Pelo Mundo

Meu aviso ao presidente Biden: proteja os EUA de uma China em ascensão

 

18/02/2021 10:52

(Getty Images)

Créditos da foto: (Getty Images)

 
Quando fui prefeito do Condado de Miami-Dade, eu via de camarote as tentativas da China de controlar nossa importante infraestrutura e patrimônios. Essa experiência me levou a dar um conselho ao presidente Biden. Ele deve rejeitar os pedidos dos líderes do Partido Comunista Chinês (CCP) de enfraquecer nosso posicionamento na China e se comprometer a fortalecer todos os elementos não militares da política estrangeira estadunidense.

Mesmo com a propaganda que será abraçada por membros do CCP, não podemos nos dar ao luxo de esquecer que a China permanece o adversário geopolítico e econômico mais perigoso que nosso país enfrenta. A China se aproximará da nova administração com tons de reconciliação e vai insistir para que os EUA abandonem a estratégia de pressão máxima. Eles querem que os EUA comprem o novo sistema econômico que favorece os objetivos estratégicos da China às custas dos EUA e dos nossos parceiros e aliados importantes ao redor do mundo. Sobretudo, querem que acreditemos na mentira que a China será uma parceira boa e confiável no mundo e que a liderança chinesa é, na realidade, uma coisa boa.

Em meio a retóricas enganosas vindas dos círculos comunistas em Pequim, a China está utilizando uma ampla gama de táticas econômicas para diminuir a liderança estadunidense no exterior, interromper o mercado livre liberal na economia mundial, e recriar uma ordem mundial que depende da China para andar para frente. É por isso que os EUA devem continuar a desenvolver seu arsenal econômico de guerra para abordar a competição que a China representa – para proteger os negócios estadunidenses, nossas indústrias importantes e nosso posicionamento no mundo.

A CRRC, produtora estatal chinesa de material rodante, é uma das muitas empresas estatais chinesas que tentaram se inserir na infraestrutura estadunidense, tentando entrar em licitações para se tornar uma parte importante do sistema metroviário do Condado Miami-Dade. Estatais chinesas produzem diversos guindastes no Porto de Miami, nos deixando vulneráveis a uma situação em potencial na qual a China teria a habilidade de acessar informações sobre os produtos que estão sendo importados, o estado da nossa infraestrutura, e, de fato, a habilidade de controlar o acesso ao nosso porto. Essas vulnerabilidades são vistas em todo o país, desde o controle chinês de medicamentos genéricos usados pelo nosso exército até o controle chinês da cadeia de abastecimento de produtos que a maioria dos estadunidenses depende no dia a dia.

Em maior dimensão, a China está aumentando seus esforços para manipular os mercados globais com propósitos militares e de inteligência, explorar dados dos negócios estadunidenses, e roubar nossas tecnologias emergentes e cruciais. A China rejeitou inteiramente normas internacionais, usando conglomerados internacionais baseados na China como a Huawei para detectar e punir muçulmanos Uyghur, renunciando responsabilidade pela sua culpa extrema pela pandemia de covid-19.

Me sinto encorajado pelas declarações feitas pelo secretário de Estado Antony Blinken em suas audiências de confirmação quando ele disse que a administração Trump estava certa em perseguir um posicionamento mais agressivo com a China. Eu espero que esses sentimentos sejam replicados por toda a administração, particularmente com compromissos firmes da futura secretária de Comércio Gina Raimondo, garantindo que empresas como a Huawei permanecerão na lista proibida do departamento. Se a administração Biden pode se comprometer com a manutenção de uma estratégia de competição de grandes potências, então serei o primeiro ao lado do presidente Biden defendendo nossa nação das ameaças chinesas de dominação global.

Carlos Gimenez representa o 26º Distrito da Flórida

*Publicado originalmente em 'The Hill' | Tradução de Isabela Palhares

Conteúdo Relacionado