Pelo Mundo

O plano Televisa-Peña Nieto para conquistar a Presidência

29/12/2012 00:00

Jenaro Villamil - Proceso

Quando se dispõe de recursos ilimitados - e supostamente ilegais - é possível pagar preços estratosféricos por campanhas para transformar a imagem de políticos medíocres e de caráter questionável. A magia das mídias e gravações de audio e video com as equipes mais avançadas recriam um ambiente que só se pode ver nas produções cinematográficas de alto financiamento. No livro Peña Nieto: El Gran Montaje, do repórter da revista Proceso, Jenaro Villamil e que começará a circular nos próximos dias, conta-se a história de como a Televisa e sua produtora estrela lavraram o caminho do porta-bandeira priista à presidência. Abaixo trechos da obra.

México, D.F. - Em fins de agosto de 2010, véspera de seu Quinto Informe de Governo, Enrique Peña Nieto apareceu em um spot (propaganda de curta-metragem) de 43 segundos. Sentado numa caminhonete luxuosa, em camisa de mangas, imitando o estilo do mandatário estadunidense Barack Obama, o governador mexicano fez promoção de si em um monólogo sobre seus “compromissos compridos” e seu desejo incansável de servir seu governado.

O curta gerou polêmica por várias razões. A qualidade da imagem, próxima da produção cinematográfica, supunha um custo maior do que a produção tradicional deste tipo de propaganda. Transmitiu-se em sinal nacional desde 30 e agosto de 2010. Custeadas pelas tarifas comerciais da Televisa, o investimento subiu para 50 milhões de pesos, segundo o cálculo da direção nacional do PRD (Partido da Revolução Democrática). Deviam ser somados a este investimento as outras propagandas sobre os “compromissos cumpridos” que teriam custado 42 milhões de pesos.

“Estamos falando de quase 100 milhões de pesos num só mês, só em uma rede de tevê, sem contar extras, anúncios em jornais e spots em rádio”, afirmou Luis Sánchez, diretor do PRD mexicano, ao ser entrevistado sobre a queixa que levou às autoridades eleitorais.

Esse mesmo spot gerou o escândalo do ano seguinte sobre a misteriosa cena na casa da então presidente do TPEJF (Tribunal Eleitoral), Maricarmen Alanís, com representantes de Peña Nieto, em pleno processo de exoneração do tribunal a Montiel, já ex-governador e candidato presidencia do PRI.

Outro elemento mais importante não passou desapercebido pelos especialistas em produção destes spots. A propaganda foi filmada com câmera Phantom, uma das mais caras no mercado, para alcançar uma “qualidade cinematográfica”.

O spot tinha o selo do produtor permitido pela Televisa: Pedro Torres, o mesmo dos comerciais de Estrella del Bicentenario, curtas de três minutos que foram transmitidos nos horário de maior audiência do Canal 2 em 2010. O custo mínimo de uma série destes promocionais, como o de Yucután, foi de 20 milhões de pesos, segundo um estudo realizado pelo Diario de Yucatán.

O custo da produção de Pedro Torres sempre foi considerado o mais caro no mundo publicitário mexicano. Além disto, inclui uma chave secreta: o acesso privilegiado aos espaços do Grupo Televisa. Na verdade, contratar a empresa de Torres é uma condição que impõe o consórcio a seus clientes governamentais.

Informações da Televisão Mexicana advertiram que, pela primeira vez em 20 anos, a equipe de promoção, produção e realização desta rede de televisão pública havia sido desmantelada por completo para que a empresa Mediamates, propriedade de Torres, assumisse tudo relacionado com a produção estelar do Quinto Informe de Governo de Peña Nieto no Teatro Morelos.

Dois dias antes do evento, Torres reuniu uma equipe digna de uma produção cinematográfica: uma unidade móvel que munida de 16 câmeras, duas grúas e um téleprompter no teatro Morelos para que Peña Nieto pudesse ler seu informe, como se fosse um âncora de jornal ou de programa de shows.

O vínculo entre Mediamates e Peña Nieto se reforçou nos recentes anos. Converteram-se em suas principais dirigentes e produtores na posse da Presidência da República. Até finais de 2011 chamaram-no Projeto Jaime. Foi o nome chave que decidiram Pedro Torres e Alejandro Quintero para a produção de Peña Nieto como pré-candidato presidencial do PRI (Partido Revolucionário Institucional).

A partir de 2012 mudou seu nome para Projeto Jorge. Os detalhes de tudo relacionado com publicidade, produção de spots, assessoria em discurso, imagem, redes sociais, direção visual e “guerra suja” ou de contrastes com o adversário se conduziu nos escritórios de El Mall, a empresa de Pedro Torres, localizada no Centro Lomas Plaza, enfrente justamente da Fuente de Petróleos, na avenida Reforma y Periférico. A memória ingrata recorda este local por ser o mesmo onde estrelou o Learjet onde viajava Juan Camilo Mouriño, em novembro de 2008.

Supervisionado diretamente por Pedro Torres e por Alejandro Quintero, através de sua representante Montserrat Barrios, o Projeto Jorge foi de alta confidencialidade. Para Televisa engendrou o segredo mais bem guardado porque nele estão as provas de toda sua intervenção a favor de Peña Nieto na campanha de 2012. Para Peña Nieto e sua equipe esta intervenção foi oficialmente “inexistente”.

O ponto do Projeto Jorge era de não deixar provas fiscal nem contábil. Não há faturas, nem contratos. O dinheiro foi manuseado em espécie. Depositava-se através de empresas de transferência em espécie, segundo informações do pessoal interno, que pediu anonimato.

Os mesmos relatos internos calculam que só entre abril e junho de 2012, os meses mais intensos da campanha presidencial, a produção de spots de Peña Nieto e a “campanha de contrastes” (primeiro contra Josefina Vázquez Mota e logo depois contra López Obrador) tiveram um custo de mais de 200 milhões de pesos. Sobre o pagamento destes trabalhos não deixaram nenhum comprovante contábil.

No Projeto Jorge também trabalhou a publicitária Ana María Olabuenaga, assim como a responsável pelo gestão das redes sociais de Peña Nieto, Alejandra Lagunes, ex-diretores do Google México e do Grupo Televisa.

Durante meses, ambas trabalharam não somente para ter a melhor qualidade nas fotografias e dos vídeos em que aparece Peña Nieto, mas também para moldar a mensagem e o contra-ataque a seus adversários. Enviaram operadores de câmeras e fotógrafos a cada um dos comícios de Andrés Manuel López Obrador e do movimento #YoSoy132 para conseguir um acompanhamento ponto a ponto de cada um dos discursos e seus participantes.

Deste material surgiu o vídeo de “contraste” onde se escuta López Obrador falar supostamente a favor da via armada, no comício que liderou com estudantes em 21 de maio, na praça das Tres Culturas de Tlatelolco. O spot descontextualizou a participação do candidato do Movimento Progressista, mas sua produção teve um objetivo preciso: implantar a ideia de que o movimento nascente #YoSoy132 e López Obrador eram uma mesma coisa e estavam a favor do uso de violência.

(Trecho da reportagem publicada nesta semana na revista Proceso 1871, já em circulação)

Tradução: Caio Mello

Conteúdo Relacionado