Pelo Mundo

Coronavírus: Itália fecha todo seu comércio, exceto alimentos e saúde

O primeiro-ministro italiano anunciou na quarta-feira à noite o fechamento de 'lojas, bares, pubs, restaurantes'. 'A entrega em domicílio continuará autorizada', acrescentou Giuseppe Conte

12/03/2020 13:26

Pessoas esperam na estação Termini, em Roma, na terça, 10 de março (Andres Medichini/AP)

Créditos da foto: Pessoas esperam na estação Termini, em Roma, na terça, 10 de março (Andres Medichini/AP)

 
A Itália, o único país inteiramente confinado devido à epidemia de coronavírus, está fortalecendo ainda mais suas já drásticas medidas. O primeiro-ministro Giuseppe Conte anunciou na quarta-feira à noite, 11 de março, que o comércio na Península será fechados, exceto nos setores de alimentos e saúde.

“Estamos fechando lojas, bares, pubs, restaurantes”, disse ele em um discurso formal. “A entrega em domicílio permanecerá autorizada.” “O efeito do esforço será visível dentro de catorze dias”, disse ele. Na segunda-feira à noite, o país decidiu estender todas as restrições de viagem a todo o país até pelo menos 3 de abril.

A Itália, membro do G7, tornou-se o primeiro país a generalizar essas medidas draconianas na tentativa de impedir a propagação da epidemia de Covid-19, que já deixou 827 pessoas mortas e 12.462 casos detectados, segundo um relatório tornado público quarta-feira à noite.

O governo também anunciou um pacote de 25 bilhões de euros. Desse montante, aproximadamente metade será mobilizada para uso emergencial, enquanto a outra metade será usada para possíveis necessidades futuras do país.

Os transportes em desaceleração

O país parece viver sob uma redoma, mas ainda há possibilidades de atravessar as fronteiras. Acompanhada por sua família, Mina, uma indiana de 58 anos, poderá deixar Roma. “Recebemos uma mensagem da nossa empresa. Fomos informados de que encontraram um voo para nós e que podemos voltar, que é o que queremos ", disse ela, aliviada.

Em Termini, a estação central de Roma, a polícia permanece vigilante para garantir que todos respeitem a distância de segurança de pelo menos um metro entre as pessoas. Todos devem explicar o motivo de sua viagem à polícia usando máscaras. No painel da tela, nenhum vestígio de cancelamento. O trem para Veneza, via Florença, leva apenas uma dúzia de passageiros por vagão, mas circula. Os metrôs e outros transportes públicos em Roma e Milão, o centro econômico da Itália, não estão mais parados.

Muitos voos pousaram terça-feira em Roma-Fiumicino, incluindo de Paris, Barcelona, Nairobi ou Nova York. Para Ciampino, menor e reservado principalmente para voos de empresas de baixo custo, também chegaram voos vindos de Madri, Londres ou Varsóvia, e os viajantes também poderiam decolar, principalmente para Paris, Nice, Berlim, Praga ou Tunis.

As fronteiras se fecham

Mas a Bota está cada vez mais isolada do mundo: a Áustria exige que os viajantes da Itália apresentem um atestado médico, enquanto a Eslovênia decidiu fechar sua fronteira com este país. British Airway, Irish Ryanair e Air Canada - assim como a Espanha - cortaram voos para cidades italianas.

A Air France suspendeu todos os voos para a Itália de 14 de março a 3 de abril. A Austrália anunciou na quarta-feira a proibição de entrada de estrangeiros que viajaram para a Itália nas últimas duas semanas.

A empresa de administração de aeroportos de Roma, ADR, diz que todos os passageiros que chegam e partem para países fora da área de Schengen devem passar por scanners térmicos para medir possível febre. A situação era semelhante nos dois aeroportos de Milão. A Alitalia cortou todos os seus voos de um aeroporto e cortou significativamente os voos do outro.

Muito afetadas as ligações ferroviárias com outros países

As ferrovias francesas (SNCF) disseram na terça-feira que estão "aguardando instruções". Desde o final de fevereiro, os controladores franceses estão indo para Modane, antes da fronteira italiana, para serem substituídos pelos italianos.

A empresa Thello, subsidiária das ferrovias italianas Trenitalia, suspendeu seus trens noturnos Paris-Veneza e seus trens na rota Marselha-Nice-Milão em ambas as direções, até o início de abril. A ligação ferroviária entre Alemanha e Itália, via Munique e Áustria, está fechada, disse a Deutsche Bahn. Dublin e Londres pediram a seus cidadãos que evitassem ir à Itália sempre que possível

*Publicado originalmente em 'Le Monde' | Tradução de César Locatelli



Conteúdo Relacionado