursão da violência relacionada às drogas que assola as vizinhas Honduras e El Salvador, mas há preocupações genuínas de que as quadrilhas de traficantes, comumente conhecidas como “maras”, estejam prontas para preencher qualquer vácuo político.

O que acontece depois? Enquanto eu escrevia isso, três novos desenvolvimentos ocorreram e parecem sinalizar as opções que a Nicarágua enfrenta. O mais recente é que a polícia entrou em Masaya com vigor, recuperando o acesso à delegacia de polícia sitiada e removendo as barricadas que selam a cidade da capital. Houve até seis mortes (o número ainda não foi confirmado) e muitas prisões, já que a polícia removeu numerosas barricadas e os que as defendiam com vários tipos de armas. Ações semelhantes derrubaram barricadas em Manágua e Estelí. O New York Times classificou a entrada da polícia em Masaya como “uma campanha de terror”, mas partes da cidade retornaram à vida cotidiana normal como resultado. Monimbó está se mostrando mais resistente, e os líderes da igreja têm buscado uma trégua entre a polícia e os combatentes da oposição.

O segundo desenvolvimento é que, após um atraso causado pelo tiroteio no Dia das Mães, o diálogo nacional recomeçou, fez progressos limitados, mas depois parou de novo à espera do envolvimento de organismos internacionais cuja presença a oposição exige. Até agora, o lado da oposição ainda se recusa a falar sobre qualquer outra coisa além da violência liderada pelo governo, mas suas divisões se tornarão mais pronunciadas quando o diálogo for retomado e elas forem forçadas a se engajar na busca de soluções.

O mais chocante dos eventos recentes pareceu coincidir e desacreditar o diálogo. Em 16 de junho, uma casa de família em Manágua foi incendiada por capangas, matando a maioria dos ocupantes, incluindo duas crianças. O governo foi rapidamente responsabilizado, porque supostamente o fogo estava em represália pela recusa do proprietário em permitir que franco-atiradores operassem de seu telhado. As negações do governo pareciam plausíveis, pois o bairro em questão tem numerosas barricadas controladas pela oposição. Por outro lado, um membro da família sobrevivente faz o backup da versão da oposição. A verdade é difícil de determinar, e se surgir uma prova, é improvável que se desfaça dos vereditos da mídia sobre quem foram os verdadeiros culpados.

Então a Nicarágua enfrenta uma escolha. Um caminho é simplesmente fazer o que os governos costumam fazer: aguentar um pouco o protesto, mas intervir se ele deixar de ser “pacífico” e restaurar a ordem pela força. Muitos outros países que enfrentam uma escolha semelhante podem ter agido ainda mais cedo. Um segundo caminho é uma paz negociada, na qual as diferenças são minuciosamente reconciliadas, com um acordo que traz reformas políticas e um retorno à ordem pública. Claro, esses caminhos podem ser combinados. A terceira, no entanto, é muito mais perigosa: uma volta ao governo da máfia que poderia facilmente ficar fora de controle, para que a Nicarágua se torne aberta a um governo verdadeiramente autoritário e a vida se torne muito menos segura do que era antes de 18 de abril. Nicaraguenses tem um vago conhecimento da violência e insegurança experimentada em El Salvador e Honduras, seus vizinhos imediatos ao norte. Eles podem logo vir a descobrir com que facilidade isso poderia cruzar a fronteira.

Tradução por Solange Reis, OPEU

*Artigo originalmente publicado em 22/06/2018, em https://www.thenation.com/article/two-months-unrest-nicaragua-fateful-crossroad/

Conteúdo Relacionado