Pelo Mundo

Sobrinha de Trump lançará livro sobre transtornos do tio

Aqui estão algumas das passagens mais reveladoras e incendiárias do novo livro de Mary Trump

09/07/2020 14:43

(Pete Marovich/Getty Images)

Créditos da foto: (Pete Marovich/Getty Images)

 
Um novo livro da sobrinha de Donald Trump, Mary Trump, descreve o presidente como uma pessoa provavelmente afligida por múltiplos distúrbios psicológicos e profundamente inadequada para ser presidente.

Mary Trump é filha do irmão mais velho do presidente, Fred Trump Jr., um piloto de avião que sofria de alcoolismo e morreu de ataque cardíaco aos 42 anos. Ela é psicóloga clínica e doutora pela Universidade Adelphi, em Nova York.

O irmão mais novo do presidente, Robert Trump, está tentando impedir a publicação do livro, “Too Much and Never Enough: How My Family Created the World's Most Dangerous Man” [“Demais e Nunca o Suficiente: como minha família criou o homem mais perigoso do mundo”], cópias do qual já foram distribuídas para a mídia. A editora Simon & Schuster na segunda-feira (6/7) mudou a data de publicação para a próxima terça-feira.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, disse a repórteres na terça-feira que o livro está cheio de "falsidades e é só isso".

Sarah Matthews, outra porta-voz da Casa Branca, disse: "Mary Trump e a editora de seu livro podem alegar estar agindo no interesse público, mas este livro é claramente do próprio interesse financeiro da autora. O presidente Trump está no cargo há mais de três anos trabalhando em nome do povo americano — por que falar agora?"

Uma cópia do livro foi compartilhada com o site POLITICO. Aqui estão algumas de suas alegações mais reveladoras e incendiárias:

1. Trump fraudou o SAT [exame dos EUA similar ao Enem]

Mary Trump, filha do falecido irmão mais velho do presidente Fred Trump Jr., acusa o presidente de ter pago um amigo para fazer o SAT para ele, quando ele era adolescente e estava se candidatando à faculdade.

"Isso era muito mais fácil de conseguir antes que as fotos de identificação e os registros se tornassem informatizados. Donald, que nunca sofreu de falta de recursos, pagou muito bem ao amigo", escreve Mary Trump no livro. A irmã de Donald Trump, Maryanne Trump Barry, também frequentemente fazia o dever de casa para ele durante o ensino médio, alega a autora, o que ajudou a levá-lo para a Universidade da Pensilvânia. Matthews, o porta-voz da Casa Branca, chamou a alegação de fraude no SAT de "absurda" e "completamente falsa".

2. A irmã de Trump o chamou de "palhaço" depois que ele anunciou sua campanha presidencial

Trump Barry, uma juíza aposentada do tribunal federal de apelações em Nova Jersey, considerava seu irmão Donald "um palhaço" que nunca poderia ganhar a presidência, escreve Mary Trump.

Em um almoço com a autora, depois que Donald Trump anunciou em 2015 que concorreria à presidência, Trump Barry disse que seu irmão não tinha "princípios. Nenhum!" e que "a única vez que Donald foi à igreja foi quando as câmeras estavam lá. É estarrecedor."

Trump Barry também observou que os negócios de seu irmão faliram cinco vezes e que ele estava explorando o falecido pai de Mary, Fred Trump Jr.

"Ele está usando a memória de seu pai para fins políticos, e isso é um pecado, especialmente porque Freddy deveria ter sido a estrela da família", a autora se lembra de sua tia dizer.

3. Trump disse que "mal conhecia" sua nora

Em um jantar em família na Casa Branca em 2017, Donald Trump disse que não conhecia bem sua nora Lara Trump, embora ela estivesse com o filho do presidente Eric Trump há quase oito anos.

"Lara, ali. Eu mal sabia quem ela era, honestamente, mas então ela fez um grande discurso durante a campanha na Geórgia me apoiando", disse o presidente, de acordo com o livro.

