Pelo Mundo

Pesquisa aponta: maioria apoia revoltas e discorda de Trump

 

03/06/2020 14:57

Multidão marcha em protesto contra a morte de George Floyd na ponte I-35W, sobre o rio Mississippi, em 31 de maio (Stephen Maturen/Getty Images)

Créditos da foto: Multidão marcha em protesto contra a morte de George Floyd na ponte I-35W, sobre o rio Mississippi, em 31 de maio (Stephen Maturen/Getty Images)

 
Enquanto o presidente Donald Trump ameaça invocar a Lei da Insurreição,para usar as forças armadas dos EUA contra os norte-americanos envolvidos nas manifestações em resposta ao assassinato de George Floyd, em Minneapolis na semana passada, as pesquisas até agora mostram que a maioria das pessoas não está feliz com a maneira como ele lidou com a situação.

De fato, os dados demonstram que a maioria dos americanos parece apoiar os protestos em geral.

Uma pesquisa da Morning Consult realizada em 31 de maio e 1º de junho - vários dias após o início das manifestações em protesto pelo assassinato de Floyd, nas mãos de um policial de Minneapolis que pressionou o joelho contra o pescoço de Floyd por quase 9 minutos - descobriu que 54% dos norte-americanos ou apoiam fortemente ou apoiam de alguma forma os protestos que estão acontecendo. Por outro lado, apenas 22% dizem que se opõem um pouco ou se opõem fortemente às manifestações.

Esses protestos têm muito mais apoio, de acordo com a pesquisa, do que os recentes apelos à “reabertura da América” que ocorreram semanas atrás (e que tiveram o forte apoio do presidente). A pesquisa sugere que apenas 28% dos entrevistados acham que aqueles protestos valem a pena, enquanto 46% dizem que se opõem a eles em um sentido geral.

Quanto aos confrontos entre manifestantes e a presença da polícia em eventos em todo o país, mais norte-americanos concordam com os pontos de vista dos manifestantes, com 55% da pesquisa da Morning Consult dizendo que a violência policial é um problema maior que a violência contra a polícia. Apenas 30% mantêm a opinião oposta.

A maioria dos americanos também não vê a resposta da administração de Trump aos protestos com bons olhos. Apenas 30% dos americanos acham que ele está lidando com a situação de maneira "Excelente", "Muito Boa" ou "Boa". Outros 11% atribuem a ele uma classificação "Justa", enquanto uma pluralidade de entrevistados (43%) diz que está fazendo um trabalho "Insatisfatório" até agora.

Na segunda-feira, Trump anunciou que pode invocar a Lei da Insurreição de 1807 para utilizar as forças armadas dos EUA em resposta aos manifestantes em todo o país. O ato foi usado pela última vez em 1992, em reação às manifestações ocorridas contra uma decisão em Los Angeles, Califórnia, que absolveu quatro policiais acusados de espancar Rodney King.

Trump explicou em um comunicado na Casa Branca que sua decisão de usar as forças militares contra os americanos poderia acontecer independentemente de líderes locais ou estaduais solicitarem sua presença ou não.

"Se uma cidade ou estado se recusar a tomar as ações necessárias para defender a vida e a propriedade de seus residentes, convocarei as forças armadas dos Estados Unidos e rapidamente resolverei o problema para eles", disse Trump, referindo-se a si mesmo como o "presidente da lei e ordem."

Trump também disse que é um "aliado de todos os manifestantes pacíficos" que atualmente participam de levantes em todo o país. Mas muitos questionaram a legitimidade dessa alegação, apontando declarações passadas em que ele expressava o desejo de dar um soco na cara dos manifestantes, bem como sua oposição vociferante a Colin Kaepernick que se ajoelhou, em protesto, durante a execução do hino nacional antes de um jogo da NFL.

*Publicado originalmente em 'Truthout' | Tradução de César Locatelli



Conteúdo Relacionado