Pelo Mundo

Presidente Trump, a pandemia e a política das eleições dos EUA em 2020

Trump parece estar agarrando à derrota em uma eleição que parecia ganha, fazendo quase exatamente o oposto do que pode ser considerado lógico

05/07/2020 14:44

Trump observa linha de montagem em visita à Honeywell, fabricante de máscaras protetoras para Covid-19 (Reuters/Tom Brenner)

Créditos da foto: Trump observa linha de montagem em visita à Honeywell, fabricante de máscaras protetoras para Covid-19 (Reuters/Tom Brenner)

 
O presidente dos EUA, Donald Trump, está com problemas. Ele está perdendo uma fatia de seus eleitores evangélicos brancos devido à maneira como ele lidou com os protestos após o assassinato de George Floyd pela polícia. Protestos em massa foram apoiados em todos os cantos do país e se espalharam pelo mundo. Simultaneamente, o coronavírus está infectando os norte-americanos rapidamente e se movendo para o coração político de Trump. Seu recente comício de retorno em Tulsa foi um fracasso completo, pois o local estava com menos de um terço da capacidade do local, e o comício do lado de fora foi cancelado, pois ninguém apareceu por medo de infecção. Outros eventos da campanha eleitoral foram cancelados. Trump está atrás de seu oponente presidencial, Joe Biden, nas pesquisas nacionais e de estados de disputa, incluindo a Flórida. E uma Suprema Corte que ele preencheu com direitistas esnobou-o várias vezes nas últimas duas semanas.

A exasperação entre os Trumpistas é palpável. O apresentador da Fox News e a líder de torcida de Trump, Tucker Carlson, resumiu sua frustração. Como Trump poderia estar se afundando tanto com dois "presentes políticos" em um ano eleitoral? A pandemia e os "tumultos e saques" após o assassinato de George Floyd pela polícia são esses "presentes". Normalmente, uma emergência nacional e uma série de "saques" etc. proporcionariam a qualquer presidente uma plataforma para parecer um representante presidencial do povo, a única figura verdadeiramente eleita nacionalmente, que em tempos de crise e dor fornece bálsamo para as feridas da nação, reúne o povo e fica acima da estreita política partidária e pessoal. E colhe as recompensas, o efeito da manifestação em volta da bandeira, de um povo agradecido.

Mas, de algum modo, Trump parece estar agarrando à derrota em uma eleição que parecia ganha, fazendo quase exatamente o oposto do que pode ser considerado lógico.

Por quê? Pode haver várias razões ou combinações de razões.             

A eleição está no bolso

Talvez Trump acredite que uma combinação de seus eleitores sólidos e leais em 2016, estratégias de supressão de eleitores em estados controlados pelo Partido Republicano, menor participação dos eleitores devido ao medo de infecção e uma campanha retórica contra o uso de correspondência, isto é, cédulas postais reverterão a eleição. Esta é uma possibilidade aceitável. Seu apoio pode ser sólido, mesmo que alguns evangélicos brancos e eleitores rurais percam a confiança no momento. Mas o comparecimento físico foi forte, com os eleitores dispostos a permanecer horas na fila para votar nas principais eleições. Trump parece ter galvanizado seus oponentes mais do que ele está incendiando sua base política. Veja os resultados intermediários de novembro de 2018 - um golpe devastador para Trump e o Partido Republicano.

Adiamento da eleição devido à COVID-19?

Isso iria contra a linha "tocar a vida com sempre", "a COVID está vencida". Mas o número e a taxa de infecções continuam aumentando - está quase fora de controle. Portanto, Trump poderia voltar à realidade e estar seguro de que a maioria de seus apoiadores o seguirá e pode influenciar eleitores mais independentes. E lembre-se da ambiguidade de Jared Kushner sobre se a eleição pode ser adiada devido ao coronavírus - e da brincadeira de Trump sobre a necessidade de recuperar dois anos perdidos de seu mandato devido à investigação de Robert Mueller. Vale a pena ficar de olho nessa possibilidade, mesmo que o poder sobre a convocação ou o adiamento das eleições esteja constitucionalmente nas mãos do Congresso, não da Casa Branca. Mas o presidente Trump não valoriza as normas constitucionais.

Não aceitar a derrota em novembro e se recusar a deixar o cargo?

Outro cenário ainda mais perigoso. Trump perde por pouco, declara a fraude dos eleitores e não há resultado imediato das eleições devido a recontagens e desafios legais. Ele teria até meados de janeiro de 2021 para agilizar seu apoio político em todo o eleitorado, apoiado por grupos de direita armados e policiais. Com uma maioria conservadora no Supremo Tribunal, poderíamos ter uma grande crise constitucional em novembro. E a liderança do Partido Democrata não mostrou apetite por mobilizações em massa contra os ataques de Trump aos direitos democráticos.

No entanto, um povo mobilizado por causa das desigualdades e sofrimentos da pandemia e da brutalidade letal da violência policial contra minorias e manifestantes, pode ter outras opiniões se Trump se apegar ao cargo. Nesse caso, os EUA enfrentam a perspectiva de conflitos políticos sangrentos, um resultado que há muito tempo é previsto por estudiosos e administradores de fundos de investimento.

