Pelo Mundo

Como os republicanos de Mitch McConnell estão destruindo os EUA

 

06/08/2020 14:41

Mitch McConnel (Reuters)

Créditos da foto: Mitch McConnel (Reuters)

 
As prioridades vergonhosas dos republicanos do Senado estão em plena exibição, à medida que o país continua a enfrentar uma crise econômica e sanitária sem precedentes.

Mitch McConnell e o Governo se recusam a aceitar a Lei HEROES, aprovada pela Câmara no início de maio para ajudar os norte-americanos a sobreviver à pandemia e para fortalecer a próxima eleição.

Os republicanos do Senado não querem estender os 600 dólares extras por semana em benefícios de auxílio ao desemprego, embora o desemprego tenha subido para os níveis mais altos desde a Grande Depressão.

Mesmo antes da pandemia, quase 80% dos norte-americanos viviam de salário em salário. Agora muitos estão desesperados, como revelado pelo alongamento das filas de alimentos e pelo crescimento das inadimplências nos pagamentos de aluguel.

A resposta de McConnell? Ele exorta os legisladores a serem "cautelosos" em ajudar os norte-americanos em dificuldades, alertando que "a quantidade de dívida que estamos somando é uma questão de preocupação genuína".

McConnell parece esquecer o corte de impostos de US$ 1,9 trilhão que ele projetou em dezembro de 2017 para grandes corporações e super-ricos, o que explodiu o problema da dívida.

Isso é apenas o começo dos recursos distribuídos pelo Partido Republicano para corporações e para ricos. Assim que a pandemia começou, McConnell e os republicanos do Senado foram rápidos em dar às megacorporações um cheque em branco de US$ 500 bilhões, enquanto enviavam aos cidadãos apenas um cheque insignificante de US$ 1.200.

O GOVERNO parece acreditar que os ricos trabalharão mais se receberem mais dinheiro, enquanto pessoas de meios modestos trabalham mais se receberem menos. Na realidade, os ricos contribuem mais para as campanhas republicanas quando são resgatados.

É precisamente por isso que os republicanos colocaram na última lei de ajuda de Covid uma doação inesperada de US$ 170 bilhões para Jared Kushner e outros magnatas imobiliários, que alimentam os cofres de campanha do partido. Outros US$ 454 bilhões do pacote foram para apoiar um programa do Federal Reserve que beneficia grandes empresas comprando sua dívida.

E embora o projeto de lei também tenha sido destinado a ajudar pequenas empresas, lobistas ligados a Trump – incluindo doadores atuais e arrecadadores de fundos para sua reeleição – ajudaram seus clientes a arrecadar mais de US$ 10 bilhões da ajuda, enquanto cerca de 90% das pequenas empresas de propriedade de pessoas não brancas e mulheres não receberam nada.

As vergonhosas prioridades do Partido Republicano deixaram inúmeras pequenas empresas sem escolha a não ser fechar. Eles também deixaram 22 milhões de norte-americanos desempregados, e 28 milhões em risco de serem despejados até setembro.

Durante a maior parte desta crise, McConnell chamou o Senado de volta à sessão apenas para confirmar mais juízes de extrema direita de Trump e avançar um projeto de lei de gastos com defesa de US$ 740 bilhões.

Ao longo de tudo isso, McConnell insistiu que sua prioridade é proteger as empresas de processos relacionados à Covid por clientes e funcionários que contraíram o vírus.

O reinado inepto e esmagadoramente corrupto de Trump, McConnell e republicanos do Senado chegará ao fim em janeiro próximo se norte-americanos suficientes votarem em novembro próximo.

Mas será que pessoas suficientes votarão durante uma pandemia? A Lei HEROES fornece US$ 3,6 bilhões para os Estados expandirem o e-mail e a votação antecipada, mas McConnell e seus lacaios do Partido Republicano não estão interessados. Eles estão bem cientes de que mais eleitores aumentam a probabilidade de os republicanos serem expulsos.

Repetidas vezes, eles mostraram que se preocupam apenas com seus doadores ricos e apoiadores corporativos. Se eles tivessem um pingo de preocupação com a nação, sua prioridade seria proteger os norte-americanos das devastações da Covid e a democracia americana das devastações de Trump. Mas sabemos onde estão suas prioridades.

*Publicado originalmente no blog do autor | Tradução de César Locatelli



Conteúdo Relacionado