Pelo Mundo

Judith Butler: O luto é um ato político em meio à pandemia e suas disparidades

 

04/05/2020 15:49

As enfermeiras da Universidade da Califórnia, em Irvine (UCI), mantêm uma vigília à luz de velas durante a mudança de turno do lado de fora do UCI Medical Center em Orange em 20 de abril de 2020, para protestar contra a falta de equipamento de proteção individual para os profissionais de saúde que tratam pacientes com a COVID-19. A vigília também homenageou os profissionais de saúde que contrairam a COVID-19. (Leonard Ortiz/MediaNews Group/Orange County Register via Getty Images)

Créditos da foto: As enfermeiras da Universidade da Califórnia, em Irvine (UCI), mantêm uma vigília à luz de velas durante a mudança de turno do lado de fora do UCI Medical Center em Orange em 20 de abril de 2020, para protestar contra a falta de equipamento de proteção individual para os profissionais de saúde que tratam pacientes com a COVID-19. A vigília também homenageou os profissionais de saúde que contrairam a COVID-19. (Leonard Ortiz/MediaNews Group/Orange County Register via Getty Images)

 

À medida que os cadáveres se acumulam e os necrotérios improvisados lutam com a sobrecarga causada pela pandemia da COVID-19, as questões de vulnerabilidade e luto tornam-se cada vez mais agudas. Como enlutamos pela morte em massa no curso de uma pandemia e em que medida nosso luto é político?

A teórica Judith Butler - cujo trabalho recente se concentrou em filosofias de vulnerabilidade e luto - argumenta aqui que “aprender a enlutar-se pelas mortes em massa significa marcar a perda de alguém cujo nome você não sabe, cuja língua você talvez não fale, que vive a um distância intransponível de onde você mora." E o luto público necessário neste momento também exige fazer perguntas políticas difíceis sobre as condições que estruturaram a magnitude e as disparidades da epidemia.

Na entrevista exclusiva de Truthout a seguir, Butler compartilha sua análise de como pensar sobre a vulnerabilidade à COVID-19 em termos políticos, o que significa mobilizar e aprender com o pesar privado e o luto em massa, e o papel da academia e dos intelectuais na atualidade. crise.

Butler é conhecida por suas décadas de trabalho em filosofia, feminismo e ativismo social em todo o mundo. Professora do Departamento de Literatura Comparada e do Programa de Teoria Crítica da Universidade da Califórnia, Berkeley, é autora de inúmeros livros influentes, incluindo “Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade”, “Vida Precária: Os poderes do luto e da violência”, “Corpos em aliança e a política das ruas” e e, mais recentemente, “The Force of Nonviolence [A força da não violência].

George Yancy: É difícil tentar articular como é viver essa pandemia compartilhada. Eu passo por sentimentos de profundo pesar, isolamento intolerável e até fantasias de pavor apocalíptico. Em outros momentos, há um senso de esperança e clareza.

Uma das muitas coisas que é muito clara para mim, embora de maneira alguma seja nova, é o quanto estamos interconectados, o quanto nos comportamos e tratamos os outros enganosa e perigosamente, sob os pressupostos e as práticas neoliberais. Somos, afinal, como você argumentou, "entregues desde o início ao mundo dos outros".

Seu ponto não poderia ser mais pertinente, no momento em que nos encontramos no meio de uma vulnerabilidade global sem precedentes. Fale sobre como você está pensando a vulnerabilidade neste momento, especialmente em termos da distribuição desigual dessa vulnerabilidade.

Judith Butler: Por um lado, a pandemia expõe uma vulnerabilidade global. Todos são vulneráveis ao vírus porque, sem imunidade, todos são vulneráveis à infecção viral proveniente de superfícies ou de outros seres humanos. Vulnerabilidade não é apenas a condição de ser potencialmente prejudicado por outro. Nomeia o caráter poroso e interdependente de nossas vidas corporais e sociais. Somos entregues desde o início a um mundo de outros que nunca escolhemos para nos tornarmos seres mais ou menos singulares. Essa dependência não termina precisamente na idade adulta. Para sobreviver, absorvemos algo. Somos afetados pelo meio ambiente, pelos mundos sociais e pelo contato íntimo. Essa suscetibilidade e porosidade definem nossas vidas sociais corporificadas.

O que outra pessoa expira, eu posso inspirar, e algo da minha respiração pode encontrar seu caminho para ainda outra pessoa. O traço humano que alguém deixa em um objeto pode muito bem ser o que toco, transmito a outra superfície ou absorvo em meu próprio corpo.

