Pelo Mundo

Forças rebeldes entram em Trípoli

21/08/2011 00:00

Rebeldes líbios festejam tomada de controle da cidade de Sabratha, a 65 quilômetros de Tripoli (Reuters)

Créditos da foto: Rebeldes líbios festejam tomada de controle da cidade de Sabratha, a 65 quilômetros de Tripoli (Reuters)
Segundo a cadeia árabe Al Jazeera, os rebeldes líbios que, há sete meses lutam para derrubar o regime do coronel Muammar Kadafi, com apoio da OTAN, assumiram o controle do centro de Trípoli e da Praça Verde, símbolo da “Revolução Verde” do ex-homem forte da Líbia, e asseguraram ter capturado um dos filhos de Kadafi. “O fim do regime está muito próximo”, afirmou o Conselho Nacional de Transição (CNT).

O porta-voz da Aliança 17 de Fevereiro, Assil Tajouri, assinalou que os insurgentes controlam, pelo menos, a metade da capital e previu que, nas próximas horas, poderiam avançar ainda mais, “graças à entrada dos combatentes do oeste em Trípoli”. À noitem duas unidades de forças especiais rebeldes tinham conseguido infiltrar-se na capital com o apoio da OTAN, segundo o CNT, e tomaram o controle de diversos pontos da cidade.

A Al Jazeera informou a detenção no noroeste de Trípoli de dois filhos da Kadafi, Seif al Islam e Al Saadi. Assim como a captura em Maitika do coronel Al Jituni, considerado um dos principais dirigentes militares vinculados a Kadafi, de oito de seus colaboradores e de outros 42 soldados.

Por sua parte, o porta-voz do governo líbio, Musa Ibrahim, diminuiu a importância dos incidentes, dizendo que se tratava de “pequenos enfrentamentos com grupos reduzidos que duraram apenas meia hora”. Ibrahim sustentou que as forças leais, com o apoio de “voluntários”, conseguiram impor-se e que a capital está “totalmente segura”. “Alguns combatentes estrangeiros recrutados pelos rebeldes foram capturados vivos”, acrescentou.

Em uma mensagem transmitida pela televisão pública, Kadafi convocou o povo a contra-atacar os rebeldes: “É preciso pôr um fim a esta pantomima. Vocês devem marchar por milhões para liberar as cidades destruídas”, e qualificou a oposição de “ratos” e “agentes do Ocidente”. “Vamos em frente. Eles perderam, gastaram tudo e seu último recurso é sua campanha de mentiras”, denunciou.

Em resposta, o presidente do CNT, Mustafá Abdelyalil, chamou seus companheiros para que se preparem para a “última batalha”, assim como também pediu que se comprometam a proteger os bens públicos e privados, e evitem os saques na cidade de Trípoli.

Tradução: Katarina Peixoto

Conteúdo Relacionado