4. A sobrinha de Trump diz que ele sofre de múltiplos distúrbios psicológicos

Além de acreditar que seu tio se encaixa nos nove critérios do narcisismo clínico, Mary Trump acredita que ele também pode sofrer de transtorno de personalidade antissocial, transtorno de personalidade dependente e uma "longa incapacidade de aprendizagem não diagnosticada que por décadas interferiu em sua capacidade de processar informações".

Ela também acha que ele pode sofrer de um distúrbio do sono induzido pela cafeína, resultado das várias Coca-Colas Diet que ele supostamente bebe diariamente. Perguntado sobre a alegação do narcisismo, McEnany disse na terça-feira: "Isso é ridículo. Alegações absurdas que não têm qualquer base de verdade."

5. A irmã de Trump também lhe disse para "deixar seu Twitter em casa" antes de se encontrar com Kim Jong Un

Trump Barry, a juíza federal aposentada, ligou para a Casa Branca em junho de 2018 para alertar seu irmão sobre seus negócios com o ditador norte-coreano Kim Jong Un, antes de se encontrar com ele. Sua mensagem para a secretária do presidente: "Diga a ele que a irmã mais velha dele ligou com um conselho fraternal. Prepare-se. Aprenda com quem sabe o que está fazendo. Fique longe de Dennis Rodman. E deixe seu Twitter em casa."

6. A personalidade de Trump é o produto de sua relação com sua mãe

A autora sugere que a personalidade de Donald Trump é moldada pela relação fraca que ele teve quando criança com sua mãe, que também se chamava Mary Trump. Por causa disso, a sobrinha do presidente sugere que Donald Trump se voltou, quando criança, para seu pai, que não era um pai afetuoso.

"Donald sofreu privações que deixaram cicatrizes para a vida toda" e desenvolveu traços de personalidade como "demonstrações de narcisismo, bullying e megalomania" como resultado, escreve a autora. Matthews, a porta-voz da Casa Branca, disse em um comunicado: "O presidente descreve a relação que tinha com o pai como calorosa e disse que seu pai era muito bom para ele. Ele disse que seu pai era amoroso e não era nada duro com ele quando criança.

7. O pai do presidente usava linguagem antissemita

O pai de Donald Trump, Fred Trump Sr., que era um construtor de imóveis em Nova York, frequentemente usava o termo antissemita "Jew me down". [expressão com o sentido de pechinchar, mas que faz referência ofensiva aos judeus]

Tanto Fred Trump Sr. quanto Donald Trump foram processados pelo governo dos EUA no início da década de 1970 por supostamente discriminar afro-americanos.

8. Histórico de comentários cruéis de Trump sobre aparência física das mulheres se estende à sua família

Ao escrever uma sequência do best-seller "Art of the Deal" [A Arte da Negociação], Trump se registrou reclamando de mulheres que não queriam sair com ele.

"Era um magoado compêndio de mulheres que ele esperava namorar, mas que, tendo se recusado, eram subitamente as piores, mais feias e gordas desleixadas que ele já conheceu", Mary Trump, que ajudou no livro de seu tio, escreve em "Too Much and Never Enough".

Em outro ponto de suas interações, Trump até fez um comentário grosseiro sobre os seios de Mary Trump depois de vê-la de maiô. "Caramba, Maria. Você está peituda", teria dito o presidente. Sua esposa na época, Marla Maples, deu-lhe um tapa de leve no braço. Mary descreve seu rosto avermelhando após o comentário de seu tio.

9. Trump foi ao cinema em vez de ir ao hospital quando seu irmão mais velho morreu

No dia em que o irmão do presidente, Fred Trump Jr. estava morrendo no hospital em 1981, Trump e sua irmã Elizabeth foram ao cinema, escreveu Mary Trump em seu livro. Ninguém da família acompanhou Fred Trump Jr. ao hospital.

*Publicado originalmente em 'Politico' | Tradução de César Locatelli



Conteúdo Relacionado