Pelo Mundo

Filho de Thatcher é preso por "tentar golpe de Estado" em Guiné

25/08/2004 00:00

Cidade do Cabo, África do Sul – Mark Thatcher, filho da ex-premiê britânica Margaret Thatcher, foi preso nesta quarta (25) pela polícia da África do Sul, depois de ser acusado de participar de uma tentativa de golpe de Estado na Guiné Equatorial, nação localizada no oeste africano.

Filho da hoje baronesa Thatcher, Mark, que tem o título nobre de “Sir”, foi preso em sua residência na Cidade do Cabo, depois de uma busca de detetives e da polícia local. Ele negou participação no episódio. Segundo fontes londrinas, as autoridades sul-africanas fizeram uma busca na residência de Mark, que após prestar depoimento foi colocado em prisão domiciliar.

"Estamos investigando acusações de contravenção à Regulação da Ata de Assistência Militar Estrangeira. Isto está ligado a um possível plano de financiamento e assistência logística e a uma tentativa de golpe de Estado na Guiné Equatorial", disse um porta-voz da polícia sul-africana, Makahosini Nkosi.

Sipho Ngwema, diretor do grupo antifraude sul-africano Scorpions, explicou à BBC londrina que a polícia local possui evidências concretas de que "Mark Thatcher financiou com seu próprio dinheiro a tentativa de golpe na Guiné Equatorial". 

Tentativa de golpe
Começa até o fim desta semana o julgamento de 17 pessoas acusadas de complô para derrubar o governo da Guiné. São sete sul-africanos, seis armênios e quatro guineanos. Os suspeitos foram presos no início de março e são acusados de conspiração, para derrotar o presidente do país, Teodoro Obiang Nguema.

As prisões aconteceram dois dias depois de as autoridades do Zimbábue prenderem 70 suspeitos mercenários no aeroporto internacional de Harare, preparados para lutar no golpe contra Nguema. O governo de Harare se negou a extraditar os 70 homens da Guiné Equatorial, que poderiam ser julgados em seu próprio país.

Além de Mark Thatcher, o empresário britânico Simon Mann, ex-oficial das SAS inglesas, também é acusado. Ele teria financiado a companhia mercenária militar "Executive Outcomes". Nas últimas semanas, a imprensa britânica revelou o vínculo entre Thatcher e Mann, que foi julgado pela possessão de armas na África do Sul.

Entrevistada, a baronesa Thatcher, conhecida como "Dama de Ferro", de 79 anos, disse em Londres: "Prefiro não comentar, é uma situação lamentável".



Conteúdo Relacionado