Pelo Mundo

Telesur começa a funcionar no dia 24 de julho

04/07/2005 00:00

 www.alia2.net

Créditos da foto: www.alia2.net
Proposta pelo governo da Venezuela e apoiada pelos governos da Argentina, Uruguai e Cuba, começa a funcionar experimentalmente no próximo dia 24 de julho a Telesur (TV Sul), canal de comunicação que nasce comprometido com "a luta pelas transformações sociais, pela democratização da comunicação e pela integração latino-americana", conforme diz comunicado assinado pelo diretor do novo veículo, Beto Almeida. "Com uma saudação fraterna e de luta, lhes escrevemos esta mensagem para pedir sua ação, seu esforço, sua dedicação, sua solidariedade e seu talento, para tarefa altamente revolucionária de criar uma rede de recepção da TV Sul no Brasil", afirma o texto.

 

Sediada em Caracas, a Telesur iniciará suas transmissões através do satélite NSS 806, onde o sinal estará disponível, gratuitamente. "Será uma programação de combate, com um jornalismo para desvendar os mistérios da exploração,  para desmascarar a manipulação informativa da mídia capitalista, e também para mostrar nossa história, a brava história dos povos latino-americanos, nossa música, nossa dança, nossa cultura, nosso talento, e o lindo caminho que temos a percorrer pela integração latino-americana, seguindo a heróica caminhada de Bolívar, de Guevara, Abreu e Lima e tantos e tantos que deram a vida por esta Pátria Grande", explica ainda o comunicado assinado por Beto Almeida. "É o início de uma nova era na televisão mundial", assegura o diretor.

 

Segundo ele, a idéia é fazer com que a TV Sul chegue ao maior número de lares possível no Brasil e em toda a América Latina. Para atingir esse objetivo estão sendo mantidas conversações com operadoras de cabo em vários países e também com tvs comunitárias, universitárias, educativas, públicas e regionais. "Com a instalação de um equipamento simples - um receptor digital de satélite e uma antena parabólica  -  com o custo estimado em 950 reais aproximadamente, o sinal da TV Sul poderá ser captado e retransmitido por qualquer uma destas emissoras, gratuitamente,  de acordo com o formato de sua própria programação, a critério destas emissoras retransmissoras", informa o comunicado de Beto Almeida.

Uma "rebelião das antenas"

O diretor fala de uma "rebelião das antenas" ao comentar os objetivos do trabalho que inicia em julho: "Esta é a proposta: assumirmos o desafio de encontrar, através da nossa consciência, nossa solidariedade, nossas iniciativas talentosas e inteligentes, as formas para conseguir os recursos para instalar o maior número possível destas antenas parabólicas  -  a rebelião das antenas -  seja nas tvs comunitárias, mas também nos sindicatos, entidades culturais, associações, cooperativas, assentamentos rurais, universidades, escolas de jornalismo etc. Que escapemos do cerco da CNN, das grandes empresas de mídia que deformam e insultam a luta dos nossos irmãos bolivianos, do povo venezuelano que está prestes a erradicar definitivamente o analfabetismo, do bravo povo cubano que envia milhares de médicos e professores para promover vida e dignidade em vários cantos do mundo".

"Queremos", diz ainda o comunicado de lançamento da emissora, "conhecer verdadeiramente o que ocorre com a luta dos irmãos zapatistas no México, do nosso povo irmão explorado dos EUA, queremos uma televisão sem baixarias, sem culto ao consumismo ou à violência". "E é isto o que temos que ajudar a realizar, criando a Rede TV Sul, que além de receber, poderá também alimentar esta televisão libertadora, enviando vídeos de produtores independentes, documentários ou reportagens sobre a luta do povo brasileiro, para que o mundo conheça verdadeiramente quem somos", acrescenta.

 

O texto termina fazendo uma convocação a sindicatos, TVs Comunitárias, movimento de Rádios Livres, MST, pastorais de luta de todas as igrejas, universidades, a UNE, a CUT, "para que no dia 24 de julho tenhamos o maior número possível de  tvs comunitárias equipadas e repetindo o ato de nascimento da TV Sul". E sugere que, numa primeira fase, todas as tvs comunitárias do Brasil  - são 60  em funcionamento nas capitais e grandes cidades - estejam equipadas para transmitir a inauguração de TV Sul no dia 24 de julho. Posteriormente, o que for de maior interesse de cada uma poderá ser adequado às respectivas grades de programação. 

"Com TV Sul nasce um novo tempo, uma era de integração da América Latina e dos povos do sul, acompanhando o chamado da Revolução Bolivariana da Venezuela", encerra o comunicado, reafirmando a linha editorial que deverá marcar a atuação da emissora: " que vençamos todos os obstáculos existentes para termos acesso á verdade, à cultura, às imagens da transformação social dos povos do mundo, instalando estas antenas libertárias. Na TV Sul haverá o cinema latino-americano tão silenciado e boicotado; haverá jornalismo não controlado pelas transnacionais e bancos que ao anunciar ditam a linha editorial, haverá o espaço para contar a verdadeira história da nossa resistência secular de negros, indígenas e campesinos, e a arte e o talento de nossas artistas censurados e de nossos intelectuais libertários tão ignorados e desrespeitados  pela mídia comercial".

 

Mais informações sobre o funcionamento da TV Comunitária de Brasília podem ser obtidas pelo fone (61) 3343-2713 ou pelo e-mail tv@tvcomunitariadf.com.br.


 

 

 


Conteúdo Relacionado