Pelo Mundo

O dinheiro da direita flui para preparar "jornalistas"

Embora os repórteres do Campus Reform não possam ser chamados de jornalistas, seus colaboradores fazem conexões com veículos de imprensa conservadores

16/11/2020 14:52

Ed Cottril, de Canonsburg, Pensilvânia, está em frente ao local de votação no campus da Penn State University na esperança de convencer outros estudantes a votarem em Donald Trump na eleição presidencial em 8 de novembro de 2016, no State College, Pensilvânia. Jeff Swensen / Getty Images

Créditos da foto: Ed Cottril, de Canonsburg, Pensilvânia, está em frente ao local de votação no campus da Penn State University na esperança de convencer outros estudantes a votarem em Donald Trump na eleição presidencial em 8 de novembro de 2016, no State College, Pensilvânia. Jeff Swensen / Getty Images

 

Quando o telefone de Alexia Isais registrou um Alerta Azul no início deste outono, informando-a de que houve um ataque a um policial local, ela rapidamente tuitou sua reação. “Todos eles podem cair no abismo e a sociedade seria melhor sem eles”, escreveu ela.

Isais, uma estudante de ciências políticas da Arizona State University, é conhecida por sua franqueza. “Como mulher mexicano-americana, tenho o direito de me opor às condições e instituições que arruínam a vida das pessoas”, disse ela a Truthout. Entre seus assuntos mais frequentes: abuso policial, racismo e supremacia branca.

A reação ao seu tuíte foi rápida. Isais foi imediatamente demitida de seu emprego como colunista do The State Press, o jornal estudantil da Universidade do Estado do Arizona, e recebeu dezenas de e-mails, ligações, tuítes, textos e mensagens do Facebook ameaçadores como "vá para o inferno, sua puta comunista" e "vou garantir que sua família se arrependa de ter tido você."

Mas por mais perturbador que isso tenha sido, Isais relata que os ataques não são novidade. Na verdade, a campanha para silenciá-la está em andamento desde o inverno passado, quando ela foi eleita para o Senado de Estudantes da Arizona State University, como representante do College of Liberal Arts and Sciences.

Os ataques altamente coordenados, diz ela, foram orquestrados por um grupo de 11 anos chamado Campus Reform, que treina estudantes conservadores para monitorar, vigiar e reportar o discurso e as ações de professores de esquerda, estudantes e grupos ativistas do campus para o blog diário do grupo.

O site do grupo Campus Reform justifica esses atos com hipérbole, alegando que "estudantes conservadores em campi universitários são marginalizados, ameaçados e silenciados" por um quadro de professores e administradores de esquerda que trabalham para afastar a juventude norte-americana do capitalismo, do livre mercado e das estruturas sociais que sustentam a homofobia, o racismo, o sexismo e a transfobia. A maior parte da crítica violenta do Campus Reform tem sido dirigida ao corpo docente e aos funcionários, mas os alunos - em particular os apoiadores do Estudantes por Justiça na Palestina e grupos de estudantes negros - também frequentemente se veem na mira do Campus Reform.

As coisas podem ficar bem feias. Os alvos do grupo geralmente experimentam uma onda de maledicência online. Para Isais, os ataques do Campus Reform incluíram rotulá-la de “comunista convicta e declarada” em quatro postagens separadas publicadas em seu site, uma das quais foi publicada pelo jornal The Arizona Republic.

Uma rede conectada

Mas então, o que é o grupo Campus Reform?

O grupo é um projeto do Leadership Institute (Instituto de Liderança), uma organização de 41 anos que foi fundada pelo peso-pesado da New Right (Nova Direita), Morton C. Blackwell. Blackwell é um aliado do falecido Paul Weyrich (cofundador da Heritage Foundation de direita, do American Legislative Exchange Council e da Free Congress Foundation); o conservador pioneiro da mala direta política Richard Viguerie; e Edwin Feulner, presidente da Heritage Foundation de 1972 a 2013 e de 2017 a 2018. Ao fundar o Leadership Institute, Blackwell concentrou-se no que entendia como a necessidade de conectar jovens libertários e conservadores uns aos outros, uma necessidade que ele identificou pela primeira vez nos anos 1970.

A visão de Blackwell é expansiva e ele tem trabalhado para fomentar a rede organizacional para conectar organizações estudantis de direita - e mentes jovens - ao movimento conservador mais amplo e bem estabelecido: The Heritage Foundation, The American Enterprise Institute, Americans for Prosperity, FreedomWorks, The Club for Growth, The Reason Foundation e a State Policy Network. Mas Blackwell também foi mais longe, observando que essas conexões não importariam, a menos que fossem investidos recursos para financiar o trabalho dos alunos.

O Leadership Institute, que teve um orçamento de quase US$ 17 milhões em 2018, tornou-se uma espécie de "casamenteiro financeiro". Graças às conexões do instituto, a equipe do Leadership Institute apresentou financiadores conservadores ao Campus Reform e outras redes estudantis de direita: Turning Point USA, The College Fix, The Clarion Project e o Middle East Forum Campus Watch.