Os seres humanos compartilham o ar entre si e com os animais; eles compartilham as superfícies do mundo. Eles tocam o que os outros tocaram e se tocam. Esses modos de compartilhamento recíprocos e materiais descrevem uma dimensão crucial de nossa vulnerabilidade, entrelaçamento e interdependência de nossa vida social corporificada.

Por outro lado, a resposta do público à pandemia foi identificar “grupos vulneráveis” - aqueles com maior probabilidade de sofrer o vírus como uma doença devastadora e como uma ameaça à vida - e contrastá-los com aqueles que têm menor risco de perder suas vidas a partir do patógeno.

Os vulneráveis incluem comunidades negras e pardas privadas de cuidados de saúde adequados ao longo da vida e ao longo da história desta nação. Os vulneráveis também incluem pessoas pobres, migrantes, encarcerados, pessoas com deficiência, pessoas trans e queer que lutam para obter direitos à assistência médica e todos aqueles com doenças anteriores e problemas médicos duradouros. A pandemia expõe a vulnerabilidade ampliada à doença de todos aqueles que não têm acesso ou não podem pagar pelos cuidados de saúde.

Talvez haja pelo menos duas lições sobre a vulnerabilidade a seguir: ela descreve uma condição compartilhada da vida social, de interdependência, exposição e porosidade; ela nomeia a maior probabilidade de morrer, entendida como a consequência fatal de uma desigualdade social disseminada.

George Yancy: Acoplados a suas reflexões sobre a vulnerabilidade, estão temas como luto e pesar. Acho muito sério o fato de, neste momento, existirem tantos que estão desempregados. No entanto, a COVID-19 deixou inequivocamente claras as formas profundas de instabilidade econômica que sempre existiram, que são intrínsecas aos nossos modos de vida, nossos modos de ser complacentes com enormes diferenças econômicos, enormes diferenças de renda e riqueza.

Em resumo, as pessoas estão de luto e sofrendo, porque simplesmente não são economicamente seguras. Como mobilizarmos esse luto e sofrimento e nos apropriarmos deles, para que tenham algo a nos ensinar agora e no futuro?

Judith Butler: Para aqueles sem-teto ou desempregados, a previsão econômica não poderia ser mais desanimadora. Sem um sistema de saúde equitativo e que funcione, sem a afirmação da saúde como bem público e uma incumbência do governo, os desempregados são deixados a procurar alternativas para evitar adoecer e morrer por falta de cuidados.

Esta é a impressionante crueldade dos EUA que choca grandes porções do mundo. Muitos trabalhadores não estão apenas temporariamente desempregados, mas estão experimentando o colapso de seu mundo do trabalho, a perspectiva de não receber salário, a falta de moradia, uma sensação generalizada de serem abandonados pela sociedade à qual deveriam legitimamente pertencer.

Antes da pandemia, o horizonte futuro já estava de fechando ou já tinha se fechado para muitas pessoas forçadas a mudar de emprego, que não viram aumento real nos salários, e descobriram que aluguéis, dívidas e custos médicos pertenciam uma categoria em expansão dos “impagáveis”. Todo o seu senso de futuro é estruturado por essa dívida impagável: torna-se uma forma de servidão, infinita e sem fim.

O aumento radical da pobreza, agora, significa que a ansiedade e o medo se tornam a norma para muitos: como eles vão comer? Eles comerão com menos frequência e pior? Eles encontrarão abrigo? Como eles sobreviverão e aqueles que deles dependem?

Muitos estão ansiosos porque ainda não sabem quem ou o que ainda têm a perder, que partes do mundo serão irrecuperavelmente perdidas ou reanimadas de forma nova e truncada. Os que estão sofrendo agora podem muito bem estar se preparando para mais sofrimento, sem saber de que direção ele virá. A tristeza pela súbita perda da vida de alguém está ligada a uma sensação de choque de que, agora, este é um mundo no qual essas perdas podem acontecer, acontecem e acontecerão.

George Yancy: Muitos dos meus alunos, tanto de graduação quanto de pós-graduação, têm sofrido de maneira diferente. Alguns me disseram que a academia parece inútil e que as aulas durante esse período simplesmente não fazem sentido. Na verdade, os estudantes de filosofia têm sido particularmente francos. Eles estão achando difícil ler textos abstratos que parecem alheios à nossa situação existencial atual. Algum conselho?

