Pelo Mundo

Dogmas ortodoxos colidem com o muro da realidade: Por que o aumento da emissão monetária reduziu a inflação?

O índice de abril foi de 1,5%, o menor dos últimos 31 meses, com uma expansão de 42% na base monetária. Na Argentina, segue-se discutindo uma teoria da inflação, que não é mais ensinada, que não é mais discutida e que não é aplicada em nenhuma economia relevante do mundo. A inflação futura só ocorrerá se a frente financeira de nossa economia for negligenciada

20/05/2020 18:15

A inflação acabou sendo absolutamente o oposto do que era previsto pela teoria monetarista: quanto maior a emissão, menor a inflação (Guadalupe Lombardo)

Créditos da foto: A inflação acabou sendo absolutamente o oposto do que era previsto pela teoria monetarista: quanto maior a emissão, menor a inflação (Guadalupe Lombardo)

 

"A emissão gera inflação" é uma frase repetida até o ponto de exaustão em um país farto da inflação. Já faz parte do senso comum da Argentina. É ouvido em churrascos, táxis, ônibus e conversas no café. E possui versões diferentes: "rodar a máquina", "imprima pedaços de papel", entre outros sucessos.

O assunto é sério porque, surpreendentemente, na Argentina continua sendo discutida uma teoria da inflação, que não é mais ensinada, não é mais discutida e não é aplicada em nenhuma economia relevante do mundo. É ainda mais sério, porque a última vez que a Argentina aplicou essa teoria, acabamos com a inflação mais alta desde a hiperinflação na década de 1980.

Parece que foi há um século atrás, mas há apenas alguns meses a Argentina era um porquinho da índia para essa teoria: o governo Cambiemos, sob a consultoria especializada do FMI, tentou um programa de "emissão zero". Se a inflação fosse causada pela emissão monetária, interromper a emissão seria a melhor receita para eliminar a inflação.



A política de emissão monetária zero durou um ano: entre setembro de 2018 e setembro de 2019, a base monetária cresceu exatamente 0,8% em termos nominais. Praticamente zero.

Durante o mesmo período, a inflação foi de 50%. Emissão Zero = Inflação 50%.

Quase como o oposto a esse experimento, e como pode ser visto no gráfico que acompanha esta nota, a emissão monetária teve uma expansão fenomenal entre 5 de março e 16 de abril, com um crescimento de 42% em nada mais do que 25 dias.

Isso fez parte do pacote econômico lançado pelo governo para lidar com a Covid-19. Assim que o pacote foi anunciado, não foram poucos os economistas que começaram a alertar sobre os riscos de um estouro inflacionário. Alguns foram mais longe e se aventuraram a projetar hiperinflação. As alternativas propostas para a emissão variaram entre a necessidade de fazer um grande ajuste e a proposta ridícula de uma quase-moeda relacionada à pandemia.

Para sua surpresa de todos eles, a inflação de abril foi de 1,5%, a menor dos últimos 31 meses.

A inflação acabou sendo absolutamente o oposto do que era previsto pela teoria: quanto maior a emissão, menor a inflação. Algumas análises são obviamente imunes a evidências empíricas. Mas como você explica o fenômeno monetário e inflacionário de abril?

Um pouco de (boa) teoria econômica

O truque básico do monetarismo é assumir como fixos fatores que não são. Um exemplo ajudará a esclarecer. Em uma economia em que há dinheiro, é sempre verdade que a quantidade de dinheiro que existe multiplicada por sua velocidade de circulação é igual ao valor monetário das transações que existem nessa economia.

Vamos simplificar isso. Digamos que M é o dinheiro, V é sua velocidade de circulação, P é o preço e T são as transações.

Suponha uma economia em que Joana tenha uma nota de $ 100 que ela usa para comprar de Pedro um quilo de macarrão. A quantia em dinheiro é de $ 100. Sua velocidade de circulação, definida como o número de vezes que o dinheiro muda de mãos, é 1 (Joana trocou a nota pelo macarrão de Pedro), o nível de preço é de $ 100 (que custa o macarrão) e o número de transações é 1 (houve apenas uma venda de macarrão):

MxV = PxT

$100x1 = $100x1

Vamos complicar um pouco mais nossa economia. Vamos supor que depois que Joana compre o macarrão de Pedro, Pedro use esse dinheiro para comprar algumas meias que Maria vende. Como nossa igualdade é alterada?

$ 100x2 = $ 100x2

Vale a pena ver em detalhes. O que acabou de acontecer é que o nível de transações apenas dobrou sem aumentar a quantidade de dinheiro. O que aconteceu foi que a velocidade da circulação monetária dobrou: a mesma nota de $ 100 passou por duas mãos (primeiro de Pedro e depois de Maria).

Vamos dar um passo adiante. Suponha que agora o Estado decida emitir $ 100 adicionais e os entregue a Joana. E suponha que Joana decida usá-los para comprar outro pacote de macarrão. O que aconteceria? Bem, poderia acontecer que Pedro tivesse outro pacote de macarrão e decidisse vendê-lo e depois comprasse outro pacote de meias, teríamos:

$200x2 = $100x4

Dobrar a quantidade de dinheiro dobraria o nível de atividade. Aumentar a emissão permitiria aumentar a atividade econômica.

Como o monetarismo diz então que a questão sempre gera inflação? Simples: supõe que 2 desses 4 componentes que temos em nossa igualdade são sempre fixos e imóveis.

A primeira coisa que o monetarismo assume é que a velocidade de circulação da moeda é constante, ou seja, é sempre o mesmo número. Isso se basearia nos costumes das pessoas sobre a forma que usam o dinheiro, costumes que não seriam drasticamente alterados em curtos períodos de tempo. Voltaremos a isso em breve.