O esquema tem sido eficaz. Fundações incluindo The Kirby, Uihlein and Lynde e Harry Bradley Foundations, bem como Donors Trust e Donors Capital Fund, organizações de dinheiro frio controladas pela família Koch, ficaram felizes em doar e doar muito.

Isso permitiu ao grupo Campus Reform atrair aspirantes a jornalistas para suas fileiras.

“Você terá uma experiência do mundo real e receberá como repórter”, orgulha-se seu site. Além disso, promete que os funcionários verão seus trabalhos publicados e podem "até ter a chance de discutir seus artigos na TV nacional". Treinamento e orientação de alto nível também são prometidos.

Treinando Jovens Conservadores

É aqui que entra o Leadership Institute, oferecendo treinamentos online e presenciais para educar jovens conservadores. O objetivo é fazer com que eles sigam uma linha conservadora-libertária na política que inclui a oposição à retirada de recursos da polícia e, ao mesmo tempo, treiná-los para serem líderes jovens. Os participantes também recebem aulas práticas, onde aprendem como conduzir entrevistas estratégicas na mídia e criar podcasts. Mais de 300 treinamentos ao longo do ano todo são realizados, todos gratuitos para participantes aprovados.

Valeu muito a pena.

Embora os repórteres do Campus Reform não possam ser chamados de jornalistas, seus colaboradores fazem conexões com veículos de imprensa conservadores, incluindo Breitbart, The Daily Caller, The Washington Free Beacon, The Drudge Report e National Review. Isso significa que as “reportagens” dos alunos para o Campus Reform - que normalmente envolve criticar um professor por criticar a governança dos Estados Unidos, ensinar sobre a história da desigualdade ou apoiar movimentos de justiça social - muitas vezes ultrapassa as fronteiras do campus e recebe atenção nacional.

Além disso, após a formatura, muitos alunos que trabalham como “repórteres” do Campus Reform são encaminhados rapidamente para empregos com legisladores conservadores, grupos de reflexão ou veículos de mídia. Pelo menos seis ex-alunos do Campus Reform agora trabalham para a Fox News; outros ex-alunos conseguiram cargos no Wall Street Journal, The Daily Caller, The Washington Examiner, CNN, The Georgia Law Review e National Review.

Isaac Kamola, professor associado de ciência política no Trinity College, estuda o Campus Reform desde 2017, quando o grupo perseguiu seu colega, o sociólogo Johnny Eric Williams, por tuítes condenando republicanos racistas e supremacistas brancos. Enquanto sua indignação fervia, ele sabia que tinha que agir. No início de 2020, ele e seu assistente de pesquisa, Sam McCarthy, organizaram “Campus Reform Early Responders” [Respondedores Rápidos para o grupo Reforma do Campus] para monitorar as postagens diárias do Campus Reform e notificar o corpo docente quando se tornarem alvos e oferecer conselhos práticos sobre o que fazer.

“Normalmente, uma vez que um professor é denunciado por dizer algo sobre os Estados Unidos terem sido construídos sobre uma base de supremacia branca, ou sobre desigualdade de gênero ou direitos trans, o grupo Campus Reform é alimentado e há um ataque superconcentrado por um curto período de tempo, com uma enxurrada de mensagens de ódio, ameaças ao indivíduo ou instituição e exigências aos administradores para que o professor seja demitido ou punido", diz Kamola. “Isso geralmente deixa muitos danos colaterais em seu rastro. Se a administração reagir mal e não apoiar a liberdade acadêmica e os direitos de liberdade de expressão do professor, isso pode sair do controle e deixar a instituição e o indivíduo abordados para cuidar do estrago”.

Isso também envolve aqueles que foram chamados para confrontar as táticas enganosas do Campus Reform e a narrativa de vitimização.

“Isso não é jornalismo. É pura indignação fabricada ”, diz Kamola. “Eles se manifestam e acusam as pessoas que criticam o racismo de serem 'não americanas', fazem com que os doadores financiem institutos que funcionam como cabeça de ponte no campus e pegam comentários fora do contexto para gerar uma fúria do tipo 'você acredita que eles disseram isso?', sem nenhuma tentativa de entender o contexto ou os argumentos que são expressos.”

Ainda mais insidiosa, Kamola diz, é a alegação de que os conservadores do campus são um eleitorado sitiado e oprimido.

De acordo com o Inside Higher Education, embora haja 11,5 democratas registrados para cada professor republicano, um relatório de 2016 não encontrou base para a alegação de que os professores conservadores estão insatisfeitos com sua escolha de carreira ou que sejam, de alguma forma, perseguidos.

Mas isso não impede o Campus Reform e outros grupos de estudantes conservadores de repetir esses contos. Graças a um relacionamento próximo entre os grupos Campus Reform e Turning Point USA, os ataques a professores progressistas têm sido constantes.