Judith Butler: Alguns jovens, inclusive os meus alunos, temem que lhes esteja sendo pedido que façam luto pela perda da própria esperança. Mas não é um desespero irracional. Eles não aceitam as mentiras e as falsas promessas dos especuladores ou políticos que pedem a reabertura dos locais de trabalho sem qualquer consideração pelas vidas que não conseguiriam sobreviver à infecção.

Meus alunos de pós-graduação já não recebem salários decentes, com frequência moram em apartamentos superlotados, forçados a pagar aluguéis altos na área da baía de São Francisco e, às vezes, sofrendo de insegurança alimentar. Agora eles estão perguntando que caminho na vida acadêmica ainda está aberto para eles. Eles vivem uma profunda incerteza durante esse período, enquanto procuram se fundamentar em uma compreensão informada da pandemia. Eles precisam urgentemente de perdão da dívida e de um salário digno e são atraídos para iniciar ações para apresentar suas demandas claramente justas.

Como professora e orientadora, pondero como manter firme pelos jovens quando sua própria base está balançando? No ensino superior, somos confrontados com congelamentos de contratação, licenças sem remuneração, congelamento e cancelamento de cargos acadêmicos e de pós-doutorado. As artes e as humanidades já estavam lutando por um financiamento decente em um mercado de ensino superior que tende a recompensar os campos de STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) sem ver o quanto nossos tipos de conhecimento estão interconectados.

As questões básicas - como viver, como enfrentar a mortalidade e qual a melhor forma de entender o mundo - são aquelas que impulsionam as humanidades repetidas vezes. A crise de valores que estamos enfrentando é enorme, à medida que esquemas de custo-benefício de valores são impostos ao gerenciamento da vida, designando, com demasiada frequência, as vidas precárias como vidas dispensáveis. Não é de admirar que as pessoas estejam se voltando para poesia e música, escrita e arte visual, história e teoria para entender seu mundo pandêmico e refletir sobre a questão: o que vem depois que o mundo como o conhecemos se despedaça?

George Yancy: Muitas vezes fico sem palavras quando vejo a pilha de cadáveres e necrotérios improvisados, enquanto muitos de nós perecem como resultado dessa pandemia. Muitas vezes, depois de um assassinato em massa, mesmo que seja esquecido logo depois, nós, nos EUA, nos envolvemos em formas públicas de luto. Para muitas famílias, os rituais de enterro não podem ser realizados devido à disseminação do vírus. Que impacto profundo você acha que isso terá nas famílias e como podemos repensar as formas públicas de luto?

Judith Butler: Uma pergunta difícil: como guardar luto pelas mortes em massa? Sob condições de pandemia, as perdas são em grande parte suportadas na esfera privada. Voltamos para casa como local de luto, privados da reunião pública em que essas perdas são marcadas, registradas e compartilhadas. A internet reivindicou mais plenamente seu lugar como a nova esfera pública, mas ela nunca pode substituir totalmente as reuniões, privadas e públicas, que permitem vivenciar e tentar decifrar as perdas com outras pessoas.

Uma forma puramente privada de luto é possível, mas não pode amenizar o grito que deseja que o mundo testemunhe a perda. E com perdas públicas dessa magnitude e rápida sucessão delas, há questões políticas relacionadas à demanda de luto público: por que os estabelecimentos de saúde estavam tão mal subfinanciados e despreparados?

Por que o presidente dissolveu o comitê encarregado de preparar pandemias desse tipo? Por que não há camas ou respiradores suficientes? Por que os negros, os encarcerados e os migrantes correm mais risco de morrer do que aqueles que recebem assistência médica decente há anos? É possível sentir pesar por todas essas vidas perdidas, o que significa que são vidas dignas de reconhecimento, iguais em valor a todas as outras vidas, um valor que não pode ser calculado.

As imagens de altas pilhas de corpos no alto do Equador ou amontoados em armários em Nova Jersey ou no norte da Itália mostram que a infraestrutura dos hospitais está sobrecarregada e subfinanciada e que as condições não eram as adequadas para respeitar os mortos. As imagens chocam; eles contam uma história sobre a infraestrutura de saúde pública, as demandas sobre os profissionais de saúde, o custo emocional do distanciamento social quando os entes queridos não podem receber o corpo e o corpo morto se torna um problema logístico: empilhado, contado, transferido, armazenado. As imagens passam como clipes sensacionalistas.

