Pelo Mundo

Brutalidade policial espalha protesto a várias cidades dos EUA

O envio de tropas federais para reprimir brutalmente os protestos em Portland aumentou o apoio popular ao movimento anti-racista e contra a violência policial, com várias cidades a juntarem-se aos protestos

30/07/2020 14:59

Protestos #BlackLivesMatter em Seattle, EUA (Kelly Kline/Creative Commons)

Créditos da foto: Protestos #BlackLivesMatter em Seattle, EUA (Kelly Kline/Creative Commons)

 
:: Leia também :: Especial 'De Maio de 1968 a Maio de 2020'

Os protestos pacíficos, despoletados pela morte de George Floyd, a 25 de maio, continuam a dominar a cidade de Portland, nos Estados Unidos da América, com Donald Trump a incitar à repressão violenta por parte das forças policiais.

Portland é conhecida pela força das organizações de trabalhadores e de políticas progressistas. E é também uma cidade com enorme violência policial sobre as comunidades negras.

A violência e brutalidade que se registou nesta cidade fez com que, nos últimos dias, os protestos se espalhassem mais uma vez por todo o país. Há cinco dias, o próprio mayor de Portland foi gaseado pelas forças policiais, e dezenas de pessoas continuam a ser presas diariamente, não sendo claro o número.

Em Austin, no Texas, um manifestante de 28 anos, Garrett Foster, foi assassinado por um condutor de um carro que passava por um protesto, relata a Associated Press. O suspeito foi libertado pela polícia alegando que Garrett empunhava uma caçadeira. A mãe de Garrett alega que ele empurrava a sua noiva, que utiliza uma cadeira de rodas.

Em Richmond, capital do estado da Virgínia, uma manifestação de milhares de pessoas foi declarada como sendo ilegal, e dispera com recurso a gás lacrimogéneo. Cinco pessoas foram presas e acusadas de reunião ilegal.

Em Seattle, as autoridades foram forçadas a retroceder para a estação da polícia depois de várias horas de protestos com enorme afluência. Também em Atlanta e Baltimore os protestos foram sujeitos a resposta musculada por parte da polícia.

As forças paramilitares operam sem identificação e com equipamento de camuflagem, recorrendo a táticas proibidas às forças policiais pelos tribunais: disparar gás lacrimogéneo e deter pessoas sem respeitar os direitos dos cidadãos, com vários alertas de brutalidade e violência injustificadas. A única reação por parte da Casa Branca foi dizer que Donald Trump “encoraja o uso apropriado de força”.

A exploração da violência é um dos objetivos de Donald Trump que, em campanha eleitoral e com uma gestão desastrosa da crise pandémica, se encontra atrás do seu rival em todas as sondagens.

A polarização em torno das manifestações do Black Lives Matter, que Trump demoniza como “anarquistas”, pretendem criar uma narrativa violenta sobre os manifestantes para obter ganhos eleitorais. O envio de tropas federais para várias cidades, algo de inédito nos EUA, permite escalar os confrontos.

Trump já colocou agentes em Kansas City, Chicago, Albuquerque e New Mexico, contra a vontade dos mayors das próprias cidades que, numa carta conjunta que incluiu Los Angeles, Atlanta e outras onze cidades, acusaram o Presidente dos EUA de abuso de poder uma vez que as tropas federais “estão a ser utilizar exclusivamente por motivos políticos”.

“Enviar unilateralmente forças paramilitares para as nossas cidades é absolutamente inconsistente com o nosso sistema democrático e os nossos valores básicos”, escreveram.

*Publicado originalmente em Esquerda.net



Conteúdo Relacionado