Pelo Mundo

Texas, terra do vento e das mentiras

Quando a política da pós-verdade se encontra com a política energética

04/03/2021 15:22

(Aaron M Sprecher/EPA, via Shutterstock)

Créditos da foto: (Aaron M Sprecher/EPA, via Shutterstock)

 

Políticos não são deuses nem santos. Pelo fato de não serem deuses, eles frequentemente tomam decisões políticas erradas. Pelo fato de não serem santos, eles frequentemente tentam se isentar das responsabilidades pelas suas falhas, afirmando ou que fizeram o melhor que qualquer um teria feito ou que outra pessoa merece a culpa.

Por um tempo, a política que cercava as interrupções de poder que se espalharam pelo Texas parecia normal. É verdade, os líderes do estado perseguiram políticas inconsequentes que geraram catástrofes, então tentaram se isentar de responsabilidade. Mas enquanto o comportamento deles foi repreensível, foi repreensível de maneiras que vimos serem repetidas muitas vezes no decorrer dos anos.

No entanto, isso mudou cerca de um dia após a severidade do desastre se tornar aparente. Políticos Republicanos e a mídia de direita, não contentes com a mudança na transferência de culpa, se juntaram em torno de uma inverdade maliciosa – a alegação de que a energia solar e eólica causaram o colapso da rede de energia do Texas, e de que ambientalistas radicais são de alguma forma responsáveis pelo fato de milhões de pessoas estarem congelando no escuro, mesmo com os Republicanos conservadores tendo comandado o estado por uma geração.

Isso não é má conduta política normal. É o equivalente ambiental da afirmação de que a insurreição de 6 de janeiro foi uma operação antifascista enganadora – negação pura da realidade, não somente para escapar da responsabilização, mas para demonizar o oponente. E é um outro indicador da moral e do colapso intelectual do conservadorismo estadunidense.

A história de fundo do que aconteceu no Texas parece ser razoavelmente transparente. Como muitos estados, o Texas possui um mercado elétrico parcialmente desregulamentado, mas a desregulamentação lá foi mais além do que em outros locais. Em particular, diferentemente de outros estados, o Texas escolheu não fornecer incentivos às empresas de energia para instalar capacidades de reserva para lidar com possíveis emergências. Isso tornou a energia mais barata em tempos normais, mas deixou o sistema vulnerável quando as coisas davam errado.

Autoridades do Texas também ignoraram alertas sobre os riscos associados com o frio extremo. Depois que uma frente fria em 2011 deixou milhões de texanos no escuro, a Comissão Federal Energética Regulatória alertou o estado para preparar suas usinas de energia para o inverno com isolante, canos de aquecimento e outras medidas. Mas o Texas, que deliberadamente separou sua rede de energia do resto do país precisamente para se isentar da regulamentação federal, somente implementou parcialmente as recomendações.

E então veio o congelamento profundo.

Uma rede de energia insuficientemente preparada para lidar com o frio extremo sofreu muitos pontos de falha. Os maiores problemas parecem ter atingido o fornecimento de gás natural, que normalmente fornece a maior parte da eletricidade de inverno do estado, ao passo que os dutos e as cabeças dos poços congelaram. Isso também não foi meramente uma questão de apagão de luzes; as pessoas estão congelando também, porque muitos lares texanos possuem aquecimento elétrico. Muitos dos lares sem aquecimento elétrico dependem do, sim, gás natural. Estamos observando grande sofrimento e, provavelmente, um grande número de mortes.

Então o Texas está experienciando um desastre natural piorado por grandes erros políticos – e os oficiais que erraram deveriam ser responsabilizados.

Ao invés de aceitar responsabilidade, no entanto, oficiais desde o Governador Greg Abbott para baixo, apoiados por quase todo complexo midiático de direita, escolheram culpar a energia verde, especialmente a energia eólica.

Agora, é verdade que o estado gera muita eletricidade vinda do vento, embora seja uma pequena fração do total. Mas não porque o Texas – Texas! – é comandado por ambientalistas loucos. É porque as turbinas eólicas de hoje em dia são uma fonte de energia com bom custo-benefício em qualquer lugar que haja muito vento, e uma coisa que o Texas tem é vento.

Também é verdade que o frio extremo forçou algumas das turbinas eólicas insuficientemente preparadas do estado a fechar, mas como eu disse, isso estava acontecendo com as fontes de energia do Texas em todos os sentidos, com os maiores problemas envolvendo gás natural.

Porque, então, todo esse esforço para culpar a energia eólica?

Os incentivos são óbvios. Atacar a energia eólica é uma maneira de ambos os oficiais e ideólogos do livre mercado se esquivarem da responsabilidade por desregulamentações mal sucedidas; é uma maneira de agradar interesses em prol dos combustíveis fósseis, que dão a maior parte das contribuições políticas para os Republicanos; e já que progressistas tendem a favorecer energias renováveis, é uma forma de estratégia política. E tudo se encaixa com a negação da mudança climática.

Mas porque eles acham que podem se safar com essa mentira óbvia? A resposta, é claro, é que aqueles que estão vendendo a mentira sabem que estão operando em um cenário político de pós-verdade. Quando dois terços dos Republicanos acreditam que a Antifa estava envolvida na invasão ao Capitólio, vender para a base uma narrativa doida sobre o desastre elétrico no Texas é praticamente brincadeira de criança.

E se você está esperando alguma mudança nas políticas que ajudaram a causar esse desastre, não conte com isso – ao menos enquanto o Texas permanecer Republicano. Tendo em vista tudo o que vimos, a melhor aposta é que a demonização da energia eólica, não uma compreensão realística do que realmente aconteceu, comande a política de agora em diante.

*Publicado originalmente em 'The New York Times' | Tradução de Isabela Palhares

Conteúdo Relacionado