O sequestro impõe uma sensação de um ambiente de morte e uma prática compartilhada de deflexão: "Não vamos nos concentrar no negativo!" Aprender a enlutar-se pelas mortes em massa significa marcar a perda de alguém cujo nome você não sabe, cuja língua você talvez não fale, que vive a um distância intransponível de onde você mora.

Não é preciso conhecer a pessoa perdida para afirmar que isso era uma vida. O que se lamenta é a vida interrompida, a vida que deveria ter tido a chance de viver mais, o valor que a pessoa carrega agora na vida dos outros, a ferida que transforma permanentemente aqueles que sobrevivem. O sofrimento de um outro não é o seu próprio, mas a perda que o estranho suporta atravessa a perda pessoal que sente, potencialmente conectando estranhos em luto.

George Yancy: Sabe, parece-me que nem estamos nos permitindo nos enlutar como nação. Talvez seja porque muitos estão morrendo todos os dias. Por outro lado, para aqueles a quem a economia é o que importa - especialmente para aqueles que expressaram o desejo de dar a vida para que a economia volte a prosperar, mas que, na realidade, estará simplesmente voltando a um estado normal de instabilidade e precariedade econômica - não está claro para mim que essas pessoas entendem a importância de expressar um pesar não relacionado ao mercado.

A única dor deles parece estar relacionada ao fato de que a máquina capitalista está sendo atingida. É como se muitos não estivessem destruídos ou com feridas abertas pela morte de outros seres humanos; ao contrário, eles estão em pânico pelo fato de o capitalismo estar sendo abalado. O que isso diz sobre a lógica moral (ou a falta dela) em relação a alguns em nosso país?

Judith Butler: Sim, estamos vendo o discurso da "saúde da nação" deslizar para "saúde da economia". O darwinismo social se estabeleceu em alguns círculos, especialmente nas discussões sobre "imunidade de rebanho". Alguns argumentam que a economia deve ser revigorada, mesmo que o vírus fique mais livre para circular, ameaçando a vida das pessoas mais vulneráveis.

Esse raciocínio assenta-se em um tipo particular de mentira, dizer que aqueles com maior probabilidade de sobreviver ao vírus (imaginados como jovens, equipados com cuidados de saúde desde o início da vida, saudáveis, brancos e sem doenças preexistentes) voltariam ao trabalho e à universidade enquanto o resto de nós permaneceria protegido em casa.

Embora alguns afirmem que os vulneráveis - uma nova classe - permaneceriam "protegidos" ficando fora do local de trabalho, isso significa simplesmente a intensificação do desemprego para muitos. E isso não é "proteção", porque aqueles "imunes" saudáveis, sem dúvida, transferem o vírus e afetam suas comunidades, incluindo seus pais e avós, e todos aqueles que não podem se dar ao luxo de ficar em casa.

Como “os vulneráveis” não são considerados produtivos na nova comunidade quase ariana, suas vidas não são valorizadas e, se morrerem, isso é aparentemente aceitável, pois não se imagina que sejam trabalhadores produtivos, mas que "drenam" a economia. Embora o argumento da imunidade do rebanho possa não fazer essa afirmação explicitamente, esse é o raciocínio está nele.

Reiniciar a economia sem assistência médica universal é sacrificar a vida daqueles cuja saúde ou assistência médica nunca foi boa. É intensificar as formas de desigualdade social e econômica que afetam desproporcionalmente os negros e todos aqueles que se qualificam como “vulneráveis” na pandemia.

Não é suficiente salientar que o trabalhador produtivo de volta ao local de trabalho e à esfera pública provavelmente sobreviverá à infecção viral, estabelecerá imunidade e continuará trabalhando; esse trabalhador é um potencial propagador quando infectado.

Este é um preço que alguns estão dispostos a pagar, mas devemos examinar atentamente a ética e a política de tal decisão. Para a "saúde" da economia, o vírus se espalha e prejudica a saúde da população, especialmente daqueles em condições precárias e com maior risco de morrer.

George Yancy: Para mim, esse nível de culto ao mercado e de domínio do mercado às custas da vida humana coletiva estava repulsivamente claro, desprezivelmente imoral, especialmente quando li que Trump supostamente ofereceu aos cientistas alemães, que estavam trabalhando em uma possível vacina contra o coronavírus, dinheiro para adquirir direitos exclusivos à possível vacina, para os EUA.

