Poder e Contrapoder

A China não se 'americanizará' como imaginam alguns nos EUA

Mídia ocidental interpreta novas regras, para empresas de educação e tecnologia, como repressão chinesa ao capital. Esse tipo de compreensão é unilateral e revela julgamento equivocado de estudiosos ocidentais

29/07/2021 13:16

(Ilustração de Chen Xia/GT)

Créditos da foto: (Ilustração de Chen Xia/GT)

 
Muitos meios de comunicação ocidentais simplesmente interpretaram as recentes medidas regulatórias da China, sobre empresas de internet, como Alibaba e Didi Chuxing, e empresas educacionais de capital aberto, como repressão do governo chinês ao capital. Algumas elites estrangeiras veem isso como um movimento de Pequim para colocar o capital sob o comando do Partido Comunista da China. Eles afirmaram que tais medidas estão destinadas a prejudicar gravemente o desenvolvimento das empresas chinesas de tecnologia e a economia.

Até mesmo Stephen Roach, economista norte-americano e especialista em China, afirmou temer que os movimentos recentes da China “estrangulem o setor mais dinâmico da economia chinesa” e minem a confiança das famílias e das empresas. O fundamento de tal confiança é o que tem faltado na China contemporânea.

No entanto, esse tipo de compreensão é unilateral. É uma inferência baseada na percepção política do Ocidente sobre a China. Mais uma vez, isso mostra que os estudiosos ocidentais têm muitos julgamentos equivocados sobre as metas de desenvolvimento da China e os ajustes de política em andamento.

O que está acontecendo na China não foi acompanhado de perto. Em vez disso, foi analisado apoiando-se na teoria econômica ocidental, particularmente na teoria norte-americana. Mas a China está em um caminho diferente do Ocidente e dos EUA. A ‘desamericanização’ que evidenciei há dez anos está ocorrendo.

Somente através de uma comparação mais específica entre a política de desenvolvimento da China e a história da formulação da política econômica dos Estados Unidos é que as pessoas podem reconhecer fundamentalmente a reforma em curso na China de hoje. Tal perspectiva revela como essas reformas trarão a prosperidade comum do povo chinês.

No geral, os EUA são uma economia neoliberal de mercado. Embora os norte-americanos sempre enfatizem a equidade como uma crença básica, isso se refere principalmente à equidade na competição, enfatizando o individualismo e a prioridade da eficiência. Esta é a causa fundamental que levou ao acúmulo desenfreado de lucros por empresas gigantes dos Estados Unidos e ao fosso cada vez maior entre ricos e pobres.

Desde a reforma e abertura da China, houve um período em que o país colocou mais ênfase na livre concorrência da economia de mercado. A China teve a experiência de aprender com os Estados Unidos em muitos campos. De certa forma, ela se comportou de forma muito semelhante às fases de acumulação de capital nos Estados Unidos.

No entanto, a competição desregulada (laissez-faire) resultou em sérias consequências, especialmente em termos de justiça social. Isso se desviava dos princípios básicos do socialismo.

Portanto, o ajuste nos últimos anos era inevitável. Por exemplo, no campo da previdência social, quase todos os planos de seguro médico da China refletem a direção do sistema controlado pelo mercado. Os esforços para isso ainda estão aumentando.

Medidas recentes sobre empresas de educação visam garantir justiça também neste setor. É uma característica essencial da educação chinesa dar às crianças um início de vida justo.

A China espera construir uma sociedade de prosperidade comum. Como resultado, deve garantir que o desenvolvimento do poder do capital não prejudique a equidade social.

Daniel Zhang Yong, presidente e CEO do Alibaba Group, tem um entendimento preciso a esse respeito. Ele disse: "as economias de plataforma da Internet são novos desenvolvimentos no cenário global. No ano passado, chegamos a um melhor entendimento sobre as economias das plataformas da Internet. "

Ele continua: "Precisamos pensar mais sobre o valor positivo que está sendo criado para a sociedade; enfrentar os desafios relacionados à tecnologia essencial; apoiar o desenvolvimento da revitalização rural; nos tornarmos mais corretos e sustentáveis ecologicamente."

Esse modelo é promovido por meio do sistema político da China, que destaca as características chinesas e que, provavelmente, não pode ser explicado adequadamente pelas teorias ocidentais existentes.

Na verdade, a política dos EUA também está mudando em uma direção que dá mais ênfase à igualdade. Mas o governo Biden pode não ser capaz de mudar fundamentalmente a "natureza" do capitalismo norte-americano.

A gestão e o controle da China certamente farão operações estáveis na economia de mercado e, mais importante, no ajuste do modelo de desenvolvimento da China - levando em consideração a direção da prosperidade comum.

Isso não significa que o ajuste da China ocorrerá sem problemas. Ainda é um processo de exploração contínua com base nas práticas de desenvolvimento da China.

Os modelos históricos de desenvolvimento da economia de mercado na China e nos Estados Unidos pareciam semelhantes. É por isso que alguns norte-americanos estão acostumados a aplicar a experiência e as regras dos EUA na economia chinesa. Mas agora é seguro dizer que a diferença aumentará entre eles. A China não se tornará um país mais "americanizado" como alguns norte-americanos imaginam.

A competição entre a China e os EUA será mais focada na governança, especialmente em assegurar que a sociedade como um todo se desenvolva de forma mais justa, estável e verde.

Ding Gang é editor sênior do People's Daily e, atualmente, pesquisador sênior do Instituto Chongyang de Estudos Financeiros da Universidade Renmin da China

*Publicado originalmente por Global Times | Traduzido por César Locatelli



Conteúdo Relacionado