Pelo Mundo

Presidente mexicano ignora restrições contra coronavírus para cumprimentar mãe de El Chapo

Andrés Manuel López Obrador provoca perplexidade e desprezo ao visitar cidade natal do chefe do tráfico em Sinaloa

03/04/2020 11:17

Presidente Andrés Manuel López Obrador, segundo um jornalista mexicano,

Créditos da foto: Presidente Andrés Manuel López Obrador, segundo um jornalista mexicano, "não conseguiu manter uma distância saudável - em mais de um sentido". (Henry Romero/Reuters)

 
O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, provocou perplexidade ao visitar a cidade natal do chefe de tráfico mais infame do país e cumprimentar a mãe do mafioso – mesmo com o apelo do seu próprio governo para os mexicanos permanecerem dentro de casa.

O ministro-adjunto da Saúde do México implorou aos 130 milhões de cidadãos do país que não saíssem de casa como uma proposta “urgente” para evitar a disseminação do coronavírus.

Mas menos de 24 horas depois, López Obrador ignorou esse conselho e viajou até Badiraguato – a cidade natal e território familiar de Joaquim “El Chapo” Guzmán, o mundialmente famoso chefe do narcotráfico que foi preso no ano passado nos EUA.

Localizada no estado nortenho de Sinaloa, Badiraguato faz parte do chamado Triângulo de Ouro do México, uma região pobre e montanhosa de plantação de maconha e papoula no coração do comércio de drogas do país.

A controvérsia não parou por aí.

Vídeos mostrando o populista de esquerda – que a maioria chama de Amlo – apertando a mão da mãe idosa de El Chapo, María Consuelo Loera Pérez, enquanto estava sentada em seu carro, viralizaram.

“Não saia do carro”, pode-se ouvir Amlo dizendo à mulher de 92 anos, antes de adicionar: “recebi sua carta”.

Também visível no vídeo, colocando seu braço em torno do presidente mexicano, está um homem identificado como José Luis González Meza, representante da família Guzmán.

Amlo tem sido amplamente criticado por sua resposta apática ao coronavírus, e sua saída incitou ainda mais ódio – com muitos observando que a visita coincidiu com o 30º aniversário do filho do El Chapo, Ovidio Guzmán López.

Em outubro passado, pistoleiros fortemente armados do cartel paralizaram Culiacán, capital de Sinaloa, de modo a proteger a saída de Ovidio depois de sua casa ser invadida pelo exército.

“É muito difícil entender o que o presidente fez hoje em Badiraguato”, tuitou o jornalista mexicano Pascal Beltrán del Río.

Amlo “falhou em manter uma distância saudável – em mais de um sentido”, ele adicionou.

Marko Cortés, líder da oposição do Partido da Ação Nacional (PAN), descreveu o encontro como um insulto às vítimas dos cartéis mexicanos e aos membros das forças armadas que arriscaram suas vidas para enfrentá-los. “Você deve explicar urgentemente sua conexão com essa família”, tuitou Cortés.

Ioan Grillo, autor do livro El Narco: Por dentro da insurgência criminal do México, disse que a visita de Amlo foi um erro.

“Ele precisa estar 100% do tempo liderando o país na luta contra essa pandemia. Esse é um tipo terrível de distração...nada disso ajuda Amlo ou o país”, adicionou Grillo.

Amlo, que estava fazendo sua segunda visita à Badiraguato desde que foi empossado em 2018, prometeu tirar a negligenciada região produtora de drogas da pobreza.

Escrevendo no Twitter, o líder mexicano disse que visitou a região de Sierra Madre “para se conectar com comunidades e vilarejos marginalizados”.

Amlo defendeu suas ações em uma coletiva de imprensa na Cidade do México descartando o “escândalo” referente ao seu encontro com a mãe do El Chapo, que ele alegou estar sendo alimentado pelos mexicanos conservadores.

“Eles me disseram que ela estava lá e que queria me cumprimentar então eu saí do meu carro e a cumprimentei. Ela é uma mulher de 92 anos”, disse o presidente mexicano.

A corrupção era a “praga” do México, insistiu Amlo, “não uma pensionista que merece todo meu respeito – independentemente de quem seja seu filho”.

“Às vezes, por causa do meu trabalho, tenho que dar a mão à criminosos de colarinho branco” adicionou Amlo. “Então porque eu não poderia dar a mão a uma senhora idosa?”

A presidência do país publicou a carta que a mãe do El Chapo havia enviado a Amlo no mês passado.

Nela, ela lamentava ter seu visto para visitar o filho nos EUA negado e pedia a Amlo – quem chamou de “irmão em Cristo” – para ajudá-la a visitá-lo. “Faz mais de cinco anos que eu não o vejo”, ela escreveu.

*Publicado originalmente em 'The Guardian' | Tradução de Isabela Palhares



Conteúdo Relacionado