Ele simplesmente não se importa com a reeleição, já conseguiu o suficiente

Não é o estilo dele, ele é um vencedor declarado, não um perdedor. Não há nada em seu comportamento que sugira que Trump já esteja satisfeito com seu tempo na presidência.

Desconstrução do estado americano

A razão pela qual ele se comporta de maneira contrária às expectativas de um presidente em tempos de crise é o seu sistema de crenças, sofrível como é. Portanto, ele está seguindo uma 'estratégia' delineada por seu antigo chefe de estratégia, Stephen Bannon. Refere-se basicamente a reduzir ou tornar inofensiva uma estrutura regulatória federal densa para gerenciar o meio ambiente, normas trabalhistas, assistência médica, emergências federais e similares, enquanto reforça os instrumentos coercitivos e o pessoal do estado - polícia, patrulhas de fronteira e imigração e fiscalização aduaneira.

A ameaça de convocar as forças armadas dos EUA contra manifestantes antirracistas e o uso de gás lacrimogêneo etc. contra manifestantes pacíficos, para abrir caminho para sair da Casa Branca para uma foto oportunista do lado de fora de uma igreja, conta a história. Os Trumpistas querem um estado fraco quando se trata de proteger as pessoas de pandemias, mas um estado forte quando se trata de suprimir os direitos democráticos e as normas constitucionais contra o 'estado profundo' e o 'inimigo interno' - ou seja, trabalhadores e minorias.

O corolário da desconstrução do estado administrativo está fortalecendo o poder corporativo e subscrevendo o mercado de ações - que também faz parte do sistema de crenças de Trump, perto do seu próprio coração plutocrático e interesse próprio.

O fim grotesco do neoliberalismo em decadência

Trump não é vítima de circunstâncias, nem é o autor do desenvolvimento e das circunstâncias históricas. Ele é "uma folha no turbilhão do tempo". Como o resto de nós, ele apareceu em um ponto específico da história em que ele teve uma participação relativamente pequena. Ele chegou ao final de décadas de ascendência neoliberal - o princípio declarado no discurso de posse pelo Presidente Reagan em 1981: "O governo não é a solução para o nosso problema, o governo é o problema." Ele estava se referindo ao "estado social" que favorece idosos, pobres e doentes, é claro, patrocina o estado de bem-estar.

E quando olhamos para a história dos EUA desde o final do século 19, passando pela era progressista até a Primeira Guerra Mundial, o New Deal na década de 1930, o Fair Deal na década de 1950 e os programas da Great Society da década de 1960, vemos uma linha clara de desenvolvimento. O crescimento do governo federal americano, assumindo a responsabilidade, gerenciando uma sociedade e uma política complexas, industrializantes e em crescimento, cada vez mais incorporadas e gradualmente subindo para liderar o mundo.

Mas o princípio de Reagan tem sido aplicado desde 1981 com consequências deletérias, não apenas em termos de maior desigualdade e privação social, mas também de tribalização ideológica-política racializada e um declínio significativo na legitimidade dos dois principais partidos políticos do governo. Os candidatos à mudança e os 'forasteiros' se tornaram populares como resultado. Obama prometeu mudanças, mas não cumpriu. Entra Donald Trump.

               

Então, quando o presidente Trump declarou que não é responsável, e o governo federal também não, por lidar com os efeitos da pandemia do COVID-19 em cidades e estados, especialmente aqueles dirigidos por democratas, ele estava dando uma reviravolta brutalmente cruel, mas essencialmente praticando um mantra neoliberal que se tornou a posição dominante de consenso na política partidária.

É uma posição grotesca de se tomar. Duvido que qualquer outro presidente dos EUA possa replicá-lo inteiramente. Trump é um ponto fora da curva. Sua posição é desajeitada, divisiva, indiferente e até imoral. Mas, como foi apontado com tanta frequência durante o reinado do presidente Trump, ele é o rosto sem adornos e “verdadeiro” do poder norte- americano - ou, mais precisamente, o poder e o pensamento de suas elites de poder. Aqueles que obtêm a maior parte do que há para se obter na vida econômica e política. O reduzido grupo de vencedores dos Estados Unidos.

O presidente Trump é um ponto de extrema direita fora da curva, sem dúvida. E apenas por esse motivo, os norte-americanos fariam bem em entregá-lo à lata do lixo da história em novembro. Mas esse consenso neoliberal subjacente que detesta impostos sobre os ricos e um papel social para o Estado, tão minado como tem sido pelas necessidades da pandemia, permanece poderoso. É improvável que a luta política norte-americana acabe apenas porque Trump perde as eleições de 2020.

Inderjeet Parmar é professor de política internacional na City, University of London, professor visitante na LSE IDEAS (o think tank de política externa da LSE) e pesquisador visitante no Rothermere American Institute da Universidade de Oxford.

*Publicado originalmente em 'The Wire' | Tradução de César Locatelli



Conteúdo Relacionado