Esse tipo de atitude, se verdadeira, fala da interseção necropolítica entre nacionalismo cruel e desavergonhado, ganância capitalista e o desejo perverso de controlar quem morre e quem vive. É monstruoso pensar assim. O que isso diz sobre a vulnerabilidade diferencial e aqueles cujas vidas já foram marcados como “passíveis de luto” e aqueles pelos quais não se “observa luto”?

Judith Butler: Vejo que existem escritores e acadêmicos que estão assumindo posições utópicas e distópicas. Os utópicos tendem a comemorar a pausa global como uma oportunidade para refazer o mundo e realizar os ideais socialistas incorporados nas comunidades de assistência que surgiram recentemente. Eu entendo isso.

Os distópicos tendem a projetar no futuro a intensificação do controle e vigilância do Estado, a perda das liberdades civis e o desmantelamento das forças do mercado, incluindo tipos violentos de racionalidade do mercado que intensificam as desigualdades sociais e econômicas. Eu também consigo entender isso.

Estamos enfrentando uma luta intensificada e os resultados não podem ser previstos. A ansiedade política acelerou porque as formas convencionais de mobilização não estão disponíveis durante o bloqueio. No entanto, algumas trocas internacionais impressionantes estão ocorrendo entre institutos de pesquisa que buscam desenvolver uma vacina, ao mesmo tempo em que algumas empresas farmacêuticas estão claramente se posicionando para lucros obscenos.

A empresa alemã, CureVac, de quem Trump tentou garantir, para os EUA, direitos exclusivos a qualquer futura vacina, seguiu, aparentemente, na linha de pressionar pela demissão do CEO que tentou fazer esse acordo. Em seguida, afirmaram seu compromisso com as normas internacionais de distribuição de serviços de saúde, que determinam que os mais necessitados serão os primeiros a receber qualquer tratamento desenvolvido.

O desenvolvimento de padrões internacionais fortes e obrigatórios fará parte do caminho para garantir que quaisquer tratamentos efetivos que surjam não se tornem propriedade cara e exclusiva daqueles que podem pagar. O acesso desigual aos cuidados de saúde pode se intensificar ou ser devidamente examinado. Esse é o ponto principal da luta.

George Yancy: Por fim, não existe um livro de regras que especifique o que "intelectuais públicos" devem fazer durante crises sem precedentes como esta. Você tem alguma sugestão para aqueles de nós que podem ter acesso a espaços públicos maiores? Por outro lado, talvez essa questão seja sintomática de um problema mais profundo que cria uma falsa distinção entre "intelectuais públicos" e aqueles que "não o são". Talvez a questão nos afaste do que a COVID-19 exige - toda a energia crítica e amorosa das demonstrações.

Judith Butler: Minha impressão é que passamos do período de "intelectuais públicos" para uma demanda mais ampla pelas "humanidades públicas". Muitos estudantes e doutorados recentes estão perguntando como eles podem trazer sua formação de humanidades para o serviço público, como eles podem superar a divisão entre as culturas acadêmica e pública e mostrar o quão importantes são as humanidades para entender o mundo em que vivemos e fazer um novo caminho em direção a uma sociedade mais justa reflexiva.

Embora alguns, realmente, esperem que o intelectual público consagrado fale, na minha experiência, muitos estão ansiosos por criar condições para conversas, trabalhos criativos e críticos que expandam nossas ideias sobre por que a linguagem, a literatura, as artes visuais, a história são importantes para entender nosso mundo. Que mundo não pode ser reduzido à "economia" ou à "nação" e nem é totalmente definido pela pandemia.

Um sentido do mundo que pode aumentar e diminuir, como Ludwig Wittgenstein disse uma vez. De quem é a tarefa do mundo diante da desorientação e perda radicais? A corrida para a Netflix no meio do ambiente de morte pode ser entendida como uma prática autoanestesiante, desviando a realidade. Mas talvez sejamos atraídos pela questão de quem desenha e redesenha o mundo?

Algumas das ideias mais importantes em experiências históricas devastadoras emergem de histórias e imagens refratadas por outro tempo e espaço. Alexandria Ocasio-Cortez comentou recentemente que em um dos distritos de Queens que ela representa, as pessoas falam 200 idiomas.

A tradução é um aspecto maravilhoso e crítico da vida cotidiana dessa comunidade multilíngue. Nossas instituições públicas fariam bem em nos ajudar a pensar através de diferentes meios sobre persistência e perda, o que conecta e divide os seres humanos em comunidades, idiomas e regiões e qual o papel da imaginação crítica durante os períodos em que as questões são, claramente, crise e futuro.

*Publicado originalmente em 'Truthout' | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado