Pelo Mundo

Estados Unidos: Como o capitalismo do ''just in time'' propagou a covid-19

 

26/04/2020 17:17

 

 
Na Idade Média, levou mais ou menos uma década para a peste negra (ou peste bubônica) se espalhar da China, pelas estradas de seda e pelas conquistas mongóis, para a Europa. Depois, anos para passar da Sicília para a Grã-Bretanha e além, através de rotas comerciais estabelecidas e do movimento de exércitos durante a Guerra dos Cem Anos. Com o capitalismo bem estabelecido, a gripe espanhol" de 1918 se espalhou em meses da Espanha, passando pela França até a Grã-Bretanha em meados de junho e depois para os Estados Unidos e Canadá, em setembro. Em grande parte, seguiu o curso das linhas de batalha, movimentos de tropas e logística militar durante a Primeira Guerra Mundial.

Na era da logística “just in time”, levou apenas alguns dias para o coronavírus se espalhar de Wuhan para outras cidades chinesas a centenas de quilômetros de distância. Demorou apenas duas semanas para deixar a China, simultaneamente ao longo das principais cadeias de suprimentos, comércio e rotas de viagens aéreas para os enclaves industriais e comerciais do leste da Ásia, o Oriente Médio devastado pela guerra de produtores de petróleo, a Europa industrial, a América do Norte e o Brasil.

Em 3 de março, havia atingido 72 países. Seguindo as principais rotas da cadeia de suprimentos, inicialmente ignorou a maior parte da África e grande parte da América Latina, apesar de que, agora também tenha se mudado para esses continentes, com um risco potencial ainda maior à vida.

A pandemia viaja pelos circuitos do capital

Como observou o guru da logística do MIT, Yossi Sheffi, em seu livro The Power of Resilience, “a crescente interconectividade da economia global a torna cada vez mais propensa ao contágio. Eventos contagiosos, incluindo problemas médicos e financeiros, podem se espalhar por redes humanas que geralmente se correlacionam fortemente com as redes da cadeia de suprimentos”.

De fato, a consultora Dun & Bradstreet estima que 51 mil empresas em todo o mundo têm um ou mais fornecedores diretos em Wuhan, enquanto 938 das empresas da lista das mil mais destacadas da revista Fortune têm um ou dois fornecedores nessa região. A ênfase que foi colocada nas últimas duas ou três décadas na produção enxuta, na entrega “just in time” e, mais recentemente, na “concorrência com base no tempo”, juntamente com a atualização da infraestrutura do transporte e distribuição, acelerou a velocidade de transmissão.

Um especialista da Universidade Johns Hopkins que realiza estudos na Itália disse: “pensando em nossas cadeias de valor – ou na maneira como as indústrias produzem bens –, os europeus estão muito mais integrados entre si do que costumam pensar. Se um país europeu é seriamente afetado, o problema é transferido muito rapidamente para todos os outros”.

Isso explica porque o mapa de rastreamento do vírus da Johns Hopkins mostra as concentrações da infecção nos Estados Unidos. Os Estados Unidos refletem mapas semelhantes dos estudos da Brookings Institution sobre concentrações de manufatura, transporte e centros de armazenamento. Essa é outra indicação de que esse vírus passou pelos circuitos do capital e dos humanos que trabalham neles, e não apenas por uma transmissão aleatória da “comunidade”.

Curto-circuito nas cadeias de suprimentos

A escassez de equipamentos de proteção individual (EPI) em muitos países, principalmente as máscaras N95, essenciais para o trabalho seguro no setor da saúde, é o resultado de décadas de terceirização da produção. Empresas como 3M, Honeywell e Kimberley-Clark transferiram a produção para a China e outros países de baixa renda em busca de lucros mais altos.

O Washington Post documenta que “até 95% das máscaras cirúrgicas são feitas fora dos Estados Unidos, em lugares como China e México”. Como resultado, um dos principais distribuidores de suprimentos médicos observou em março: “a disponibilidade das máscaras N95 é estimada para abril-maio. Muitos são fabricados na China e pode haver atrasos adicionais”.

