Pelo Mundo

Escaramuça China-Índia: parte da luta entre a força marítima e a terrestre

 

06/07/2020 13:45

(Tausseef Mustafa/AFP)

Créditos da foto: (Tausseef Mustafa/AFP)

 
Apesar das oportunidades econômicas compartilhadas, os conflitos fronteiriços continuam assombrando o relacionamento entre a Índia e a China. Depois de 60 anos, os dois países estão novamente envolvidos em uma sangrenta miniguerra no Himalaia.

Durante os recentes confrontos no vale de Galwan, ambos mataram soldados do outro, mas há uma sensação de que a Índia perdeu mais soldados. Na batalha das percepções, os chineses parecem estar à frente nesta rodada atual. Uma calma incerta prevalece nas fronteiras Índia-China. No entanto, aqueles que buscam uma solução rápida provavelmente ficarão desapontados.

As tensões entre os dois países persistirão porque estão ligadas à Guerra Fria EUA-China, que é uma batalha titânica sobre quem dominará o mundo - o poder marítimo ou o poder terrestre. Os Estados Unidos governam as ondas e estabelecem os termos e condições para a grande maioria do comércio global. A China, por outro lado, está ocupada construindo uma ligação terrestre sobre a Eurásia, o que prejudicaria o domínio marítimo dos EUA.

Um alerta

Há poucas dúvidas de que a Índia, sob o primeiro-ministro Narendra Modi, desenvolveu uma aliança estratégica da nação com os EUA. Ambos têm deliberado sobre sua postura militar colaborativa no Indo-Pacífico para conter a China e um esforço coletivo mais consciente de países com ideias semelhantes (democráticas) para reduzir a política externa agressiva do presidente chinês Xi Jinping. Portanto, a atual disputa Índia-China deve ser vista em uma perspectiva indo-pacífica mais ampla.

Para observadores norte-americanos influentes, como Michele Flournoy, ex-subsecretária de Defesa para o planejamento, o confronto na fronteira sino-indiana deve "servir como um alerta para acelerar e aprofundar a cooperação em segurança entre estados com pensamentos semelhantes". Flournoy afirma que, embora a geopolítica da região seja frequentemente retratada como uma competição EUA-China, na realidade, há um grupo de democracias com interesses cada vez mais convergentes.

Muitos na Índia e nos EUA veem a atual situação tensa entre a Índia e a China como uma oportunidade de pressionar pelo alinhamento aberto da Índia com a segurança liderada pelos EUA, intuitiva no Indo-Pacífico.

Uma visão mais ampla dos EUA para conter a China

Para os EUA, a disputa de fronteira no Himalaia é apenas um dos vários pontos críticos na Ásia:

independência de Taiwan; liberdade tibetana; democracia em Hong Kong e relativa autonomia; e liberdade de navegação no sul do Mar da China.

Washington desfruta de profundas conexões de rede em Taiwan, Índia, Hong Kong e Mar da China Meridional, para gerar pontos críticos para pressionar e investigar a China, para fazê-la reagir. A China tem se engajado de forma agressiva, legal, econômica ou militar para garantir suas fronteiras de um possível ataque dos EUA ou de seus aliados.

Por exemplo, no Himalaia, os chineses reforçaram a linha que reivindicam através do uso da força contra a Índia e de um enorme acúmulo militar para evitar serem pegos de surpresa. Em Hong Kong, os chineses aprovaram uma lei de segurança nacional, que eles alegam ser direcionada para controlar atividades subversivas.

Se os EUA mobilizaram simultaneamente, pela primeira vez em muitos anos, três porta-aviões, a China também está ativa desde o início da pandemia global, para reforçar suas capacidades de pesquisa e aviação militar em Fiery Cross Reef e Subi Reef. [Ilhas militares artificiais construídas no sul do Mar da China]

Espectro do poder terrestre chinês assombra estrategistas norte-americanos

O poder marítimo dos EUA está afirmando seu alcance e sua extensão para que seus aliados saibam que o jogo de "pressão máxima" na China está em andamento. O realismo ofensivo, que consiste em contenção e dissuasão assertivas, é o novo mantra teórico e político dos EUA contra a China.

Há uma determinação bipartidária nos EUA de que uma potência continental como a China não pode mudar a ordem política internacional projetada pelo mundo marítimo. Mas como um conflito entre os exércitos indiano e chinês a 14.000 pés acima do nível do mar está relacionado ao domínio naval dos EUA?

"O exército é um projétil a ser disparado pela marinha", argumentou o almirante Jackie Fisher, primeiro lorde britânico do mar (1904-1910), resumindo a visão do historiador e geoestrategista naval Julian Corbett de que era fundamental para o poder marítimo influenciar as operações em terra.