A segunda é supor que o nível de transações na economia não possa ser alterado porque esse nível é o máximo possível. Isso é para supor que a economia está em pleno emprego. Como? Simples: porque, para o monetarismo, o simples funcionamento do mercado é suficiente para garantir que os fatores de produção disponíveis sejam inteiramente utilizados. Se assim fosse, quando o Estado decidir aumentar a quantia em dinheiro em $ 100, o que aconteceria é o seguinte:

$200x2 = $200x2

Em vez de aumentar as transações de 2 para 4, o que aconteceria é que os preços aumentariam de $ 100 para $ 200: aumentando 100%, a emissão monetária geraria 100% de inflação.

Para entender por que essa teoria não é cumprida, vários argumentos podem ser usados. O primeiro é nos perguntar se, no momento da emissão, a economia está em pleno emprego. Ao que parece, para um bom número de analistas, a economia argentina está em pleno emprego no meio da Covid-19.

Também poderíamos nos perguntar como o monetarismo consegue explicar uma dinâmica que, infelizmente, é muito típica da Argentina: que a inflação aumenta ao mesmo tempo que o desemprego.

As tentativas de explicar consistentemente essa dinâmica são realmente terríveis.

Agora, vamos pensar um pouco fora da caixa de ferramentas do monetarismo. Vamos pensar no que poderia estar acontecendo no meio da Covid-19 para que a questão monetária aumente dessa maneira e, ao mesmo tempo, a taxa de inflação diminua. Vamos começar com algo muito simples e suponha que a economia esteja operando nesse nível:

$1000x10 = $100x100

É claro que, devido à Covid-19, a atividade econômica está em queda livre. Ou seja, T (número de transações) estaria reduzindo do nosso exemplo. Suponha que a economia esteja caindo pela metade, de modo que T, em vez de 100, seja 50. Bem, para que nossa igualdade seja mantida, o que deve acontecer é que os preços sejam cortados pela metade, ou seja, temos deflação. Mas esse não é o caso. Apesar do fato de a inflação ter caído, ela permanece positiva. Além disso, sabemos que o governo está aumentando as emissões em quase 50%; portanto, teríamos o seguinte:

$ 1500 x V? = $ 100x50

Para que essa igualdade seja cumprida, a única coisa que pode estar acontecendo é V = 3,33. Em outras palavras, a velocidade da circulação monetária está caindo drasticamente.

É isso que está acontecendo?

Efetivamente!

A Covid-19 gera, aqui na Argentina e em praticamente todas as partes do mundo, uma queda drástica na velocidade da circulação monetária: a quarentena anula a mobilidade da população e, com ela, a mobilidade do dinheiro, ou seja, sua velocidade de circulação. E isso é ainda mais drástico em um país como a Argentina, onde a mobilidade do dinheiro depende da mobilidade física das pessoas. A mobilidade do dinheiro poderia não ser alterada em uma situação de quarentena se a Argentina tivesse desenvolvido dinheiro e comércio eletrônico. Mas as longas filas às portas dos bancos de pouco mais de um mês atrás lembraram que, infelizmente, a Argentina é uma economia que continua rodando em dinheiro vivo.

Esse fenômeno, ignorado pela maioria dos economistas que continua pensando com um conjunto de ferramentas teóricas absolutamente enferrujado, é central para entender o que a emissão monetária, que o governo está aplicando para combater a Covid-19, pode ou não gerar

A atual emissão monetária não levará a uma explosão inflacionária como resultado da pressão sobre uma economia que está em pleno emprego. Isso é muito importante porque, sob a Covid-19, uma teoria econômica ruim pode custar vidas humanas e falências de empresas. No entanto, nem tudo é cor-de-rosa.

Os riscos reais

Suponha que Joana vá e compre seu macarrão de Pedro. Mas Pedro decida não comprar meias. Dada a incerteza predominante, a proximidade de uma inadimplência e o valor do dólar paralelo em $ 140, Pedro decide agir de acordo com o que ele entende sobre a economia, o que é muito simples: quando começamos assim, acabamos com uma desvalorização e subsequente inflação.

Portanto, com esses $ 100, Pedro não podia mais fabricar a mesma quantidade de macarrão porque, como ele bem sabe, o preço do macarrão depende do valor do dólar. Se Pedro comprar dólares em vez de comprar meias, Maria acaba não vendendo suas meias e Pedro pressiona o dólar. Se todos agem como Pedro e, pior ainda, o fazem em uma estrutura em que o Banco Central está aumentando a emissão, ou seja, está nos dando mais pesos, o que pode acabar sendo uma desvalorização. E quando isso acontecer, será verdade que a “emissão terá gerado inflação”.

O que é importante na economia não é a causa e o efeito, mas precisamente o mecanismo que explica por que, em certas circunstâncias, uma emissão mais alta pode corresponder a uma inflação mais alta. Entender essa causa é fundamental para entender o que um governo deve ou não fazer na Covid-19.

É correto emitir para mitigar os efeitos da COVID-19?

Claro.

Mas, ao mesmo tempo, o governo deve tentar manter todos os dólares dentro de certos limites, o oficial e o paralelo. Hoje, longe de ser impossível, está dentro das possibilidades disponíveis para a política econômica. A inflação futura só ocorrerá se a frente financeira de nossa economia for negligenciada, e não por emitir todo o dinheiro necessário para mitigar os efeitos dessa pandemia.

*Publicado originalmente em 'Página/12' | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado