Pelo Mundo

Xi Jinping fustiga ''forças estrangeiras'' e clama por ''rejuvenescimento nacional''

O presidente chinês liderou as comemorações, em 1/7, em Pequim com dezenas de milhares de pessoas

07/07/2021 11:46

Em frente ao retrato de Mao Tsé-Tung, durante a comemoração dos 100 anos do Partido Comunista Chinês, Praça Tiananmen, Pequim, 1º de julho de 2021 (NG HAN GUAN/AP)

Créditos da foto: Em frente ao retrato de Mao Tsé-Tung, durante a comemoração dos 100 anos do Partido Comunista Chinês, Praça Tiananmen, Pequim, 1º de julho de 2021 (NG HAN GUAN/AP)

 

Talvez fosse apenas evitar a onda de calor, mas o símbolo é, apesar de tudo, bastante forte. Ao convocar dezenas de milhares de chineses às 7h30 para comemorar os 100 anos do Partido Comunista na Praça Tiananmen na quinta-feira, 1º de julho, Xi Jinping claramente queria enviar uma mensagem: diante de um ambiente internacional difícil, a China deve permanecer mobilizada. Como em tempo de guerra, ou quase. A partir das oito horas, cem tiros de canhão e um desfile aéreo de dezenas de aviões de combate e helicópteros deram o tom da cerimônia: marcial.

Até então, o clima na praça era bem humorado. Chegando a partir das 5h, geralmente depois de uma noite sem dormir, cerca de 70.000 chineses escolhidos a dedo pareciam esperar uma manhã festiva. Seu único arrependimento: a proibição para a grande maioria deles - mesmo os do distante Tibete - de trazer seus telefones celulares para imortalizar o evento. Chineses sem celulares não são exatamente chineses. De repente, um certo número até desafiou a recomendação feita a eles de não falar com estrangeiros, pedindo-lhes que tirassem uma foto deles e as encaminhassem para eles por meio de mensagens no WeChat.

Estudantes agitando a bandeira chinesa na cerimônia do centenário do Partido Comunista, na Praça da Paz Celestial em Pequim, 1º de julho de 2021. (WANG ZHAO/AFP)

Muitos ainda tinham em mente as cerimônias do 70º aniversário da chegada do Partido Comunista ao poder, em 1º de outubro de 2019, marcadas por um impressionante desfile militar, seguido de um gigantesco desfile civil, tanto kitsch quanto popular. Na verdade, nada parecido com o de hoje. Ao contrário de 2019, Xi Jinping falou por mais de uma hora. Para se felicitar pelos avanços alcançados pelo Partido Comunista, é claro, que fez da China um "país moderadamente próspero", mas também para alertar os "imperialistas" que tiverem a audácia de querer atacá-la ou de querer colocar o povo contra contra o partido: “os mais de 95 milhões de comunistas não aceitarão, nem os mais de 1,4 bilhão de chineses", disse o secretário-geral do PCCh.

Para Xi Jinping, a história da China consiste em três períodos. O império até as guerras do ópio do século 19, a submissão ao Ocidente de 1840 a 1949, depois, graças a Marx e Mao, "a grande renovação da nação chinesa", uma expressão que ele repetiu muitas vezes. “Só o socialismo pôde salvar a China. Só o socialismo com características chinesas conseguiu desenvolver a China”, explicou o secretário-geral, cujo tradicional traje “estilo Mao” de cor cinza se destacou, no alto da varanda da Cidade Proibida, com sua cor mais escura do que o traje dos anciões, em torno dele. Para ele, a história da China desde 1949 é um todo. Não se trata de separar o joio do trigo. O que importa é que, graças ao Partido Comunista, “a grande renovação da nação chinesa entrou em uma fase histórica irreversível”. A meta para os próximos anos está definida: tornar-se um país socialista moderno até 2035.

 "Os chineses nunca permitirão que qualquer força estrangeira os maltrate, os oprima, os escravize", disse ele sob aplausos, acrescentando: "qualquer um que tentar fazer isso se estilhaçará sob a grande muralha de aço forjada por mais de 1,4 bilhão de chineses."

"Um país forte precisa de um exército forte"

Xi Jinping, que também preside a Comissão Militar Central, justificou a "modernização acelerada da defesa" da China. “Um país forte precisa de um exército forte”, disse ele, acrescentando que “o povo chinês nunca maltratou, oprimiu ou escravizou outros povos. Ele nunca o fez e nunca o fará." A referência aos Estados Unidos era implícita, mas transparente. Ele, aliás, falou a seguir da situação em Taiwan, esta ilha cuja independência a China não reconhece e cujos laços estão se estreitando com os Estados Unidos. Para Xi Jinping, a reunificação é uma "necessidade histórica". No entanto, este tom marcial também deve ser relativizado: Xi Jinping também falou em "reunificação pacífica", sugerindo que ele não é favorável a uma intervenção armada. A presença - ou não - do adjetivo "pacífico" quando se trata de Taiwan é o principal critério das chancelarias para analisar a posição de Pequim sobre este tema polêmico.

Helicópteros sobrevoam a Praça Tiananmen por ocasião do centenário do Partido Comunista Chinês em Pequim, em 1º de julho de 2021. (NG HAN GUAN/AP)

Esse discurso foi o culminar de uma semana dedicada ao centenário do Partido Comunista, estabelecido em julho de 1921 em Xangai por um punhado de intelectuais chineses, sob orientação de Moscou. Surpreendentemente, para esse grande momento de autocomemoração, a festa não declarou o dia 1º de julho como feriado. Sem dúvida para mostrar que a China deve se manter mobilizada, tanto na luta contra a Covid-19 quanto pela conjuntura internacional.

Apesar das declarações triunfantes, a luta contra a Covid-19 está longe de terminar. É certo que os 70.000 participantes, em sua maioria, não usavam máscaras. Mas, assim que as câmeras foram desligadas, os soldados receberam ordem de colocá-las de volta. Todos os participantes foram testados previamente, inclusive colocados em quarentena. Por exemplo, os jornalistas que participaram da cerimônia de 1º de julho deveriam ter recebido uma vacina chinesa antes de 15 de junho, terem sido testados em 29 de junho e concordado em serem colocados em quarentena em 30 de junho em um hotel de Pequim, onde foram submetidos a um segundo teste! A cidade de Cantão acaba de anunciar a criação de um centro de hospedagem com 5.000 lugares reservados para os viajantes que entram no país. É claro que a China não pretende encerrar tão cedo a quarentena de duas a três semanas que impôs, desde 27 de março de 2020, às poucas pessoas que permite entrar em seu território.

Tensões reforçadas

Longe de ter acalmado as tensões internacionais, a crise da saúde as reforçou, especialmente na Ásia. Apenas 24 horas antes do discurso de Xi Jinping, os Estados Unidos e Taiwan anunciaram, na quarta-feira, 30 de junho, a retomada das negociações interrompidas em 2016 com a chegada de Donald Trump à Casa Branca com vistas à assinatura de um acordo comercial. Grupos de trabalho foram criados. Abordarão a produção e distribuição de vacinas, cadeias produtivas industriais que contornam a China, a economia digital ... Uma verdadeira provocação em relação a Pequim. Xi Jinping, em seu discurso, pediu que "não subestimem" a determinação de seu país.

Discurso de Xi Jinping na cerimônia do centenário de nascimento do Partido Comunista Chinês, na Praça Tiananmen, em Pequim, em 1º de julho de 2021. (NG HAN GUAN/AP)

No início desta semana, o presidente chinês e seu homólogo russo, Vladimir Putin, conversaram por vídeo. A amizade e o aprofundamento das relações entre os dois países foram mais uma vez discutidos. Uma mensagem destinada principalmente. lá também, a Washington. Como um filho da Revolução Russa, o Partido Comunista Chinês cresceu além das expectativas de seus pais soviéticos, muitas vezes enfrentando-os ou até mesmo se opondo a eles. Mas, em face de Washington, os herdeiros de Lenin e Mao nunca hesitam em ficar juntos. Prometendo um futuro harmonioso e feliz, a comemoração do 100º aniversário do Partido Comunista Chinês ainda desperta os demônios do passado.

*Publicado originalmente em 'Le Monde' | Tradução de César Locatelli

Conteúdo Relacionado