O Turning Point USA foi fundado em 2012 por Charlie Kirk, filho de Robert W. Kirk, o arquiteto gerente do projeto Trump Tower na cidade de Nova York. A “Lista de Vigilância de Professores” do grupo cita centenas de progressistas que supostamente estão doutrinando estudantes com mensagens anticapitalistas que ameaçam a sobrevivência da civilização ocidental. De acordo com Alex Kotch, escrevendo no PR Watch, quase metade do financiamento da Turning Point USA, US$ 11,1 milhões, veio da Donor’s Network [Rede de Doadores] controlada pela Koch entre 2014 e 2018.

A Truthout entrou em contato com a Campus Reform, a Turning Point USA e o Leadership Institute por e-mail e telefone para oferecer a eles a chance de responder às alegações feitas neste artigo, mas nenhum dos grupos respondeu.

Ataques contra adeptos das teorias raciais críticas

Jason Stanley, professor da cátedra Jacob Urowsky de filosofia da Universidade de Yale e autor de How Fascism Works: The Politics of Us and Them [Como Funciona o Fascismo: a política do nós e eles] foi fustigado pelo Campus Reform, depois de criticar a conclusão do professor emérito da Oxford, Richard Swinburne, de que “orientação homossexual é uma deficiência” na página de um amigo no Facebook em 2016. Stanley desde então tem sido um assunto frequente da causticidade do Campus Reform.

“Grupos como Campus Reform e Turning Point USA trabalham com publicações mais respeitáveis intelectualmente, como The American Conservative INational Review para criar impulso”, disse Stanley à Truthout. Inicialmente, diz ele, eles tinham como alvo professores efetivos e, embora tenham conseguido pressionar várias pessoas a deixarem seus empregos, “nos últimos anos, eles passaram a atacar professores menos protegidos e auxiliares para fazer com que fossem demitidos”.

O Campus Reform e Turning Point USA ,continua ele, vão atrás de pessoas que os desmascaram. “No momento, isso significa que eles estão perseguindo os desenvolvedores de teoria racial crítica”, pesquisas e escritos que se centram na opressão e na força das pessoas não brancas da sociedade norte-americana. “Eu considero como uma defesa do meu trabalho o fato de ter estado na mira deles”, continua Stanley. Ele também observa como seu privilégio de homem branco em Yale o protegeu da escala de ataques organizados contra pessoas não brancas, como Jasbir Puar e Brittney Cooper na Rutgers, e pessoas não-titulares em outras faculdades e universidades.

Ainda assim, Stanley dá crédito a Yale por ficar ao lado do corpo docente e diz que está grato que "do presidente para baixo, os administradores sinalizaram que apoiam nossos direitos à liberdade de expressão".

De fato, quando a colega de Stanley em Yale, Asha Rangappa, uma professora não-titular do Instituto Jackson para Assuntos Globais e analista política e jurídica da CNN, se viu como alvo da ira do Campus Reform neste verão, a faculdade foi rápida em defendê-la.

A campanha contra ela veio em resposta a dois tuítes. O primeiro foi uma reação à declaração da ex-embaixadora da ONU Nikki Haley de que não há racismo nos Estados Unidos: “Eu perguntei a ela por que, se isso é verdade, ela se chama de Nikki em vez de Nimarata, seu nome de nascimento”, disse Rangappa à Truthout. “Da segunda vez tuitei que há um terrorista biológico na Casa Branca.”

Os tuítes, reportados pela primeira vez pelo Campus Reform, foram posteriormente condenados por Breitbart, Daily Caller, Fox News e Washington Free Beacon.

“O Campus Reform não estava no meu radar antes disso. Não percebi que havia toda uma operação planejada que visa promover a ação disciplinar ou a demissão daqueles que perseguem”, diz Rangappa. “Como analista da CNN, estou acostumada a receber e-mails de ódio, mas esses e-mails, alguns dos quais incluíam fotos de satélite da minha casa, eram inquietantes. Foi uma intimidação e foi preocupante, mas me ajudou o fato de saber que centenas de outros professores têm sido alvos. Em ambos os casos, a indignação morreu em cerca de uma semana. Eles estavam procurando uma resposta para alimentar a história e, quando não conseguiram, seguiram em frente para outros casos.”

A estratégia de não engajamento, diz Jason Stanley, é fundamental. Ao mesmo tempo, ele diz que ser aberto, honesto e público sobre as visões políticas com os estudantes - seja o apoio à soberania palestina ou o apoio ao Black Lives Matter - é essencial

Kamola concorda. “A sociedade está mudando e aqueles que se beneficiam da estrutura de poder existente querem manter o que têm. Isso não está acontecendo apenas nos campi. Há mais atividade em geral pela direita e isso é reforçado pelas redes sociais”, afirma. “No final das contas, é sempre mais fácil atacar algo tão 'ultrajante' do que enfrentar a atrocidade.”

*Originalmente publicado em Truthout | Traduzido por César Locatelli

Conteúdo Relacionado