Não surpreendentemente, o ex-assessor de Trump e analista de direita Steve Bannon aproveitou a oportunidade para avançar em sua agenda xenofóbica. No entanto, o fracasso dos EUA ou de qualquer país em produzir equipamentos médicos de emergência dentro de um escopo razoável para empresas como a 3M para aumentar os lucros é claramente imoral e imprudente.

O impacto do vírus, por sua vez, logo se vingou das mesmas rotas pelas quais se espalhou, interrompendo a produção e as cadeias de suprimentos de maneiras complexas. No início de março, 9% das frotas de contêineres do mundo estavam ociosas e esse percentual certamente aumentou. A produção industrial chinesa caiu 22% em fevereiro, de acordo com um relatório da UNCTAD (sigla em inglês da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento), em março.

O mesmo relatório mostra que os países ou regiões mais economicamente afetados pelas mudanças nas cadeias de valor globais originárias da China eram (em ordem de magnitude): União Europeia, Estados Unidos, Japão, Coréia do Sul, Vietnã, Taiwan e Cingapura. Todos eles, afetados pelo vírus nos estágios iniciais. As exportações chinesas caíram 17% em janeiro e fevereiro. Em meados de março, o porto de Los Angeles operava em 50% e Long Beach entre 25% e 50%, principalmente devido ao fechamento de fábricas na China, segundo o Financial Times.

Espremendo trabalhadores essenciais

As respostas do governo dos Estados Unidos, em particular, foram projetadas para impulsionar a economia da única maneira que os políticos neoliberais e os “especialistas” do governo Trump sabem: subsidiar negócios e reduzir seus custos. Além do conhecido viés pró-negócios do pacote de “estímulo” de 2 trilhões de dólares dado por Trump, a reação do governo em apoio ao capital estadunidense. Os Estados Unidos incluíram uma ordem para os trabalhadores permanecessem em seus empregos, combinada com um tsunami de desregulamentação para as empresas.

A determinação do DHS (sigla em inglês Departamento de Segurança Interna), e não do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, que deve continuar a trabalhar como mão-de-obra “essencial”, é tão ampla que inclui virtualmente toda a maquinária de trabalho com lucro capitalista. Inadvertidamente, é claro, o DHS nos lembrou o quão a classe trabalhadora como um todo é essencial para o funcionamento da sociedade.

Isso também é verdade para grandes empresas de alta tecnologia como a Amazon, que, por sua vez, nos diz constantemente que são os robôs que fazem tudo. Enquanto alguns trabalhadores da Amazon protestam e cerca de 30% ficam em casa, a empresa tenta contratar milhares de pessoas para preencher a lacuna. Como relata o New York Times: “apesar de toda a sua sofisticação e alta tecnologia, o vasto negócio de comércio eletrônico da Amazon conta com um exército de trabalhadores de armazém que agora temem estar contaminados com o coronavírus”.

Para aliviar ainda mais o ônus (ou seja, o custo) da regulamentação comercial, a Agência de Proteção Ambiental suspendeu toda a aplicação da regulamentação ambiental (apesar da atual crise climática), enquanto a Administração Federal de Trens emitiu uma isenção de emergência de vários regulamentos de segurança. O Conselho Nacional de Regulação de Trens suspendeu todas as eleições de representação sindical, incluindo as realizadas pelo correio.

A FMCSA (sigla em inglês da Administração Federal de Segurança de Transportadoras) concedeu “horas de serviço de ajuda regulatória a motoristas de veículos comerciais que transportam ajuda de emergência…”. Isso, é claro, significa mais horas na estrada. A lista de itens cobertos pelo FMCSA como ajuda de “emergência” é muito abrangente, incluindo matérias-primas, combustível, papel e produtos plásticos, além de suprimentos médicos diretos. Para caminhoneiros dentro e fora da cidade de Nova York, o epicentro do vírus nos Estados Unidos. Nos Estados Unidos, eles foram instruídos a continuar como de costume, mas a garantir que “se distanciassem socialmente” e lavassem as mãos.

Apesar da crise econômica – que começou mesmo antes da epidemia, e do fato de que os primeiros dezessete casos nos Estados Unidos foram oficialmente contabilizado em janeiro –, o Departamento de Estatísticas Trabalhistas informou que, desde fevereiro, o emprego não-agrícola fora da folha de pagamento havia aumentado e o desemprego era estável. Assistência médica, governo, serviços de alimentação, construção e, claro, serviços financeiros, aumentaram significativamente, enquanto “o emprego em outras grandes indústrias, incluindo mineração, manufatura, atacado, comércio varejo, transporte e armazenamento, e as informações mudaram pouco durante o mês”. O número médio de horas trabalhadas por semana aumentou 0,3% em fevereiro.

A Transport Topics, revista para donos de caminhões (que alugam os veículos para os verdadeiros motoristas, escreveu: “enquanto os Estados Unidos lutam contra o coronavírus e a vida cotidiana é interrompida, os caminhoneiros do país estão entre os que arriscam sua saúde pessoal e fazem o trabalho duro para manter os produtos em movimento em lojas, hospitais e outros lugares”. A ATA (sigla em inglês da Associação Americana de Caminhoneiros) informa que a tonelagem de caminhões aumentou 1,05% em janeiro e 1,8% em fevereiro, o que significa que os caminhoneiros são, de fato, os que estão arriscando sua saúde pessoal.

Embora o tráfego de frete ferroviário tenha diminuído nos últimos dois anos, a AAR (sigla em inglês da Associação Americana de Ferrovias) observa que três categorias de frete (produtos químicos, alimentos e cargas diversas) aumentaram em 2020, e que “os volumes intermodais das ferrovias que atendem aos portos da costa oeste que recebem a maior parte das importações da China parecem ter se estabilizado nas últimas quatro semanas, indicando que podemos ter visto o pior dos impactos da covid-19 no comércio asiático”.

Isso é altamente improvável. De fato, em março, trabalhadores das linhas de carga da Union Pacific e Canadian Pacific haviam contraído o vírus. O Serviço Postal dos Estados Unidos registrou 111 casos de covid-19, enquanto mais de 300 trabalhadores no sistema de trânsito da cidade de Nova York tiveram o vírus em abril. Uma nova economia “direta” está se tornando viral, já que empresas de entrega a domicílio, como Instacart, Amazon e Walmart, contratam aos milhares e acumulam grandes somas de dinheiro daqueles que estão assustados e isolados em suas casas.

Demissões em massa, desemprego na era da depressão e desigualdade viral

Sem dúvida, esse quadro mudará rapidamente à medida que o comércio mundial desacelera e mais e mais atividades são forçadas a desacelerar ou parar devido à doença, o “distanciamento social”, o fechamento e o auto isolamento. Por um lado, milhões de trabalhadores não terão escolha a não ser trabalhar mais horas, se arriscando a contrair a infecção, enquanto outros milhões enfrentam desemprego e pobreza. Mais do que o habitual, os trabalhadores são condenados se o fizerem, e também se não o fizerem.

Com uma queda repentina no emprego superior ao registrado em 2008, o Instituto de Política Econômica estima que, em julho, cerca de 20 milhões de empregos serão perdidos. Já existem 10 milhões de trabalhadores que solicitaram seguro-desemprego no início de abril. O New York Times estima que a taxa de desemprego já é de 13%, a maior taxa oficial desde a Grande Depressão da década de 1930. Além disso, como afirma o economista Michael Roberts, isso é, provavelmente, apenas o começo de uma recessão global mais profunda.

No entanto, o fato de tantos terem que continuar trabalhando para empregadores privados durante a epidemia nos lembra, ao mesmo tempo, que o desejo do capital de continuar lucrando depende desses trabalhadores, enquanto a “compulsão silenciosa das relações econômicas” ao enfrentar a maioria dos trabalhadores que são forçados a viver “de um salário a outro” está vivo e bem nessa mortal crise de saúde.

Além disso, embora alguns gostem de dizer que o coronavírus não discrimina – afinal, o primeiro-ministro britânico Boris Johnson teve que passar pela unidade de terapia intensiva no momento da redação deste relatório – seu impacto é altamente desigual. Na New York devastada por vírus, o New York Times relata: “dos 20 bairros com a menor porcentagem de testes positivos, 19 estão entre os mais ricos”.

Como explicam os especialistas do observatório de propagação do vírus da Universidade Johns Hopkins: “embora frustrantes, mas administráveis %u20B%u20Bpara muitas pessoas, as consequências econômicas do distanciamento social são brutais para os membros mais pobres, vulneráveis %u20B%u20Be marginalizados de nossa sociedade”.

Os mais afetados incluem aqueles que estão na parte inferior das cadeias de produção de alimentos do país, trabalhadores agrícolas e aqueles em armazéns de todo o país que coletam e movimentam colheitas, a maioria deles durante a temporada. A maioria desses trabalhadores é imigrante sem documentação. Ironicamente, ou cinicamente, eles foram declarados trabalhadores essenciais, indicando que a economia depende deles, para permaneçam em seu local de trabalho, onde são vulneráveis %u20B%u20Bao vírus.

Ao mesmo tempo, eles ainda estão sujeitos a deportação. Às vezes, recebem cartas de empregadores que os declaram essenciais para viajar para o trabalho, mas não protegem contra a deportação, principalmente quando deixam de ser essenciais aos olhos do governo ou quando a temporada termina. É um escândalo que os Estados Unidos não tenham concedido a eles e a outros nesta posição residência legal, como o governo português fez.

Luta de classes em tempos de pandemia e recessão

Dois temas se destacam na grande maioria dos protestos de trabalhadores em todo o mundo: licença remunerada e equipamento de proteção individual, as duas questões cruciais da luta de classes em época de pandemia. O pacote de coronavírus do congresso estadunidense exige duas semanas de licença remunerada aos portadores do vírus, mas apenas para trabalhadores de empresas com menos de 500 funcionários. Isso exclui quase metade da força de trabalho do setor privado.

Trabalhadores de call centers, serviços de entrega, hospitais, ferrovias e outros locais exigem licença remunerada e equipamento de proteção individual, mas os empregadores que falam sobre segurança, na verdade, não entregam o que os trabalhadores precisam imediatamente.

O Sindicato dos Ferroviários, assim como outros sindicatos de base, divulgou uma resolução exigindo esses elementos essenciais. Uma petição feita pelos caminhoneiros por uma União Democrática, há duas semanas, pede licença remunerada para os funcionários da UPS se eles, ou algum membro de sua família, for contagiado pelo vírus. Os funcionários da Starbucks pediram que não fossem declarados “essenciais”, e que a licença fosse paga.

Os funcionários de entrega, varejo e armazéns deram um passo adiante na luta pelos dois direitos. Membros do comércio em greve nas lojas de Ohio exigiram licença médica paga. Caminhoneiros de um armazém da Kroger em Memphis se rebelaram depois que um colega de trabalho foi diagnosticado com coronavírus.

Ações semelhantes ocorreram nas instalações do McDonald's em Tampa, St. Louis, Memphis, Los Angeles e San José, enquanto trabalhadores da Amazon em Staten Island abandonaram as tarefas na segunda-feira, 30 de março. A Amazon finalmente concedeu licença aos trabalhadores do armazém, depois que os de Chicago solicitaram e abandonaram o trabalho em nome de sua licença remunerada.

Os trabalhadores da manufatura também se rebelaram: 50 avicultores não sindicalizados de uma fábrica da Perdue Farms na Geórgia abandonaram as funções, declarando que estavam cansados %u20B%u20Bde “arriscar nossas vidas por frango”. Metade dos trabalhadores do estaleiro Bath da General Dynamics também abandonou as tarefas quando um trabalhador pegou o vírus.

Os trabalhadores da Fiat-Chrysler em Sterling Heights, Michigan e Windsor, Ontário exigiram o fechamento de suas fábricas. Os fabricantes de autopeças da American Axle também pararam de trabalhar para exigir licença remunerada. As instalações da General Electric exigiram não apenas equipamento de proteção, mas também que a empresa alterasse a produção normal e usasse plantas ociosas para produzir respiradores necessários para as vítimas de coronavírus.

Naturalmente, os trabalhadores da educação combativa dos Estados Unidos desempenharam um papel de liderança na luta pela proteção. O Sindicato dos Professores de Chicago e os trabalhadores da SEIU Healthcare daquela cidade uniram forças para exigir quinze dias de licença remunerada e entrega em domicílio de alimentos.

