Poder e Contrapoder

2020, um ano de batalhas diplomáticas para a China

A China em 2020 conviveu com fortes desafios nas relações com os Estados Unidos e o Ocidente, o que a obrigou a se posicionar em defesa de sua soberania, sem descartar as negociações e a cooperação como os melhores remédios

18/12/2020 14:12

(Reprodução/Prensa Latina)

Créditos da foto: (Reprodução/Prensa Latina)

 
Com Washington, as tensões aumentaram e ainda estão no limite devido à intromissão em questões internas delicadas como direitos humanos no Tibete, Xinjiang e Hong Kong, intenções separatistas em Taiwan e reivindicações territoriais no Mar do Sul da China.

Outros ingredientes da discórdia foram as restrições de visto para jornalistas chineses, sanções contra dirigentes e militantes do Partido Comunista, o fechamento surpresa do consulado em Houston e barreiras para as empresas de tecnologia Huawei, Tik Tok e WeChat.

Analistas viam no enfrentamento uma estratégia do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para fins eleitorais, uma vez que pretendia alcançar a vitória com promessas, como transferir a produção do gigante asiático e reduzir a dependência da cadeia produtiva.

Embora o republicano tenha fracassado e perdido as eleições de novembro, na disputa pela Casa Branca o lado democrata – liderado pelo vencedor Joe Biden – não ficou muito atrás e também atirou dardos no que considera ser a “ameaça chinesa”.

Pequim não cruzou os braços e, além de rejeitar cada ofensiva dos EUA com força gradual, devolveu os golpes com contra-medidas de peso semelhante.

As divergências entre as duas potências colocaram os laços bilaterais em seu estágio mais crítico em décadas, com o aprofundamento da desconfiança e – como advertiu o chanceler chinês Wang Yi – à beira de uma Guerra Fria.

“A complexidade das relações sino-americanas ultrapassou o contexto bilateral e obrigou a uma escolha entre multilateralismo e unilateralismo, entre progressão e regressão, entre justiça e poder agressivo”, comentou o chefe diplomático.

Essa apreciação era compartilhada por observadores internacionais e até temia-se a eclosão de uma luta armada, principalmente devido às incursões estadunidenses no Mar do Sul da China ou ao apoio de Trump ao separatismo de Taiwan, uma ilha que Pequim considera uma parte inalienável do território nacional.

Além do contraponto dos Estados Unidos, as ligações da China com Canadá, Reino Unido, Austrália e Índia também se despedem de 2020 com diversos momentos de abalo.

Com os três primeiros países há discrepâncias devido a questões econômico-comerciais e a interferência nas decisões tomadas em Hong Kong, além das barreiras à Huawei.

No caso de Ottawa, a prisão do diretor financeiro da Huawei, Meng Wanzhou; enquanto com Canberra há atrito sobre espionagem e hostilidade sem precedentes que levou a um alerta de viagem para cidadãos chineses com planos de visitar ou estudar na Austrália por razões de segurança e discriminação.

Os atritos com o estado oceânico aumentaram recentemente com troca de acusações, o pedido de uma investigação sobre a Covid-19 na China, restrições comerciais, aumento nas taxas de produtos importados e uma controvérsia sobre os crimes do exército australiano no Afeganistão.

Enquanto isso, os laços sino-britânicos foram tensionados com a decisão de Londres de excluir a Huawei da implantação do 5G e de toda a infraestrutura tecnológica, o término do tratado de extradição com Hong Kong e o plano de acolher titulares de passaportes britânicos de ultramar.

Relativamente à Índia, o confronto fronteiriço de junho conduziu à imposição de obstáculos às operações comerciais, ao boicote aos produtos chineses, ao cancelamento de várias aplicações móveis e à revisão dos planos para incluir Huawei e ZTE na instalação do 5G.

Embora Pequim tenha se mantido firme na proteção de seus interesses, soberania e segurança em face de cada uma dessas diferenças, deixou as portas abertas para o diálogo, insistiu em soluções negociadas e na recuperação de uma cooperação mutuamente benéfica.

Também optou por continuar com sua política de reforma e abertura e por fortalecer alianças com áreas prioritárias de sua agenda externa, como o resto da Europa, Rússia, África, Sudeste Asiático, Oriente Médio, América Latina e Caribe.

Enquanto as relações com o Ocidente se tornavam mais acirradas, a China mantinha contatos com altas autoridades dessas regiões, levantava alternativas de desenvolvimento e cooperação, bem como a necessidade de trabalhar em conjunto para salvaguardar o multilateralismo e o livre comércio.

Em meio a batalha diplomática, negou qualquer pretensão hegemônica, deu garantias de seu apego ao desenvolvimento pacífico e ao avanço de uma globalização mais aberta, inclusiva e equilibrada.

Mas ao mesmo tempo alertou Washington e seus aliados de que eles podem ser as principais vítimas de sua própria hostilidade por preconceitos ideológicos, porque nunca antes o mundo esteve tão interconectado e se um sofre, todos perdem.

“O que a China defende são seus direitos e interesses legítimos e os de outros países; o que protege é a base política (…) e as normas que regulam as relações internacionais; (…) O que ele busca são as suas legítimas propostas e a justiça internacional”, resumiu o chanceler Wang Yi.

Yolaidy Martínez é Correspondente-Chefe da Agência Prensa Latina na China

*Publicado originalmente em Prensa Latina | Tradução publicada em Vermelho.org





Conteúdo Relacionado