Pelo Mundo

Igreja Católica argentina abre fogo contra governo

04/12/2012 00:00

Horácio Verbitsky - Página/12

Buenos Aires - A Igreja Católica difundirá hoje um agressivo documento no qual denunciará pressões contra a liberdade de expressão e a independência do Poder Judiciário e incluirá pronunciamentos contra o caudilhismo, ao aprofundamento dos conflitos como forma de construção democrática, a insegurança, as cumplicidades com o narcotráfico, a situação dos jovens que não estudam nem trabalham e sua politização. Também criticará as políticas sociais de transferência direta de recursos aos sectores mais vulneráveis.

Não é habitual que os documentos eclesiásticos natalinos se tornem públicos um mês antes da data. Assim, estas “Reflexões dos bispos ao aproximarmos do Natal” parecem menos pensadas para celebrar o nascimento de Cristo do que o vencimento da medida liminar que vem adiando a aplicação plena da Lei de Serviços de Comunicação Audiovisual.

Outra particularidade é que o documento não foi discutido nem redigido pelos oitenta prelados que compõem a Assembleia Plenária. Esse corpo secionou há três semanas e seu tempo de discussão se dedicou a elaborar a resposta ao grupo de Cristãos para o Terceiro Milênio. Esses laicos, entre os quais estão o ex-embaixador Hernán Patiño Mayer, o deputado Felipe Solá, a defensora pública portenha Alicia Pierini e a socióloga Ana Cafiero, reclamaram pelo silêncio da Igreja diante das provocativas declarações do ex-ditador Jorge Videla a quem, apesar de seus crimes, não foi vedado o acesso a Eucaristia.

O documento elaborado no dia 8 de novembro, o mesmo dia da manifestação opositora no Obelisco, negou uma vez mais a documentada cumplicidade do Episcopado com a ditadura militar. A redação de um documento político de atualidade foi delegada então a uma comissão especial. Desde que o arcebispo de Santa Fé, José María Arancedo, substituiu na presidência do Episcopado o de Buenos Aires Jorge Bergoglio, os documentos eclesiásticos haviam diminuído sua hostilidade ao governo nacional e se concentravam em temas mais gerais de interesse para a Igreja, que se arroga a tutora nacional em questões éticas e sexuais.

Neste caso, porém, reapareceram os temas políticos que caracterizaram a gestão e a pena de Bergoglio. O documento levará a assinatura coletiva da 104ª Assembleia Plenária. Arancedo preside a Conferência Episcopal e o acompanham o bispo de Neuquén, Virginio Bressanelli, como vice-presidente 1º, o arcebispo de Salta, Mario Antonio Cargnello, como vice-presidente 2º, e o bispo auxiliar de Buenos Aires, Enrique Eguía Seguí, como secretário. Bergoglio continua sendo um dos vinte membros da Comissão Permanente, devido a seu cargo como arcebispo da Capital Federal.

“Depois de quase trinta anos de democracia, os argentinos correm o perigo de se dividirem novamente em grupos irreconciliáveis. Estende-se o temor de que se acentuem estas divisões e se exerçam pressões que inibam a livre expressão e a participação de todos na vida cívica”, dirão os bispos. “Todos os habitantes de nossa pátria necessitam sentirem-se respaldados por uma direção que não pense só em seus próprios interesses, mas que se preocupe prioritariamente com o bem comum.” Sem a menor referência à crise internacional e às medidas adotadas pelo governo nacional para impedir sua repercussão sobre o nível de emprego e as remunerações, os hierarcas católicos reclamarão “pela dignidade de nossos irmãos mais pobres em sua vida pessoal e familiar, para que sejam protagonistas de seu próprio desenvolvimento integral. A educação e o trabalho continuam sendo os instrumentos que permitem às pessoas e às comunidades serem artífices de seu próprio destino”. Fazia muito tempo que o Episcopado não questionava as políticas de transferência direta de recursos, como a Asignación Universal por Hijo (algo como o programa “bolsa família” brasileiro), que vários de seus membros elogiaram.

Em um tópico recorrente nos documentos eclesiásticos durante a gestão de Bergoglio e habitual nos pronunciamentos de meios de comunicação e dirigentes políticos da oposição, os bispos pedirão a Cristo “Concede-nos a sabedoria do diálogo” e dirão que a democracia não se constrói aprofundando os conflitos que existem em toda a sociedade, mas mediante os ideais da amizade social. Uma das sombras que os prelados vêm levantar-se contra “uma vigência mais plena da ordem democrática” é a do “excessivo caudilhismo, que atenta contra o desenvolvimento harmônico das instituições, acentua sua degeneração e menospreza a autonomia de cada um dos poderes do estado, tanto na ordem nacional como provincial. Isto é particularmente delicado quando se trata da independência do Poder Judiciário”.

O documento também incluirá uma referência ao federalismo e à república. O fará com uma citação da Oração pela Pátria, que o Episcopado difundiu durante a crise do fim do século, na qual dizia que “nos sentimos feridos e angustiados”. O texto que se tornará público hoje, agregará que o anseio dos bispos está contido na Constituição Nacional. “Queremos ser uma nação baseada efetivamente em um sistema republicano, representativo e federal.” Também não faltará o tópico clássico da reconciliação, que os bispos consideram como uma dívida pendente. “Se faz cada vez mais necessário gerar contextos de encontro, de diálogo, de comunhão fraterna que nos permitam reconhecermos e tratarmos como irmãos, superando o ódio e construindo a paz”, dirá. Esse é o tema em debate entre os bispos e os Cristãos para o Terceiro Milênio, que em sua segunda carta pediram que os bispos “façam cessar o público pecado de escândalo que se configura hoje, quando um criminoso convicto e confesso de delitos de lesa humanidade, sem arrepender-se nem manifestar vontade alguma de reparação das atrocidades cometidas, tem acesso ao sacramento da Eucaristia”.

Segundo os bispos, o país padece uma crise moral e cultural. Seu texto dirá que “a base de todos os direitos humanos” é a dignidade da vida desde a concepção até seu término natural e que o matrimônio entre varão e mulher, “anterior ao Estado, é a base de toda a sociedade e nada pode substituí-lo”. Como para a doutrina católica os pais são os primeiros responsáveis pela educação de seus filhos, o sistema educativo não deve impor-lhes “conteúdos contrários a suas convicções morais e religiosas”. O sistema educativo deve melhorar, de modo que seus principais beneficiários sejam os mais pobres. “A necessária preparação para a vida cívica de crianças e jovens deve excluir a politização prematura e partidária dos alunos.” Há uma enorme quantidade de jovens que não estudam nem trabalham e esta é uma desafiante hipoteca social. Ao referir-se ao que chamam “a proliferação do delito e da conseguinte insegurança”, os bispos as atribuem ao “crescimento do crime do narcotráfico e à rede de cumplicidades que o sustenta”.

Conteúdo Relacionado