O sindicato dos professores de Los Angeles pediu “um subsídio semanal de desastre para os pais ficarem em casa com seus filhos”. Professores da cidade de Nova York, do MORE “Movimento de Educadores da Base de Professores da Federação das Nações Unidas) organizaram uma saída de emergência e ajudaram a forçar a cidade a fechar as escolas.

Os profissionais de saúde dos caminhoneiros em Pittsburgh pararam de recolher o lixo, exigindo equipamento de proteção. Os profissionais de saúde canadenses em Hamilton, Ontário, abandonaram suas tarefas, também exigindo proteção, e que o lixo orgânico fosse ensacado antes da coleta. Os motoristas de ônibus de Birmingham, Alabama, se recusaram a dirigir nas rotas regulares até que a gerência concordasse em fornecer equipamento, parar de controlar o troco e fornecer licenças pagas para os portadores do vírus.

Aprendendo novos hábitos de luta

A disseminação do coronavírus ajudou a revelar que os locais de trabalho atuais estão vinculados por várias redes. Trump tenta manter a economia fazendo com que o Departamento de Segurança Interna redefina quase todos os trabalhadores como “essenciais”. Isso deixa claro que os circuitos de capital e trabalho conectam trabalhadores em todo o mundo e cidades.

Os fabricantes chineses de máscaras N95 se conectam com enfermeiras da cidade de Nova York, funcionários da Amazon em Will County, Illinois e motoristas da UPS em Chicago. Trabalhadores ferroviários, caminhões e correios se conectam com quase todo mundo. As ações dos trabalhadores, mesmo que limitadas, podem ter um impacto além do local de trabalho imediato no mundo do “just in time”.

Nenhum bem pode ser produzido ou serviços podem ser prestados se os produtos que permitem essas atividades não forem fabricados e se não for utilizado trabalho. Se os circuitos de capital e trabalho ajudaram a espalhar essa doença, as ações dos trabalhadores ao longo dessa cadeia também podem contribuir para criar uma nova ordem de relações de força entre as classes como consequência da epidemia.

Assim como muitas pessoas mostraram solidariedade desinteressada com outras pessoas nesta crise, também será necessária a solidariedade nas esferas trabalhista, industrial, ocupacional e nacional para lutar por um mundo melhor na era pós-pandêmica.

“Nada será o mesmo”, dizem muitos. Com certeza, haverá grandes mudanças, contudo, a menos que sejam movidas de baixo para cima, pelas ações da grande maioria, é mais provável que sejam do tipo “você precisa mudar alguma coisa para que nada mude”. As empresas serão reformuladas à medida que muitas afundarem, as fusões serão abundantes, as cadeias de suprimentos serão simplificadas, a mão-de-obra será cortada, os fundos do governo serão destinados aos cofres corporativos e os lucros serão revitalizados.

Mas é improvável que abandonem suas prerrogativas gerenciais ou sua visão de curto prazo. Governos conservadores e liberais gastarão como keynesianos em tempos de guerra para aumentar os lucros das empresas.

Mas eles substituirão os ganhos perdidos de milhões de trabalhadores? Eles permitirão representação sindical? Além disso, os regulamentos ambientais e de segurança desengatados que eles colocaram em uma “moratória” voltarão a vigorar? Além disso, eles vão se preparar para uma próxima epidemia ou tomarão medidas reais para evitar a catástrofe climática?

A menos que haja uma grande ascensão a partir de baixo, as relações de poder inerentes às relações sociais de produção do capitalismo e sua extensão através da “sociedade civil” e do governo serão reafirmadas, como aconteceu após 2008. Apesar das esperanças de muitos e das diferenças óbvias entre os candidatos, a norma nos Estados Unidos é a política a serviço dos capitalistas. Serão responsáveis %u20B%u20Bpor garantir isso em maior ou menor grau, independentemente de quem vencer as eleições em novembro. Caberá a esses trabalhadores “essenciais” criar um novo equilíbrio de poder social e um mundo saudável e sustentável.

*Publicado originalmente em 'Sin Permiso' | Tradução de Victor Farinelli



Conteúdo Relacionado