Para que o comércio internacional máximo flua nos oceanos, as fronteiras terrestres devem permanecer fechadas. O exército ajuda o poder marítimo a garantir que as fronteiras permaneçam tensas durante os conflitos, enquanto o comércio continua buscando as linhas marítimas suaves de comunicação sob os olhos atentos das forças navais superiores e da indústria de serviços marítimos. Foi exatamente assim que a energia marítima britânica e americana garantiu que 90% do comércio global continuasse a usar rotas oceânicas.

A China, a grande perturbadora do século XXI, está desafiando essa ordem marítima de 200 anos, construindo linhas alternativas de suprimento na Eurásia, muitas das quais tornarão redundantes as linhas marítimas de comunicação existentes. Além da perda de dólares e da hegemonia tecnológica, um mapa-múndi que mostra uma Eurásia conectada e os Estados Unidos isolados através do enfraquecimento sistêmico do poder marítimo assombra estrategistas americanos.

Estratégia chave anglo-americana: manter a Eurásia dividida

Os norte-americanos estavam cientes desse imperativo geográfico quando assumiram as rédeas do domínio marítimo da Grã-Bretanha após a Segunda Guerra Mundial. O dilema euro-asiático dos EUA aumentou com os comunistas chegando ao poder na China em 1949.

O espectro das linhas de suprimentos socialistas que iam da China à Polônia via União Soviética levou ao "Lobby da China", dirigido por Henry Luce (fundador da revista Time e defensor do "Excepcionalismo Americano" e do "Século Americano"), que lamentava o “Perda da China” para Mao Tsé-Tung.

No entanto, outra corrente estratégica nos EUA viu a chegada de Mao em Pequim como uma oportunidade de conter a União Soviética, causando um cisma no bloco comunista. O líder comunista iugoslavo Joseph Tito, um firme ativista anti-Stalin, foi o trunfo da América no leste europeu.

Esperava-se que Mao tomasse a forma de um "Tito chinês", que levantaria a bandeira dos protestos contra a dominação soviética do bloco comunista. Quebrar a afinidade ideológica entre a China e a União Soviética era um aspecto da grande estratégia dos Estados Unidos, mas o mais importante era manter as duas potências continentais separadas e impedi-las de construir uma ponte terrestre da Eurásia, na qual o comércio socialista estaria a salvo de restrições sobre o fluxo de comércio internacional imposto pelas potências marítimas.

O papel histórico da Índia no grande jogo

A elite indiana foi atraída para o jogo geopolítico de iniciar a divisão sino-soviética. No final da década de 1950, as relações Índia-China desandaram. A Índia se envolveu em operações secretas conduzidas pelos EUA dentro do Tibete. A questão dos assentamentos fronteiriços surgiu de repente como uma questão central entre a China e a União Soviética.

A estrada Aksai Chin, que liga Xinjiang ao Tibete, tornou-se um ponto de discórdia. A Índia começou a reivindicar Aksai Chin como parte de seu território, e a China revidou pedindo Tawang. Antes disso, a Índia nunca havia levantado a questão de Aksai Chin, e a China não se opusera à elevação da bandeira de Tawang em 1951.

Foi também quando o líder soviético Nikita Khrushchev impressionou o Ocidente com sua campanha de desestalinização e começou a construir pontes com o Ocidente visitando Washington em 1959.

Os EUA, no entanto, estavam mais interessados em ver Nova Déli se distanciando de Pequim do que em controlar a Índia em direção a Moscou. Washington viu o interesse de Moscou nos “estados de transição” não-comunistas, como Índia, Indonésia e Egito, como um desenvolvimento bem-vindo. Isso era exatamente o necessário para convencer os chineses de que o compromisso dos soviéticos de construir um forte bloco socialista era uma farsa: eles estavam mais interessados em expandir seu alcance imperial.

No final da década de 1950, os EUA empurraram a Índia para a União Soviética. A Índia começou a avançar em direção à União Soviética e buscar seu equipamento militar quando os laços indo-americanos se estreitaram. A Índia colaborou com os Estados Unidos na questão do Tibete e os EUA organizaram um pacote massivo de ajuda econômica.

A guerra Índia-China exacerbou a rivalidade sino-soviética

A guerra Índia-China de 1962 ofereceu um cenário perfeito para acentuar as diferenças entre os dois gigantes comunistas. A China ficou irritada com a posição neutra de Moscou em sua disputa com a Índia, que começou em 1959 e culminarou em uma guerra em 1962. Segundo a avaliação do chefe do Bureau de Inteligência da Índia, Bhola Nath Mullik, a China atacou a União Soviética porque esta não a havia apoiado no conflito sino-indiano.

