Pelo Mundo

Pesquisa nos Estados Unidos aponta que 60% dos jovens dizem que vão votar em Biden e 27% em Trump

Segundo a medição do Instituto de Políticas de Harvard, 63% dos jovens dizem que pretendem votar ''com certeza''. Esse seria o maior percentual de voto jovem, superando inclusive de 2008, quando pesquisa semelhante disse que 59% apoiava Obama

23/09/2020 13:33

o ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden, candidato democrata às eleições presidenciais (EFE/Jim Lo Scalzo/Arquivo)

Créditos da foto: o ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden, candidato democrata às eleições presidenciais (EFE/Jim Lo Scalzo/Arquivo)

 
O Instituto de Política da Universidade de Harvard divulgou uma pesquisa na segunda-feira (21/9) mostrando o democrata Joe Biden com uma vantagem de 33% sobre o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, entre jovens de 18 a 29 anos.

Segundo os números, 60% dos entrevistados apoiam o ex-vice-presidente, enquanto 27% apoiam o candidato à reeleição. Em 2016, a candidata da democrata Hillary Clinton obteve 47% na mesma pesquisa.

Em outro aspecto da pesquisa, 63% dos entrevistados indicaram que votarão “com certeza”, uma cifra 26% mais alta que a de 2016, quando apenas 47% disseram que votariam.

A última vez que os jovens eleitores apoiaram tanto um candidato foi nas eleições de 2008, nas quais uma pesquisa semelhante mostrou que 59% dos jovens apoiava a candidatura do democrata Barack Obama (que terminou eleito) contra 30% favoráveis ao derrotado republicano John McCain.

A liderança de Biden também significa um salto de 10 pontos em comparação com a pesquisa de abril, quando ele marcou 51%, contra 28% de Trump. Mesmo assim, 44% dos jovens eleitores do presidente dizem que estão muito convencidos a participar da eleição, enquanto que no caso do candidato democrata apenas 30% asseguram que vão votar – nos Estados Unidos, o voto não é obrigatório.

“Mais de 15 milhões de jovens estadunidenses completaram 18 anos desde a última eleição presidencial. A chamada Geração Z enfrenta uma experiência única na vida, e em meio a uma pandemia global, instabilidade econômica e o problema racial”, analisou o sociólogo Mark Gearan, diretor do Instituto de Política de Harvard.

“Os jovens estão vendo em primeira mão o impacto do governo em suas vidas diárias e estão prontos para fazer suas vozes serem ouvidas nesta eleição”, completou o acadêmico.

Pouco mais de 23% dos jovens entrevistados classificaram a economia como a questão mais importante, em contraste com 6% que consideraram o tema prioritário em abril. Em outro âmbito, 42% acreditam que Biden cuidaria melhor da economia, em comparação com 34% que preferiram Trump, e outros 23% que dizem não acreditar em nenhum deles.

A pesquisa também mostra a posição dos jovens no debate sobre as vacinas para proteger da covid-19. Os Estados Unidos são o país mais afetado pelo vírus, com 6,8 milhões de contagiados e mais de 200 mil mortes, segundo dados do observatório da Universidade Johns Hopkins.

No entanto, apenas 25% dos entrevistados disse que pretende se vacinar contra a doença (com certeza), a maioria deles eleitores do Partido Democrata. Entre os eleitores do Partido Republicano, os 25% dão certeza contrária, de que não pretendem se vacinar – apenas 9% dos eleitores do Partido Democrata se negaria a tomar a vacina.

*Publicado originalmente em elDiario.es | Tradução de Victor Farinelli



Conteúdo Relacionado