Em uma discussão pós-guerra com seu pessoal da inteligência, o primeiro ministro indiano Jawaharlal Nehru mencionou alguns artigos na mídia que refletiam a fúria chinesa contra a Índia e a União Soviética. Um documento da CIA de 1963, intitulado Implicações da ruptura entre Índia e China para os EUA, afirmava que “para fins mais práticos, havia agora uma divisão aberta nas relações sino-soviéticas. A virulência do atual confronto, a franqueza dos insultos e acusações mais recentes em Moscou e a certeza teológica de ambos os disputantes refletem novas dimensões de antagonismo, extensas demais para serem superadas.”

O alinhamento da elite indiana com suas contrapartes nos EUA, para impulsionar seus objetivos de classe, tornou-se um dos fatores mais críticos para as causas da guerra Índia-China de 1962.

A elite dominante na Índia mostrou grande ânsia de confrontar os chineses e resolver a disputa de fronteira através do destacamento avançado das forças armadas em áreas disputadas, porque a ajudou a alcançar seus objetivos políticos domésticos.

Um desses objetivos era derrotar e demonizar os comunistas indianos por se oporem à guerra e, em segundo lugar, garantir a ascensão de conservadores dentro do partido no Congresso, projetando liberais de esquerda como Krishna Menon, então ministro da Defesa, como o principal culpado pela derrota da Índia nas mãos dos chineses. A guerra também ajudou Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), o equipamento político-cultural hindu, a se apresentar como uma força nacionalista. Isso foi essencial para o RSS, porque seu papel na luta pela liberdade nacional era insignificante.

De volta ao futuro com o eixo Trump-Modi?

Um alinhamento de classe semelhante é visível hoje quando o governo de Donald Trump lançou uma campanha de ódio virulenta e uma guerra comercial contra o Partido Comunista da China para intimidá-lo e fazê-lo estancar seus esforços para alterar a matriz de poder global, construindo linhas de suprimento globais alternativas que atravessam a Eurásia.

O atual conflito Índia-China está ligado aos planos geopolíticos anglo-americanos de impedir que os chineses cheguem ao Mar da Arábia por uma rota muito mais curta via Paquistão. As potências marítimas veem o desenvolvimento do Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC) como um ataque direto à sua estratégia de poder marítimo que visa sufocar o transporte mercante chinês no Estreito de Malaca, entre a ilha indonésia de Sumatra e a Malásia.

A Índia se opõe ao CPEC, um projeto emblemático da Iniciativa Cinturão e Rota [Belt and Road Initiative] lançado por Xi em 2013, porque passa por Gilgit-Baltistan (GB), uma província paquistanesa no norte, para chegar ao porto de Gwadar operado pela China no sul.

A Índia considera que o GB, um centro crítico que conecta o Sul e a Ásia Central, está sob a ocupação ilegal do Paquistão. A Índia só se manifestou mais sobre o GB depois que o projeto CPEC ganhou impulso em 2014. O ministro do Interior da Índia, Amit Shah, afirmou recentemente que "as fronteiras de Jammu e Caxemira, decididas em nossa Constituição, e também na Constituição de Jammu e Caxemira, incluem PoK (Caxemira Ocupada pelo Paquistão) e Aksai Chin".

No ano passado, após a separação de Jammu e Caxemira, a Índia publicou um novo conjunto de mapas que mostravam Aksai Chin e GB como partes do território da União de Ladakh. Os chineses se opuseram e disseram que a Índia estava mudando unilateralmente o status quo.

O Vale de Galwan - o ponto central dos recentes confrontos entre o exército indiano e o Exército de Libertação Popular (PLA) da China fica perto de Aksai Chin - é a mesma área que se tornou o foco de disputa entre as duas nações asiáticas durante a guerra de 1962.

O atual governo indiano trouxe a área de volta ao discurso, tornando-a controversa mais uma vez. Com a renovada determinação do establishment indiano de recuperar regiões da China e do Paquistão, a segurança na área ficou tensa e, no final, resultou em brutais assassinatos de soldados.

Enquanto o subcontinente permanecer preso à “armadilha territorial” e se recusar a ver suas fronteiras como oportunidades, os exércitos indiano e paquistanês continuarão a ser usados como projéteis disparados pelos Estados Unidos marítimo para atingir seu objetivo mais amplo de manter as fronteiras fechadas, a massa terrestre da Eurásia dividida e comércio máximo fluindo em rotas marítimas controladas pelos EUA.

Se a China continental quiser que as ligações terrestres sejam asseguradas, terá que elaborar uma estratégia diferente, que se baseie menos no uso da força, e fazer amizade com a Índia.

*Publicado originalmente em 'The Defense Post' | Tradução de César Locatelli



Conteúdo Relacionado